Zé Maria – na imprensa

 

Revista Época – 16/11/2010

Fala, Brasil – Jovens são detidos por agressão na av. Paulista, em São Paulo. Os cinco jovens detidos na manhã deste domingo (14) após agredirem três pessoas na avenida Paulista, na região central de São Paulo, alegaram provocação para os ataques. Segundo informações da 5a Delegacia de Polícia (DP), onde o caso foi registrado, eles afirmaram que reagiram a provocações dos agredidos. A polícia informou, no entanto, que essa justificativa contraria a versão das vítimas e das testemunhas que presenciaram as cenas. Dos três rapazes agredidos, apenas um permanece em observação no Hospital Vergueiro. Os rapazes detidos não seriam ligados a nenhum grupo de skinheads ou qualquer outro movimento, segundo a 5a DP. A delegacia informou que os cinco rapazes detidos formam um grupo de amigos de classe média, sendo que quatro são menores de idade, entre 16 e 17 anos, e um maior, de 19 anos. A polícia investiga se as agressões foram provocadas por homofobia. Segundo a 5a DP, o grupo realizou o primeiro ataque contra dois rapazes, por volta das 6h30. Um deles ficou com vários ferimentos no rosto depois de ser agredido com duas lâminas fluorescentes. Os dois foram atendidos no hospital. O segundo ataque foi logo pouco depois, contra outro rapaz, que não sofreu ferimentos e não precisou de atendimento médico. As pessoas agredidas têm entre 20 e 23 anos, segundo a polícia.

(meu comentário) – Que os profissionais da educação possam ser valorizados à altura da responsabilidade que têm em capacitar uma nova geração de estudantes na edificação de um país igualitário com mais justiça, inclusão e paz, para todos nós, brasileiros.

Jornal de Campinas -16/11/2010

Ministro diz que data do Enem sai semana que vem – Sobre a sindicância para apurar as falhas na edição deste Enem, Haddad disse que o trabalho “vai começar”. O começo da próxima semana, disse hoje o ministro da Educação, Fernando Haddad, na Comissão de Educação Cultura e Esporte (CE) do Senado Federal. Segundo ele, o novo dia de aplicação do Enem – para os alunos prejudicados pelos erros com o caderno amarelo – será anunciado quando for finalizada a leitura das atas dos locais da prova.  Sobre a sindicância para apurar as falhas na edição deste Enem, Haddad disse que o trabalho ‘vai começar’. ‘No ano passado, fizemos a sindicância. Ninguém ali no Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) se furtou a prestar os esclarecimentos devdios, e nós sabemos hoje que não houve nenhuma participação de servidor do Inep nas ocorrências do ano passado’, afirmou ele, ao lembrar o episódio do vazamento da prova revelado pelo Jornal O Estado de São Paulo. ‘Temos de ter cuidado antes de sacrificar um servidor, dar o direito de defesa. Ele se explica, eventualmente pode até ser punido, mas de acordo com o devido processo legal, em que a defesa é admitida’, completou. O requerimento de convite ao ministro na comissão foi apresentado pela senadora Marisa Serrano (PSDB-MS) e subscrito pelo líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR).

(meu comentário) – Ou os valores dos nossos dirigentes mudam, ou continuaremos a ver o exemplo do amaldiçoado jeitinho brasileiro da enganação e do engodo ser eternamente legalizado pelo governo.

Jornal Itu – 15/10/2010

O velho mestre – de Sidarta da Silva Martins – De um autor desconhecido, este poema dedicado à nobreza do professor, e de todos os profissionais que abraçam seu trabalho com amor, fazendo da vida uma profissão de fé e de esperança, era por mim declamado, e encenado, em minha infância, nas festas do querido Regente Feijó, em Itu, no Estado de São Paulo. Eu, então, ficava muito orgulhoso. Hoje, homem feito, além de muito agradecido a Deus pela oportunidade, continuo muito orgulhoso por ter feito parte de uma família tão nobre, a Família Regente Feijó, que tem como símbolo um dos mais dignos homens que conheci, o Professor João dos Santos Bispo.

Andava muito doente o velho professor.

Por isso ele já não tinha, agora,

Andava muito doente o velho professor.

Por isso ele já não tinha, agora,

O mesmo ardor que outrora o possuía,

E o animava dantes.

 

Às vezes, quando em aula,

Havia mesmo instantes!

Em que inclinava a fronte,

Aquela fronte austera e cansada,

Onde já desabrochava a flor da primavera

E cochilava um pouco, involuntariamente.

O velho professor andava muito doente.

(meu comentário) – Parabéns, Sidarta – excelente homenagem! – Aproveito, neste Dia dos Professores, para enviar minhas congratulações aos colegas do magistério – e a todos os profissionais da educação que, como eu, jamais jogarão a toalha. Não se permitirão desistir. Não pouparão os seus esforços, o seu suor, o seu fôlego para manter avivada a luta pela paz nas escolas e pela valorização do ensino paulista. O que hoje é um sonho, amanhã – juntos – faremos virar realidade.

Jornal de Itupeva – 15/10/2010

(Minha mensagem)- Dia dos Professores – Aos que não se permitem desistir. Os versos nos tocam de forma suave e profunda. Criação de Sivuca e Paulinho Tapajós – Nos tempo dos pardais – massageia a nossa alma, na voz da inesquecível Elizeth Cardoso ou, então, no jeito singular de Raimundo Fagner. Louvor à simplicidade dos valores humanos. Um tempo nostáugico quando as escolas não portavam armas – as crianças se sentiam seguras, pois iam lá só para estudar. Os professores eram respeitados. Não havia violência, nem pânico, nem álcool, nem drogas. Havia era dignidade. Os mestres eram valorizados. O medo não se atrevia a pular os portões escolares.

Na celebração do Dia dos Professores, faço lembrar os versos desta poesia. Assim, presto uma singela homenagem aos colegas do magistério – e atodos os profissionais da educação que, como eu, jamais jogarão a toalha. Não se permitirão desistir. Não pouparão os seus esforços, o seu suor, o seu fôlego para manter avivada a luta pela paz nas escolas e pela valorização do ensino paulista. O que hoje é um sonho, amanhã – juntos – faremos virar realidade.

Nos tempos dos pardais

Era uma vez

um tempo de pardais

de verdes nos quintais

faz muito tempo atrás

quando ainda havia fadas

 

Num bonde havia

um anjo pra guiar

outro pra dar lugar

pra quem chegar sentar

de duvidar, de admirar

 

Havia frutos num pomar qualquer

de se tirar do pé

no tempo em que os casais

podiam mais se namorar

nos lampiões de gás

sem os ladrões atrás

tempo em que o medo se chamou jamais

(…)

 

Só sei que enquanto houver os corações

nem mesmo mil ladrões, podem roubar canções

E deixa estar, que há de voltar

o tempo dos pardais, do verde dos quintais

tempo em que o medo

se chamou jamais!

Jornal Estadão -12/10/2010

(meu comentário) – Pitágoras mais atual do que nunca – Dia da Criança. O comércio aguardando o opulento lucro que antecede o Natal. Por outro lado, o cenário infantil para as crianças brasileiras não é dos mais otimistas. Um país como o Brasil, com grande diversidade cultural e, principalmente econômica, ainda não permite aos seus filhos as mesmas oportunidades de ensino. A escola, como a mais importante instituição que garante cidadania a todos, é arrombada por uma violência descabida que vitima alunos e professores de forma cruel e covarde. Um dia, com muita propriedade, Antoine de Saint-Exupéry, autor de O Pequeno Príncipe, declarou: “As crianças têm de ter muita paciência com os adultos.” A banalização da violência tornou-se parte do cotidiano, juntamente com o império das drogas, do álcool e do pânico. Para onde olhamos há sempre o espectro da maldade. A marca da violência doméstica, o medo no ambiente escolar, um universo sombrio, sem graça e sem coração. Quem puder a seus pequenos dar o valor da cidadania e do respeito – o direito de aprender com segurança e professores dignificados – pode ter certeza que no Dia das Crianças e nos demais dias, este é e sempre será o melhor presente que se pode dar. Atual e oportuno, Pitágoras encabeça o pensamento da semana: “Eduque as crianças para que não seja necessário punir o adulto”. Sábias e cautelosas palavras. O País precisa garantir uma melhor qualidade em educação. As crianças brasileiras merecem esse presente.

Revista Época – 22-09-2010

As lições que o circo ensina – Isolado por canaviais, o bairro Campos Salles, em Barra Bonita, no interior de São Paulo, corria o risco de sumir do mapa. Abandonada, a antiga estação de trem fora ocupada por três famílias que a converteram em moradia. O mato cobria suas poucas ruas de terra e já ocupava os quintais das casas. Até a escola municipal, com uma quadra poliesportiva, deixara de funcionar (…). Quando a reportagem de Época visitou a Casa, mais de 400 crianças e jovens assistiam a uma mostra de trabalhos dos próprios alunos e de seus educadores. Uma crença do projeto é que o conhecimento aprendido deva ser compartilhado. “Antes, nós apenas exibíamos filmes. Agora, os alunos se apresentam, são os protagonistas”, diz a educadora social Elisangela Fernandes dos Santos, de 34 anos. “Além das mostras, montamos espetáculos em eventos fora da Casa.” O calendário é intenso. “Já me apresentei 17 vezes”, diz Lucas Bertucci, de 12 anos, que também estuda teatro em Igaraçu do Tietê, cidade vizinha a Barra Bonita. “Eu gostaria de ser ator, trabalhar na televisão (…)

(meu comentário) – Enfim, há esperança – Em meio às notícias desanimadoras, Época nos brinda com uma reportagem que faz o caminho inverso – nos acende uma imensa luz de esperança: Iniciativas como esta – que criam acesso às ricas formas de expressões culturais – aumentam as oportunidades de crianças e adolescentes a serem habilitados a viver num mundo sério, de responsabilidades, com valores éticos e direitos respeitados. Só assim as novas gerações terão chances de construir um país consciente, edificado com justiça e dignidade. Oxalá projetos como este sejam multiplicados Brasil afora para que reportagens assim possam aumentar a autoestima do nosso país.

Jornal Assis – 11-08-2010

Educação – Secretaria levará 10 mil alunos da rede estadual à 21 Bienal do Livro – A Secretaria de Estado da Educação levará 10 mil alunos de escolas estaduais da Grande São Paulo, litoral e interior à 21 Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que acontece entre os dias 12 e 22 de agosto no Pavilhão de Exposições do Anhembi. São alunos do Ciclo I do Ensino Fundamental ( primeiro ao quinto ano) até estudantes do programa de Educação para Jovens e Adultos (Eja).Os estudantes ainda terão transporte oferecido pela Secretaria e ganharão lanche e um vale-livro para trocar nos estandes. A iniciativa tem por objetivo aproximar os alunos do universo literário e incentivar a prática da leitura, complementando o trabalho desenvolvido nas escolas estaduais em projetos como o “Salas de Leitura”, que oferece a estudantes e professores das unidades um acervo rico em títulos informativos, romances e obras pedagógicas, além de ambiente exclusivo para leitura. Cada grupo permanecerá cerca de duas horas na feira e será monitorado por professores, a fim de que a visita contribua com o trabalho pedagógico desenvolvido em sala de aula. Interatividade – A interatividade será uma das atrações desta edição da Bienal e estará presente também no estande da Secretaria de Estado da Educação, dividido em três núcleos, sob o tema “Eles leram, nós lemos, eles lerão”. Esta será a primeira edição da feira em que a secretaria terá um espaço exclusivo. O primeiro núcleo irá proporcionar aos visitantes uma viagem pela história, conduzida pelas formas de comunicação através dos tempos, a partir da pintura rupestre, passando pela antiguidade, idade média, moderna até chegar à internet e ao livro digital dos dias atuais. O espaço foi criado por uma equipe da Secretaria, com cenografia de João Carlos Serroni, e as visitas serão orientadas por monitores. No segundo núcleo, haverá uma réplica da Sala de Leitura, nos moldes das salas existentes nas escolas estaduais, que abrigam o acervo de cada unidade e oferecem um ambiente exclusivo para leitura aos alunos e professores. O espaço terá uma programação diversificada de oficinas (contação de histórias, cordel, leitura dramática, mangá, HQ e sarau), ministradas por educadores da Poiesis/Associação dos Amigos da Casa das Rosas. No local também haverá exposição de publicações e projeção de imagens das Salas de Leitura com detalhes sobre os programas e projetos de incentivo à leitura promovidos pela Secretaria. O terceiro núcleo será o Espaço de WEB, onde os visitantes poderão postar mensagens sobre suas leituras e produções, em comunidades virtuais de alunos e professores, em uma rede especialmente criada para os participantes da Bienal.

(meu comentário) – Não dá mais para sonhar com um país de faz-de-conta. Queremos um Brasil emocionalmente equilibrado, que invista na educação e que, mesmo encarando adversidades, seja capaz de manter inabalável a sua compostura. A Bienal é uma oportunidade singular para esta nova geração de brasileiros ser estimulada a se unir aos livros a fim de que se tornem bem informados e conscientes.

Revista Época – 11-08-2010

Para falar com autores consagrados na Bienal – Na Bienal do Livro, o visitante participa de debates com escritores consagrados brasileiros e estrangeiros. Confira os dias e os temas que serão discutidos. O visitante da Bienal Internacional do Livro, que começa no dia 12, irá submergir no mundo de Monteiro Lobato e Clarice Lispector, os grandes homenageados do evento. O primeiro ganhou uma exposição que conta sua trajetória de escritor de clássicos, como Reinações de Narizinho e Urupês, a ousado editor de livros. A mostra organizada pela Globo Livros, que tem um site especial dedicado ao escritor. Outro evento que homenagerá Monteiro Lobato será promovido pelos acadêmicos da Academia Paulista de Letras, no dia 13, às 16h, no Palco Literário. Lygia Fagundes Telles, Tatiana Belinky, Ruth Rocha, Francisco Marins e Ignácio de Loyola Brandão participam de uma conversa aberta ao público. Já Clarice será o tema de debate no dia 14 de agosto, às 15h. O biógrafo americano da autora, Benjamin Moser, autor de Clarice, estará presente para esmiuçar a vida desta grande escritora. Além do contato com a vida e obra dos dois, será possível conversar com autores brasileiros consagrados, muitos em intensa produção. È o caso dos brasileiros Ziraldo, Marçal Aquino, Ignácio de Loyola Brandão e Milton Hatoum, o norueguês Jostein Gaarder e o angolano Eduardo Agualusa. Há, inclusive, encontro entre escritores, como John Boyne (O Menino do Pijama Listrado) e Jostein Gaarder ( O Mundo de Sofia). Confira abaixo os dias e horários em que estes estarão no centro da discussão.

(meu comentário) – O fato é que a Bienal Internacional do Livro é uma oportunidade singular para esta nova geração de brasileiros ser estimulada a se unir aos livros a fim de que se tornem bem informados e conscientes. O momento não é de esperar por salvadores da pátria, mas por cidadãos confiantes na edificação de uma nação forte, que ofereça perspectivas e segurança.

Revista Época – 9-08-2010

“Crumb? Esta é a Flip de Ferreira Gullar” – Ferreira Gullar é um dos maiores poetas brasileiros vivos, está prestes a completar 80 anos de idade e ganhou em 2010 o Prêmio Camões de Literatura, importante honraria oferecida às produções literárias em língua portuguesa. Foi um dos homenageados da Flip este ano, e tinha uma mesa só para ele, para discutir sua obra e sua história. Logo após dele, falaria o quadrinista Robert Crumb, aclamado como estrela maior da festa. O público foi se acomodando para assistir aos causos do velho poeta com calma. Nenhuma histeria, nenhuma expectativa de sucesso. Foi conquistando risadas e simpatia aos poucos, como na brincadeira que fez com sua condição de “urubu”, nos tempos do exílio. “Fui morar no Chile, Allende caiu. Fui morar em Buenos Aires, morreu Perón. De modo que o pessoal começou a dizer: ‘Não vem para cá não!'”, disse, e a plateia gargalhou com ele. Aos poucos, mais e mais pessoas, talvez o público que se adiantava para não perder Crumb, chegavam perto da tenda do telão para acompanhar o bate-papo. A descontração foi substituída pela emoção quando Gullar leu um trecho de seu livro mais famoso, substituída pela emoção quando Gullar leu um trecho de seu livro mais famoso, “Poema Sujo”, escrito durante o exílio. Foi como se pegasse o público de surpresa. Deu-se a primeira de muitas grandes ondas de aplausos ao poeta. Ferreira Gullar ficou cerca de dez anos sem produzir novos poemas, e revelou estar prestes a publicar obras inéditas. Mais do que isso, leu três de suas novas obras para o público de Paraty, que já disputava espaço para ouví-lo e vê-lo. Foi o encerramento do momento mais emocionante da Flip deste ano. O público se levantou para aplaudí-lo, por alguns minutos. Gullar levantou-se para receber o carinho. Ao fim da ovação, uma fã gritou palavras de agradecimento. O poeta respondeu: “Eu é que tenho que agradecer. Fico feliz em saber que a poesia ainda emociona as pessoas”. Mais aplausos. E Crumb? O quadrinista Robert Crumb, durante Festa Literária Internacional de Paraty fez piadas com o assédio da imprensa, fez piadas com um ator que o retratou em um filme – “Gostaria que fosse Brad Pitt” – e fez piadas com a mulher brasileira – “bunda grande”. O companheiro de contracultura Gilbert Sheldon pouco apareceu. Do meio para o final do debate, a mulher de Crumb, Aline Kominsky-Crumb, também cartunista, subiu ao palco e acabaou monopolizando o bate-papo, para tornar tudo ainda mais irrelevante.

(meu comentário) – Nossa gente tem sede de cultura e fome de dignidade. A Flip garantiu, este ano, um lugar privilegiado ao poeta Ferreira Gullar. Mas a exposição de talentos literários terminou. Mais um evento produtivo, com significativa contribuição à cultura brasileira. Que o Brasil possa multiplicar iniciativas com o mesmo sucesso e que priorize, com urgência, a sua educação.

Jornal Estadão.com.br – 7-08-2010

(meu comentário) – cartas – imortal – Genial o especial “100 anos de Adoniran Barbosa”, de ontem. Adoniran Barbosa é a tradicional voz da nossa gente. A força da expressiva cultura popular brasileira. Sua voz rouca, inconfundível, falava a língua que o povo conhecia. Como o seu suor misturado ao do dia a dia do povo paulistano, conquistou um sucesso de prestígio nacional. Um imortal, especialmente para nós, paulistanos. Expressivo trabalho de sua obra, publicado pelo Estadão, no dia da celebração do centenário do artista.

 

Veja São Paulo- 11-08-2010 – pág.12

(meu comentário) – Mistério da Cidade – Interessante a tática de convidar o público para a Bienal citada na nota “Livres dos livros” (4 de agosto). O evento é uma oportunidade singular para que essa nova geração de brasileiros seja estimulada a se unir aos livros, a fim de se tornarem cidadãos bem informados, conscientes da edificação de uma nação que, mesmo encarando adversidades, seja capaz de manter inabalável a sua compostura.

Veja.com – 6-08-2010

Adoniran Barbosa – Há 100 anos nascia o poeta Adoniram Barbosa nasceu no dia 6 de agosto, há 100 anos atrás. Raro exemplo de unanimidade nacional, ele foi um paulista compositor de sambas respeitado até no reduto maior desse gênero musical: o Rio de Janeiro. Em 1969, durante o 3o Simpósio Nacional do Samba, no Rio de Janeiro, a delegação de São Paulo chegou tímida. Não era para menos, estavam lá todas as feras do samba carioca. A coisa mudou depois que alguém puxou o Trem das Onze, de Adoniran Barbosa  e o público todo cantou com vontade. Vai contra o espírito carioca negar valor a quem o tem, na área musical e esportiva, notadamente. Da mesma forma que encheu o Maracanã para aplaudir o Santos de Pelé, que fez do Rio sua casa para jogos internacionais nos anos 60, os sambistas cariocas demonstraram pela segunda vez sua admiração pelo talento do paulista de Valinhos. A primeira havia sido a escolha desse samba no concurso de músicas carnavalescas realizado em 1964, para o Carnaval do 4o Centenário da cidade do Rio de Janeiro, no ano seguinte. Esse namoro se consolidou em 1999, quando o Centro Cultural Banco do Brasil foi palco de uma grande homenagem ao compositor, com a presença da nata da nova MPB.

(comentário) Bela homenagem ao centenário deste filho de imigrantes italianos – que se destacou como um dos mais criativos e versáteis artistas brasileiros do século XX. Soube como ninguém, cantar a periferia da cidade -as dificuldades da classe operária, a simplicidade e as alegrias do coração da massa popular. Adoniran Barbosa é a tradicional voz da nossa gente. A força da expressiva cultura popular brasileira. Um imortal, especialmente para nós, paulistanos.

Jornal de Campinas – 6-08-2010

Criadora da Flip inclui Campinas em novo projeto – Campinas e Porto Feliz recebem programação da festa de Paraty é o que aponta os organizadores. Os organizadores da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) estudam a possibilidade de ramificá-lo por outras cidades brasileiras e também no Exterior. “A Flip está chegando aos dez anos, talvez seja o momento de pensar seriamente nisso”, afirmou a editora inglesa Liz Calder, idealizadora do evento. Entre as cidades citadas estão Campinas e Porto Feliz. A organização prevê, ainda, programação na Inglaterra. Ao lado de Calder desde a edição inaugural, o arquiteto Mauro Munhoz, diretor da Casa Azul, que organiza a festa, tem sido interlocutor dos interessados. Um deles é Christina Baum, que já integrou a equipe da Flip e promove festival de cultura brasileira em Londres. Além da possibilidade de fazer uma festa própria na capital, há também a de criar algo dentro de algum festival que já exista. A tratativa com Porto Feliz parece mais adiantada. O prefeito Cláudio Maffei (PT) conta que quer unir a vocação histórica da cidade ao seu desejo de incentivar a leitura entre moradores para organizar um festival lá. Por isso, foi a Paraty este ano expor o projeto a Munhoz, que propôs fazer uma praça-biblioteca e desenvolver o resto a partir dela. Já Campinas soa por ora como paquera. Munhoz diz que há um estudo para a construção de um museu histórico, que criaria “um enraizamento entre arte, cultura e a população, necessário para levar a Flip a qualquer lugar.”

(meu comentário) – De fato, para que o nosso povo se torne mais bem informado e consciente é preciso multiplicar eventos como a Flip e priorizar, com urgência, a educação. Só assim teremos chance de nos tornar um país lúcido e digno.

Jornal de Piracicaba – 5-08-2010

(meu comentário) -JP 110- O JP conquistou seu lugar como referência em jornalismo por meio de muita labuta, talento e por saber encarar os desafios com extrema responsabilidade. São 110  anos de uma exemplar história de sucesso. Que o JP continue nos brindando com este qualificado trabalho. Parabéns e um abraço a toda equipe.

Jornal de Itupeva – 3-08-2010

(meu comentário) – Meia verdade é sempre uma mentira inteira. A falácia acerca dos salários dos professores. A mídia não se poupa em apregoar que o salário dos professores da rede pública melhorou. Porém, se desnudarmos a questão, veremos que isso não passa de uma descabida falácia. Deslize os olhos na mais recente pesquisa da UNESCO, realizada num total de 38 países desenvolvidos e em desenvolvimento, e veja que não só o professor brasileiro recebe o terceiro pior salário do planeta, como possui as turmas com o maior número de alunos. Este estudo indica que a relação no Brasil é de 29 alunos, em sala de aula, para cada professor. Na Dinamarca, acredite, é de dez para um. Então, encarar a questão do salário do professor da rede pública segundo o otimismo dos veículos de comunicação é, no mínimo, arriscado. È quase impossível não compararmos os salários dos nossos colegas. Na Alemanha, por exemplo, um professor com a mesma experiência de um brasileiro ganha, em média, US$ 30 mil por ano. Após trabalhar mais de 15 anos, o professor brasileiro chega, no máximo, a US$ 10 mil por ano. Em Portugal, o salário anual chega a US$ 50 mil, o mesmo dos nossos colegas suíços. Nossos vizinhos argentinos recebem US$ 9.857 por volta de R$ 22  mil, exatamente o dobro que a gente. Anualmente, o professor brasileiro em início de carreira recebe, em média, US$ 4.818, o equivalente a R$ 11 mil. O mundo sabe disso. É melancólico. Porém, diante dos baixos salários oferecidos aos professores é fácil entender por que poucos jovens acabam seguindo a carreira no Brasil. O problema é que os professores com alto nível, na maioria nascidos em classe social privilegiada, buscam melhores salários em áreas mais atraentes. O próprio MEC admite que os alunos têm chegado à faculdade com imensas deficiências de aprendizado. Não é difícil notar que a estabilidade de emprego, sem dúvida alguma, representa uma isca às classes populares. De acordo com o consultor em educação da UNESCO no Brasil, Célio da Cunha, sem professores bem formados e com uma remuneração digna não será possível atingir a qualidade que o Brasil precisa para a educação básica. “Isso coloca em risco o futuro do país, por conta da importância que a educação tem em um mundo altamente competitivo e em uma sociedade globalizada. “Então, é bom ficarmos de olho. William Shakespeare, um sujeito que sabia definir as relações humanas como ninguém, concluiu que “o diabo pode citar as Escrituras quando isso lhe convém”. Assim, o governo se vale da maquiagem dos fatos para lançar manchetes adocicadas só para atender aos seus duvidosos interesses marqueteiros. Mas isso não muda absolutamente nada a realidade financeira dos professores de nossa terra. E, se valer da imobilidade e da falta de opção destes profissionais, convenhamos, é desbrio, uma vil covardia que compromete não só a estrutura de suas famílias, mas a hombridade de todo o País.

Jornal Diário de São José do Rio Preto – 3-08-2010

Jornal na Educação – Violência na Escola: o grande desafio dos Educadores – “Eduquem os meninos. E não será preciso castigar os homens” – Pitágoras – A violência nas Escolas é hoje uma das maiores preocupações de professores, pais e responsáveis pela educação no país. Atos de vandalismo, bullying, incivilidades, passam a fazer parte do cotidiano das escolas, sejam elas públicas ou particulares. A truculência nas relações sociais e pessoais entre os muros da escola, vem assustando dia a dia nossa sociedade. Interferem sobremaneira no processo ensino-aprendizagem, tendo como consequência, crianças e jovens amedrontados e com pouco aproveitamento escolar. A mediação de conflitos no ambiente escolar tem se apresentado como uma das boas alternativas para dirimir e administrar questões que se estabelecem entre os atores desse espaço de convivência que, além de ensinar também faz parte integrante da história de vida de todos nós. Corintha Maria Barreto Medeiros – Graduada em Pedagogia pela USP/UNESP – Mestre em Educação pela Ufscar.

(meu comentário) – Para mim, nada mais verdadeiro do que o velho conceito que a educação é a mais poderosa arma contra a violência, quando aplicado não só na escola, mas na família em toda a comunidade. É neste caos que percebemos a razão para o incentivo de toda essa violência: a injustificável impunidade. Mecanismos adequados para abolir esta infeliz tradição precisam ser imperiosamente ativados a fim de que o estudante brasileiro consiga ter fundamentos elementares de civilidade e, ao ingressar numa faculdade, aprenda a ser um bom profissional e um cidadão digno, com direitos e deveres respeitados. Um dos mais importantes conceitos da não violência é não buscar destruir a pessoa, mas transformá-la.

Jornal de Itu-19-07-2010

Leis do ECA são cumpridas só pela metade no Brasil. No Brasil temos leis que pegam e leis que não pegam… Temos para a escola pública uma Chuva de Leis, mas para os alunos temos Seca de Justiça. As leis que favorecem alunos nunca são cumpridas. Pior é a Lei que é cumprida pela metade como é o caso do ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente. Essa lei completou 20 anos no dia 13 de julho e na escola só entrou os deveres e não os direitos. Uma lei que a imprensa equivocadamente, por ignorância mesmo, divulga que foi criada para passar a mão na cabeça de menor delinquente. Só para não me alongar, vamos ver os direitos que o ECA não é cumprido na escola. Artigo 53: 1) Aluno tem direito a acesso e permanência na escola pública mais perto de sua residência. a) Aluno entra na escola quando tem vaga, e só permanece se for bonzinho. Aluno é expulso e suspenso da escola diariamente, violando a lei. As autoridades fecham os olhos para isso e para toda vez que uma escola viola a lei. 2) Aluno tem direito a ser respeitado por seus educadores. b) Aluno rebelde, líder e que cobra do professor, é tido como “laranja podre” e a escola se livra dele rapidinho. Aluno que mais precisa da escola é o que nela não fica.  (…) Que na prática o rebaixamento da idade penal já existe com o ECA. Adolescente pode ser privado de liberdade com 13 anos. Pode ser preso, mas não pode se defender. Quem acha que três anos é pouco não conhece uma cadeia, ou nunca teve uma pessoa de sua família nessa situação. Que segundo Sheakespeare: “só ri da cicatriz, quem nunca foi ferido…” (meu comentário) – O Estatuto protege apenas juridicamente os interesses de crianças e adolescentes em relação à Educação, estabelecendo normas de caráter geral. Como o ECA dialoga com esse ideal, como trabalhar com a lei, para que ela, de fato, apresente-se como um instrumento de ação transformadora e de garantia de possibilidades aos seus destinatários?

Jornal Rádio CBN – 19-07-2010

Polícia – Ciep onde Wesley foi morto, no Rio, antecipa férias. Professores dizem que polícia não avisa sobre operações. (meu comentário) – Se um dia o Brasil levar a serio a sua educação e segurança muita gente será beneficiada. É muito triste. Mas neste dia, quando chegar, o garoto Wesley Gilber Rodrigues, como muitos brasileirinhos, não será mais que um número de estatística. Uma saudade.

Jornal de Itupeva -19-07-2010

(meu comentário) – Cheiro de morte invade a escola- Nossa memória olfativa estoca cheiros interessantes quando nos lembramos da escola. Tem cheiro de infância, de lanche, do perfume da professora, de um punhado de coisas – mas, de horror e do imutável cheiro da morte, nem pensar. Bem diferente do que acontece hoje. Ainda que as manchetes estampem diariamente fatos de extrema violência, a morte de um garotinho em plena sala de aula nos choca de forma impactante. Wesley Rodrigues tinha 11 anos. Na manhã daquela sexta-feira, 16/7 – cumpriu a mesma rotina dos estudantes de sua idade. Porém, uma bala perdida durante uma troca de tiros entre criminosos e policiais o atingiu em pleno Centro Integrado de Educação Pública Rubens Gomes, no Rio de Janeiro. Morreu na mesma morte que os condenados do submundo – com um tiro no peito. Só o crime foi diferente: se sentou numa sala de aula para escapar da bandidagem e conseguir ser um digno cidadão. Não deu. Ir à escola, naquele dia, foi fatal. Seu frágil corpo foi enterrado sob os olhares constrangidos da população. Em Guerra e Paz, o famoso romance escrito por Tolstói, uma das mais notáveis obras da literatura universal pela riqueza e realismo de suas descrições psicológicas, o autor descreve uma teoria fatalista da História, onde todos os acontecimentos só atendem a um determinismo imutável.  Cabe a pergunta: poderia o pequeno Wesley escolher o seu próprio destino? Não seria a escola um lugar para respeitar e ser respeitado? Um celeiro de conhecimento, ética e cidadania? No mesmo dia, o presidente da CE (Comissão Européia), José Manuel Durão Barroso, destacou o potencial do Brasil para receber investimentos estrangeiros, porém, advertiu que pode ser afetado pela imagem de insegurança. Acompanhado pelo governador do RJ, Sérgio Cabral, Barroso visitou o morro do Cantagalo. Em passeio pela comunidade, o presidente da CE viu diferentes projetos para reabilitar a área, como a futura sede da associação de moradores, blocos de apartamentos construídos pelo Governo para famílias pobres e o centro comunitário com várias atividades para crianças. “A reabilitação social e cultural que está sendo realizada aqui é extraordinária”. Posso descrever a iniciativa como “um projeto para a paz”, afirmou o representante europeu. Wesley Gilber Rodrigues não foi alcançado por nenhum projeto que o fizesse feliz. Era um aluno de uma escola pública brasileira. Foi baleado em plena sala de aula e levado ao hospital por seus professores. O socorro demorou mais de meia hora. Se um dia o Brasil levar a sério a sua educação e segurança muita gente será beneficiada. É muito triste. Mas neste dia, quando chegar, o garoto Wesley Gilber Rodrigues, como muitos brasileirinhos, não será mais que um número de estatística. Uma saudade.

Folha de S.Paulo- 14-07-2010

(meu comentário) – Em relação à matéria da Folha de São Paulo – 13-07-2010-pág.A/3 – assinada por Berenice Giannella, penso que diante da banalização de uma violência que se tornou parte do cotidiano, juntamente com o império das drogas, do álcool e do pânico – a escola virou terra de ninguém. É neste caos que percebemos a razão para o incentivo de toda essa violência: a injustificável impunidade. Num dos seus pronunciamentos o senador Cristovam Buarque indagou: “o que vai acontecer com este país quando os professores começarem a abandonar o magistério por medo?”Nada mais verdadeiro do que o velho conceito que a educação é a mais poderosa arma contra a violência, quando aplicado não só na escola, mas na família em toda a comunidade. Esse mal, que corrói milhares de famílias, de jovens e de profissionais da educação – que cobre de vergonha a sociedade brasileira e cala de medo toda a nação -exige ser combatido como peste epidêmica. Mecanismos adequados para abolir o avanço precisam ser imperiosamente ativados afim de que o estudante brasileiro saiba valorizar e respeitar a quem os ensina e consigamos, enfim, a garantia de viver em meio à uma juventude sadia com direitos e deveres respeitados. O ECA regulamentou os direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes, disciplinando as relações jurídicas estabelecidas entre eles, a família, a sociedade e o Estado. Entretanto, o Estatuto protege apenas juridicamente os interesses de crianças e adolescentes em relação à Educação, estabelecendo normas de caráter geral. Então, questiono: se desejarmos construir na escola um espaço democrático de valorização dos direitos fundamentais da pessoa humana, entendemos a educação como integrante da cidadania. Como o ECA dialoga com esse ideal, como trabalhar com a lei, para que ela, de fato, apresente-se como um instrumento de ação transformadora e de garantia de possibilidades aos seus destinatários? Um dos mais importantes conceitos da não violência é não buscar destruir a pessoa, mas transformá-la. Concluo como o próprio Gabriel Garcia Marques, citado no texto: “tudo é questão de despertar sua alma.”

Jornal Diário do Grande ABC-13-07-2010

Prefeituras tentam fortalecer ECA – A luta para acelerar os resultados e a devida aplicação do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), que comemora 20 anos hoje, faz com que as prefeituras da região invistam em ações sociais de proteção, orientação e apoio familiar para milhares de crianças e adolescentes. Em Santo André, os programas oferecidos são o de Proteção Social Especial, que agrupa o Espaço Adolescente, realizado pelo Instituto Monsenhor Antunes, que atende 130 adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa para liberdade assistida. Há também o Andrezinho Cidadão, que é um serviço de educação social de rua e porta de entrada para o Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). Existem ainda outros projetos como o Jeda (Associação Civil Projeto Juventude Esperança do Amanhã), Desafio Jovem e Atenção Psicossocial. Os programas de Proteção Social Básica de Santo André, também são realizados em parcerias com ONGs (Organizações Não-Governamentais). Entre eles, o Jovem Adolescente, parceria entre governo federal, município e a ONG Ação Cidadão Estrela Dalva, que atende 425 adolescentes entre 15 e 17 anos. Esse trabalha os serviços de convivência para fortalecer a relação com familiares (…)

(meu comentário) – O ECA protege apenas juridicamente os interesses de crianças e adolescentes em relação à Educação, mas, como trabalhar com a lei, para que apresente-se como um instrumento de ação transformadora e de garantia aos seus destinatários?

Jornal de Campinas – 14-7-2010

Ato em defesa do ECA mobiliza 700 crianças – Ação da Prefeitura e CMDCA no Taquaral convocou a população a divulgar o Estatuto da Criança e do Adolescente – Cerca de 700 crianças e adolescentes se reuniram em um ato público na Lagoa do Taquaral, na manhã de ontem, em comemoração aos 20 anos de criação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que serão celebrados no dia 13 de julho. A realização do evento foi da Prefeitura de Campinas e do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Campinas (CMDCA). O objetivo da ação foi convocar a população a assumir o seu papel na defesa dos direitos da criança e comemorar os avanços já conquistados com o estatuto, segundo Jane Valente, presidente do CMDCA. “Nesses 20 anos pudemos comemorar muitos avanços, pois o País está comprometido em cuidar desses jovens. Agora, é preciso que a sociedade compreenda, que ao lado da família e do Estado, é um dever proteger as nossas crianças e adolescentes que estão em fase de desenvolvimento”, comentou Jane, antes do evento. O ato cívico abriu o evento, por volta das 10h, no portão 1 da Lagoa, com a presença dos conselheiros do CMDCA. Na sequência, os participantes fizeram uma caminhada até o rinque de patinação, onde iniciaram as atividades, que contou com ginástica, recreação e práticas esportivas.

(meu comentário) – Se desejarmos construir na escola um espaço democrático de valorização dos direitos fundamentais da pessoa humana, entendemos a educação como integrante da cidadania. Como o ECA dialoga com esse ideal, como trabalhar com a lei, para que, de fato, apresente-se como um instrumento de ação transformadora e de garantia de possibilidades aos seus destinatários?

Jornal de Bauru – 2-07-2010

(meu comentário) – O povo está de olho na educação e no voto – A mais recente pesquisa feita para a ONG Todos Pela Educação e Fundação SM aponta que o ensino é considerado a terceira área mais preocupante na opinião dos brasileiros. A nossa educação fica ao lado de questões como drogas e empregos – só é superada pela saúde e pela segurança pública. Os dados revelam que a preocupação é crescente. Em 2006 os entrevistados colocavam o problema em sétimo lugar. Veja como Priscila Cruz, diretora-executiva do Todos Pela Educação, encara a importância da população passar a cobrar um ensino de qualidade: “A escola tem que ir além da merenda, do transporte e da infraestrutura. Tem que ter aprendizado”. Em sua opinião, o resultado da pesquisa é um recado para os candidatos à Presidência. “Eles têm de ser mais transparentes nas propostas para melhorar a educação básica.” Note como os entrevistados conseguiram enxergar uma melhora na educação de 2006 para 2010. O percentual de entrevistados que acham que o ensino é ótimo passou de 25% para 34%; a parcela dos que consideram ruim ou péssimo caiu de 28% para 21%; e regular passou de 45% para 44%. Porém, 51% do total dos entrevistados julgam que é demasiado lento o ritmo dessa melhora. De qualquer forma, o resultado não deixa dúvida: em relação à educação o brasileiro está bem mais atento. E os políticos também. Dá para perceber que é um fato bem significativo. Resta-nos saber para onde irá a atual preocupação dos candidatos acerca da educação, para as pautas pós-eleição ou, socado numa gaveta qualquer. Aos políticos postulantes o recado é bem claro: para os eleitores, a Educação é uma questão de vultosa importância – para suas vidas, e para o País. O brasileiro está de olho – afinal, as eleições estão aí. Tal como diria o sábio Confúcio: “Não são as ervas más que afogam a boa semente e sim a negligência do lavrador.”

Jornal de Piracicaba – 9-06-2010

(meu comentário) – É raro, mas, vez ou outra, algum portador de deficiência física se vê representado na mídia, mais especificamente, em novelas. Por alguns meses, chama muita atenção. De repente, sai de cena, acaba a ficção e a vida continua.

Porém, sabemos que na realidade, os verdadeiros protagonistas que vivem do drama da deficiência física, nem sempre têm uma bela história de superação para contar ou mesmo um final feliz.

Os números traduzem: há 24 milhões de brasileiros com algum tipo de limitação física – 14,5% da nossa população.

Se voltarmos estes números para a Educação, vemos que apenas 17,5% das escolas brasileiras dispõem de dependências próprias para portadores de algum tipo de deficiência física, incluindo banheiros. Na rede pública, esse índice cai para 14, 6%. Nas particulares, no entanto, o índice chega a 29,7%.

Na verdade, a inclusão social do portador de deficiência física é um processo basicamente cultural. Implica uma ação coletiva contra o preconceito e a discriminação, assegurando-lhe respeito e o total cumprimento dos fundamentos essenciais dos direitos humanos. É preciso encarar o problema de frente e aceitar o desafio de superar os conflitos e as resistências, especialmente, na rotina escolar.

A inclusão é imperativa. É preciso agir para que realmente o processo aconteça. É hora de olhar para o problema, fornecer soluções e usar os mais adequados recursos e, caso não estejam disponíveis, buscá-los onde houver, sem limites de esforços. A meta precisa ser de todos os que estão comprometidos com uma educação de qualidade, seja pública ou privada. Participar do processo de inclusão social dos deficientes físicos é, antes de tudo, um exercício de cidadania. É preciso que as potencialidades sejam ressaltadas, e não os limites.

O assunto é amplo e profundo. Temos ciência que a nossa Constituição garante a igualdade a todos os brasileiros. E, ainda, que temos o inviolável direito de ir e vir. Entretanto, não é difícil constatar que, em nossa vida real, não é bem assim que funciona. Os portadores de deficiência física que o digam.

Revista Época 9-06-2010 – Blog Moreira Leite – POPULISMO E IMPOSTO

Fernando de Barros sugere em sua coluna de hoje na Folha a criação do “Imposturometro”. Seria um termometro destinado a medir o grau de impostura de nossa vida pública, especialmente útil em temporadas eleitorais.

O mesmo Fernando de Barrros sugere o primeiro personagem do imposturômetro: o candidato tucano José Serra. Anteontem, lembra o jornalista, Serra participou de um ato de condenação a carga tributária, promovido pela Ação Comercial de São Paulo, onde um “impostômetro” registra como denuncia cada centavo que os brasileiros pagaram a título de impostos.

Serra estava no lugar errado, sugere Fernando de Barros. Tem razão. Foi no governo de Fernando Henrique Cardoso que a carga brasileira deu o salto histórico de mais de dez pontos para atingir o patamar atual. O próprio Serra deixou de dar uma contribuição pessoal para a redução da carga tributária na crise de 2009-2008. O governo federal baixou alíquotas e tributos diversos, como uma alavanca para evitar a recessão. Serra manteve os impostos no mesmo lugar.

Não queria interromper o fluxo de financiamento para investimentos necessários a população, a começar pelo metrô e pelo Rodoanel. O prefeito Gilberto Kassab, filiado ao DEM que abriga Guilherme Afif, principal barítono do impostômetro, fez mais: simplesmente aumentou o IPTU, alegando que estava defasado.

Nem Serra nem Kassab agiram desse modo porque são estatizantes malvados.

São Personagens de uma época em que o pensamento conservador assumiu, no mundo inteiro, uma forma de populismo cujo centro é a denúncia dos gastos públicos – em nome da utopia de que um Estado mínimo é sempre o melhor caminho para um governo eficiente, enxuto e que não oprime os cidadãos. Essa visão nasceu na década de 80 do ano passado, com Ronald Reagan e Margaret Tatcher e destinava-se combater gastos do chamado Welfare State e propunha uma visão individualista do progresso econômico – a ponto de sustentar que toda forma de regular empresas e corporações era uma forma de intervencionismo indesejável, postura que abriu portas e janelas para a pior crise do regime capitalista em 80 anos.

Essa visão já foi abandonada em seus respectivos países. Quando não é um caso folclórico, como as festas do Tea Party americano, é artigo para museu. Mesmo nos Estados Unidos, o populismo sofreu uma derrota histórica com a aprovação de uma política de saúde que amplia o atendimento a milhões de americanos mantidos fora do sistema até agora.

Num país onde o presidente da República declara que tem orgulho da carga tributária, o problema concreto dessa perspectiva é combinar duas realidades contraditárias.

De um lado, políticos da oposição precisam alimentar um eleitorado convencido de que o Brasil seria um país mais dinâmico e equilibrado se houvesse uma brutal redução da carga tributária. De outro, precisam defender a realidade de suas administrações, que necessita de recursos para fazer a necessidades reais da população, que não podem ser resolvidas sem a presença do Estado.

Não foi por acaso que, em seu devido momento, José Serra e Aécio Neves afastaram-se de suas bancadas em Brasília para fazer a defesa da CPMF, aquele imposto do cheque que auxiliava a pagar despesas na saúde pública – que se tornarão insustentáveis assim que a economia deixar de crescer nos patamares de hoje em dia, ocasião em que o populismo conservador levantará o fantasma dos gastos exagerados para relançar o coro por mais corte de impostos.

Como qualquer cidadão que se considera em pleno gozo de suas faculdades mentais, detesto pagar impostos. Sinto-me injustiçado toda vez que vejo os descontos em meu contracheque. Tenho certeza de que eu faria melhor uso desse dinheiro do que os melhores burocratas do Estado. Sei também que o Estado realiza gastos sem necessidade e, como qualquer criança já descobriu, também sei que boa parte desse dinheiro é desviado para vergonhosos esquemas de corrupção. Como tantas pessoas, considero que o Brasil precisa de uma reforma tributária, mas sou daqueles que gosta de perguntas difíceis como: para beneficiar quem? Onde? Não gosto de ser enganado e este é o problema do populismo. Tem o caráter ilusório e despolitizador.

Quer nos convencer que os gastos do Estado são ruins para todos e que o melhor é sempre arrecadar menos para gastar menos – quando a verdade está longe de ser tão simples, seja para grandes investimentos, seja para qualquer esforço para encarar as distorções do país. Alguém acredita seriamente que haverão mais estradas se o governo tiver menos dinheiro de  impostos e menos capacidade de financiamento? Ficará mais fácil reformar os portos que estrangulam nossas exportações? O ensino público vai melhorar? E a segurança? Mesmo que 100% dos serviços públicos venham a ser privatizados, será preciso pagar a conta.  De onde vai sair o cheque? Para ficar num exemplo recente. Seria difícil ao Brasil sair da crise de 2008 na velocidade que todos conhecemos sem os bancos públicos, onde as linhas de crédito para alimentar o consumo cresceram 50% contra menos de 10% no setor privado. Sem bancos públicos, vários países patinaram durante a crise.

O populismo procura esconder um fato básico e saudável da vida pública: a constatação de que pessoas são diferentes, enfrentam necessidades diferentes e têm interesses diferentes. A opinião de um cidadão não é um puro decalque de sua realidade pessoal mas esse fator é sem dúvida relevante. O Bolsa Família é um dos mais caros e amplos programas de redistribuição de renda do país. Deve ser mantido, ampliado ou suprimido? Depende. O sujeito que olhar seus gestos a partir de um bairro nobre de São Paulo poderá concluir que não passa de uma forma de desperdiçar dinheiro do contribuinte em troca de votos no fim do ano. Quem for a um bairro na periferia, onde R$ 200 fazem falta na casa de todo mundo, com certeza terá uma visão diferente. Aquele engenheiro que tem um bom plano privado de saúde pode estar convencido de que foi uma boa ideia cortar a CPMF. É possível ter uma outra visão quando conduzir um parente para receber tratamento na rede pública. Há duas décadas, o país debatia o fim das leis trabalhistas e a terceirização do trabalho. Hoje, o número de trabalhadores com carteira assinada não pára de crescer. Isso implica encargos para as empresas, o décimo-terceiro salário, férias, FGTS. Os assalariados acham ruim?

A discussão sobre impostos envolve prioridades e perspectivas. Não é um debate administrativo sobre a gerencia do Estado. È um debate político sobre os rumos do país, suas prioridades e a melhor forma de crescer. O resto é conversa.

(meu comentário) – O brasileiro se vê diante de um caos tributário. Dá para dimensionar as taxas embutidas e encarar o ICMS com equilíbrio de força? De que jeito o cidadão se conscientizará-se, ao menos sabe onde está o seu algoz? Não por acaso o Brasil faz jus a fama como um dos campeões da desigualdade social em todo mundo. O fato é que neste ano o brasileiro tem que trabalhar, em média, 148 dias e utilizar 40,54% da sua renda só para pagar seus impostos. Significa dizer que, de cada 1 mil reais do trabalhador, 400 vão direto para os cofres públicos. Enfim, temos um sistema suicida com requintes de perversidade, onde o brasileiro se vê abandonado e bem distante de uma reforma tributária com soluções cabíveis.  Uma afronta às famílias, às empresas e ao desenvovlimento econômico.

 

Revista Veja São Paulo – 2/06/2010-pág.11

(meu comentário) -A Opinião do Leitor – Festival da Mantiqueira – Parabéns a Veja São Paulo por tão bem divulgar o Festival da Mantiqueira – Diálogos com a Literatura, na pequenina São Francisco Xavier (“Literatura na serra”, 26 de maio). O evento é de elevada importância para nossa gente, que tem sede de cultura e fome de dignidade. Que o Brasil multiplique iniciativas como essa e priorize, com urgência, a educação. Só assim teremos um povo lúcido, capaz de sustentar uma nação de Primeiro Mundo, inserido numa sociedade consciente, segura e responsável.

Jornal A Cidade de Bauru -26-05-2010

(meu comentário) – Robin Hood, os tributos e a Copa – Hollywood despeja a mais recente versão do herói da floresta de Sherwood. Na aventura do século 12, Robin retorna das Cruzadas e encontra uma Inglaterra corrompida. Quando chega a Nottingham, vê uma cidade oprimida por altos impostos e devaneios do xerife local. Para a Inglaterra dar a volta por cima foi preciso um valente. Não foram poucas as lutas, mas, como sabemos, conseguiu se desvencilhar das garras das ambições dos que manejavam os desenfreados tributos.

Como no épico, o brasileiro se vê diante de um caos tributário. Dá para dimensionar as taxas embutidas e encarar o ICMS com equilíbrio de força? De que jeito o cidadão se conscientizará se ao menos sabe onde está o seu algoz? Não por acaso o Brasil faz jus a fama como um dos campeões da desigualdade social em todo mundo.

O fato é que neste ano o brasileiro tem que trabalhar, em média, 148 dias e utilizar 40,54% da sua renda só para pagar seus impostos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). Significa dizer que cada 1 mil reais do trabalhador, 400 vão direto para os cofres públicos. Uma afronta às famílias, às empresas e ao desenvolvimento econômico. Se olharmos para a nossa vizinhança, vemos que a carga é bem mais leve: na Argentina e Chile, por exemplo, são 97 e 92 dias, respectivamente. No México, 91 dias; e nos Estados Unidos, são 102 dedicados a pagar impostos. Neste ranking, somos praticamente imbatíveis. Impressionantes são os números que atestam o quão distante os interesses dos gestores econômicos estão das necessidades do nosso povo.

A poucos dias da Copa, nem a nossa prioridade nacional em assistir à seleção canarinho escapou do flagelo tributário. Segundo o próprio IBPT, houve um aumento de 6 pontos nos tributos que recaem sobre televisores, entre a Copa anterior e a de agora. Em outras palavras, em 2006 o consumidor desembolsava 38,34% do preço da televisão em imposto – agora, são resgatados absurdos 44,94%. Enfim, temos um sistema suicida com requintes de perversidade, onde o brasileiro se vê abandonado e bem distante de uma reforma tributária com soluções cabíveis. O cenário é o mesmo das aventuras do século 12. Os abusos, idem. Resta-nos aguardar o mocinho da história. Cadê o nosso herói? Quano ele entra em cena?

 

Jornal de Piracicaba – 25-05-2010

(meu comentário) – Robin Hood, os tributos e a Copa – Hollywood despeja a mais recente versão do herói da floresta de Sherwood. Na aventura do século 12, Robin retorna das Cruzadas e encontra uma Inglaterra corrompida. Quando chega a Nottingham, vê uma cidade oprimida por altos impostos e devaneios do xerife local.

Para a Inglaterra dar a volta por cima foi preciso um valente. Não foram poucas as lutas, mas, como sabemos, conseguiu se desvencilhar das garras das ambições dos que manejavam os desenfreados tributos. Como no épico, o brasileiro se vê diante de um caos tributário. Dá para dimensionar as taxas embutidas e encarar o ICMS com equilíbrio de força? De que jeito o cidadão se conscientizará se, ao menos sabe onde está o seu algoz?

Não por acaso o Brasil faz jus a fama como um dos campeões da desigualdade social em todo mundo. O fato é que neste ano o brasileiro tem que trabalhar, em média 148 dias e utilizar 40,54% da sua renda só para pagar seus impostos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). Significa dizer que, de cada 1 mil reais do trabalhador, 400 vão direto para os cofres públicos.

Uma afronta às famílias, às empresas e ao desenvolvimento econômico. Se olharmos para a nossa vizinhança, vemos que carga é bem mais leve: na Argentina e Chile, por exemplo, são 97 e 92 dias, respectivamente. No México, 91 dias; e nos Estados Unidos, são 102 dedicados a pagar impostos. Neste ranking, somos praticamente imbatíveis. Impressionantes são os números que atestam o quão distante os interesses dos gestores econômicos estão das necessidades do nosso povo.

Há poucos dias da Copa nem a nossa prioridade nacional em assistir a seleção canarinho escapou do flagelo tributário. Segundo o próprio IBPT, houve um aumento de 6 pontos nos tributos que recaem sobre televisores, entre a Copa anterior e a de agora. Em outras palavras: em 2006, o consumidor desembolsava 38,34% do preço da televisão em imposto – agora, são resgastados absurdos 44,94%.

Enfim, temos um sistema suicida com requintes de perversidade, onde o brasileiro se vê abandonado e bem distante de uma reforma tributária com soluções cabíveis. O cenário é o mesmo das aventuras do século 12. Os abusos, idem. Resta-nos aguardar o mocinho da história. Cadê o nosso herói? Quando é que el entra em cena?

 

Jornal O Estado de São Paulo – 17-05-2010

(meu comentário) – Nossos guerreiros são analfabetos – Como milhões de brasileiros às vésperas de mais uma Copa, estou ansioso por ver a seleção brasileira, a elite dos melhores jogadores do esporte bretão. Entretanto, a invejável posição conquistada por nossos atletas tem um alto preço e merece uma atenção especial. O sucesso destes meninos que cada vez mais cedo viram ídolos milionários do futebol tem uma raiz preocupante: o fracasso do sistema escolar brasileiro. Criar um jogador famosos, é um sonho de milhões de famílias pobres no Brasil. Basta uma bola nos pés e a cabeça bem longe das escolas. Esta foi a conclusão do jogador Henry, da seleção francesa, ao certificar que a vantagem dos jorgadores brasileiros é que, desde garotinhos, não fazem nada senão jogar bola, na rua, nas praias ou em qualquer terreno baldio – vale tudo para se “bater uma bolinha” – enquanto os europeus se ocupam em estudar. O assunto carece da atenção à altura de sua gravidade. Afinal, a base do desenvolvimento de um povo é a educação e, sabemos que a infância e a juventude dos meninos brasileiros há tempos são poupadas de qualquer estímulo ao ensino, criando um sonho utópico de se gerar um produto exportação, capaz de suprir os devaneios consumistas de pais, filhos, cunhados e agregados em geral. Para isso, não é preciso saber ler ou escrever. O brasileiro já nasce de olho no futebol. É uma herança genética. Nas Copas exigimos a perfeição como a antiga Grécia, de seus guerreiros. Entretanto, há um placar que mostra que há 87 países no mundo onde o ensino é mais valorizado do que aqui – que no ranking das aplicações em educação estamos perdendo de goleada – mas isso, infelizmente, não faz a menor diferença. Nem aos nossos gestores, nem à população que sequer toma conhecimento do fato.

Jornal Piracicaba -15-05-2010-pág. 2

(meu comentário) – Nossos guerreiros são analfabetos – Como milhões de brasileiros às vvésperas de mais uma Copa do Mundo, estou ansioso por ver a Seleção Brasileira, a elite dos melhores jogadores do esporte bretão. Entretanto, a invejável posição conquistada por nossos atletas tem um alto preço e merece uma atenção especial. O sucesso destes meninos, que cada vez mais cedo viram ídolos milionários do futebol, tem uma raiz preocupante: o fracasso do sistema escolar brasileiro. Criar um jogador famoso é um sonho de milhões de famílias pobres no Brasil. Basta uma bola nos pés e a cabeça bem longe das escolas. Esta foi a conclusão do jogador Henry, da seleção Francesa, ao certificar que a vantagem dos jogadores brasileiros é que, desde garotinhos, não fazem nada senão jogar bola – na rua, nas praias ou em qualquer terreno baldio – vale tudo para se “bater uma bolinha” – enquanto os europeus se ocupam em estudar. O assunto carece da atenção à altura de sua gravidade. Afinal, a base do desenvolvimento de um povo é a educação, e sabemos que a infância e a juventude dos meninos brasileiros há tempos são poupadas de qualquer estímulo ao ensino, criando um sonho utópico de se gerar um produto exportação, capaz de suprir  os devaneios consumistas de pais, filhos, cunhados e agregados em geral. Para isso, não é preciso saber ler ou escrever. O brasileiro já nasce de olho no futebol. É uma herança genética. Nas copas exigimos a perfeição, como a antiga Grécia, de seus guerreiros. Entretanto, há um placar que mostra que há 87 países no mundo onde o ensino é mais valorizado do que aqui – que no ranking das aplicações em educação estamos perdendo de goleada – mas isso, infelizmente, não faz a menor diferença. Nem aos nossos gestores, nem à população, que sequer toma conhecimento do fato.

Jornal Itu-28-04-2010

O que a Educação tem a ver com você? Uma reportagem especial pelo Dia da Educação -28 de abril – O Dia da Educação é ainda pouco lembrado pela população, até mesmo por educadores. A falta de conhecimento da data reflete o lugar que este tema ocupa na vida de nosso país. No entanto, a educação é um tema tão primordial e amplo, que se insere em praticamente todas as áreas de nossa vida: saúde, esporte, meio ambiente, cultura, negócios e relacionamento humano. Na verdade, tudo passa pela educação. Os amiores problemas que o Brasil vem enfrentando relacionam-se de alguma forma com a educação. Questões como violência, falta de cidadania, desequilíbrio sócioeconômico, exclusão social e digital, pobreza, desemprego, degradação do meio ambiente entre outros temas polêmicos, poderiam ser minizados se fossem tratados na sua origem. E origem é, antes de tudo, uma questão de educação. Afinal, o que é Educação? Onde e como aprendemos? Quem sao os educaodres? Qual o papel da escola atualmente? Como os pais estão enfrentando a educação de seus filhos no mundo globalizado e digitalizado? Os professores estão preparados? Os dirigentes estão preparados? Entrevistamos também o coordenador do projeto Criança e Consumo do Insrtituto Alana, Carlos André Miglioni. A organização é uma ong que desenvolve atividades educacionais , culturais e de fomento à articulação social. Carlos, que é também Mestre em Educação, nos mostra sua visão sobre as prioridades da educação brasileira, desafios e dificuldades. Essas são algumas das questões que trazemos nesta reportagem, além da indicação de mais de 30 site relacionados ao tema, como ponto de partida para refletir, discutir e principalmente….Mudar hábitos arraigados. (…)

(meu comentário) – Deixemos claro, aos nossos gestores, hoje – no Dia da Educação – e nos demais dias, especialmente aos sedentos por poder que agem movidos a um incontrolável apetite eleitoreiro, que mesmo latente, enxergamos o cruel e ingável descaso com a educação pública. A nossa defesa, como a de todo o porovo brasileiro, é o voto. Arma infalível para ascender a esperança de se construir uma sociedade igualitária, justa e ompetente.

Jornal Itupeva-28-/4/2010

( meu comentário) – O Dia da Educação nos corredores do abandono
A constrangedora posição do Brasil no ranking de Desenvolvimento da Educação. A evidência é clara: um maior investimento na educação é inevitável para melhorar a aprendizagem. E mais: hoje, investe-se pouco, e muito mal, em nosso país. Lamentavelmente, os políticos brasileiros insistem em não ouvir os profissionais da educação no que se refere a gestão de novas políticas e estratégias para o desenvolvimento nesta área.
Nós, que estamos em contato direto com as famílias e os representantes diretos das comunidades dependentes das escolas, nos tornamos olhos, ouvidos e bocas de uma parte da sociedade totalmente desprovida de atenção. No entanto, nossa voz, quando ouvida pelos gestores governamentais, acaba se perdendo pelos corredores da indiferença, do abandono e da burocracia.

Neste Dia da Educação, invoco os políticos brasileiros a refletirem que apenas construir ou reformar o prédio escolar não basta para suprir a necessidade de investimento na educação. Não, mesmo. Basta olhar o pífio desempenho brasileiro no ranking mundial. Uma vergonha a um país que almeja pertencer ao primeiro mundo.
Nosso país precisa urgentemente empenhar-se no árduo processo de empreendimento na educação. É imperativo que todos os setores estejam envolvidos. Alguns exemplos empresariais nos mostram experiências bem-sucedidas, que já foram replicadas e até transformadas em políticas públicas. São empresas com visão ampliadas que se fazem presentes nesta luta contínua de qualificar o ensino público e suprir as necessidades de quem dele depende. Seu foco não é substituir o Estado, mas trabalhar em parceria com gestores públicos para replicar o seu projeto em outras localidades. Longe da filantropia assistencialista do passado, as empresas investidoras de hoje apostam nas ações estruturadas, planejadas a médio ou a longo prazo. Podemos ver empresas como o Bradesco, Itaú,Intel e a Telefonica andarem nesta direção.Para nós, profissionais da educação, que podemos enxergar de forma real a multiplicação dos efeitos colaterais da má qualidade do ensino público, aplaudimos toda a iniciativa que venha atenuar, senão extinguir, o resultado do pleno abandono em que a educação e seus profissionais têm sofrido por parte da inabilidade governamental, por décadas no Brasil. Deixemos claro, aos nossos gestores, hoje – no Dia da Educação – e nos demais dias, especialmente aos sedentos por poder, que agem movidos a um incontrolável apetite eleitoreiro, que mesmo latente, enxergamos o cruel e inegável descaso com a educação pública.A nossa defesa, como a de todo o povo brasileiro, é o voto. Arma infalível para ascender a esperança de se construir uma sociedade igualitária, justa e competente.

Jornal Campinas -16-04-2010

HC de Campinas participa Campanha Nacional da Voz – Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) integra evento que ocorre nos dias 15 e 16. Pelo décimo primeiro ano consecutivo, o Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) participa da Campanha Nacional da Voz. A campanha ocorre nesta quinta e sexta-feira, dias 15 e 16 de abril, sob a coordenação da disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp. Com o tema ‘Afine a sua saúde. Cuida da sua voz’, a campanha é promovida em todo País pela Academia Brasileira de Laringologia e Voz. Nesses dias, o HC oferece atendimento médico especializado à população com o objetivo de orientar as pessoas em relação aos problemas de voz que podem interfir na qualidade de vida, nas relações de trabalho e na sobrevivência. Neste ano, a campanha tem como madrinha a contora Cláudia Leite. Para a Academia Brasileira de Laringologia e Voz o número de mortes poderia ser menor se as pessoas prestassem mais atenção nas alterações da voz e procurassem avaliação médica nas fases iniciais do problema, o que aumenta as chances de cura. Quando diagnosticado precocemente, a taxa de cura do câncer de laringe é acima de 90% e com médicos conservadores.

Sintomas- Rouquidão persistente por mais de duas semanas, pigarros, dores constantes de garganta, sensação de incômodo ao engolir alimentos e perda da voz são alguns dos sinais que servem de alerta. Laringites ou o surgimento de pquenos cistos, ou ainda de nódulos ou pólipos são alguns dos problemas mais comuns que podem causar distúrbios vocais.

(meu comentário) – A impiedosa realidade do professor o expõe a passar horas a fio chamando a atenção dos alunos, em voz alta ou baixa, em tons graves e agudos, em temperaturas altas e baixas, dia e noite, o ano inteiro. Uma estrutura inadequada de trabalho e a falta de informações sobre os cuidados da saúde vocal fazem, do professor, uma das principais vítimas dos problemas vocais.

Jornal Diário do Grande ABC-16-04-2010

MP conclui que não houve erro em ação do Gate – O promotor Waldevino de Oliveira, da Justiça Militar, pediu o arquivamenteo do processo que apura a ação da Polícia Militar no sequestro de Eloa Cristina Pimentel, 15 anos, ocorrido em outubro de 2008 em Santo André. A garota foi morta pelo ex-namorado Lindemberg Alves Fernandes, 23, após cerca de 100 horas de cárcere. O pedido do promotor ainda está em análise, segundo informou ontem o Tribunal de Justiça Militar. Oliveira concluiu que os policiais do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais) não agiram com imprudência, negligência ou imperícia. Segundo ele, Lindemberg foi o único responsável pelo desfecho trágico do caso. A atuação do Gate no sequestro foi criticada por especialistas em segurança. Os policiais não cortaram o fornecimento de energia elétrica e água do apartamento onde o crime ocorreu, permitindo que Lindemberg assistisse à cobertura do próprio sequestro em tempo real. Especialistas acreditam que o Gate também errou ao permitir o retorno de Nayara Rodrigues, amiga de Eloa, ao cárcere cerca de 24 horas após ela ter sido libertada. Lindemberg invadiu o apartamento da ex-namorada, na CDHU do Jardim Santo André, em 13 de outubro de 2008, e fez Eloa, Nayara e dois amigos como reféns. No dia 17, atirou nas meninas quando o Gate entrava no local. O júrir de Lindemberg deve ocorrer até o fim do ano.

(meu comentário) – A saída continua sendo a educação. A única capaz de aniquilar a agressividade do cidadão, findando esse círculo vicioso que alimenta a violência que tanto o assombra. Só assim teremos uma sociedade equilibrada e sadia.

 

Jornal CBN-15-04-2010

Gilberto Dimenstein-15-04-2010- Bullying: violência cometida pelas meninas está quase igual a dos meninos.

(meu comentário) – Infelizmente, as escolas públicas paulistas já apresentam números expressivos de casos registrados em todo o Estado. Passou da hora de pais, educadores e dirigentes defenderem com unhas e dentes os estudantes brasileiros contra avanço desse terror cuja fúria acelera a decomposição dos fragilizados valores morais deste país.

Blog -Glamurama -Joyce Pascowich -12/04/2010

Gisele Bundchen e o uso mais responsável da água potável – Como Embaixadora da Boa Vontade da ONU para os assuntos ligados ao meio ambiente, Gisele Bundchen não é do tipo que somente fala, mas nada faz. Prova disso é que em junho a ubermodel deverá desembarcar na África do Sul, onde participará de vários eventos sobre causas que ela defende, sobretudo sobre o uso mais responsável da água potável do planeta. A escolha da data não foi por acaso, já que junho também é o mês da Copa do Mundo, que este ano será realizada. Com os holofotes da imprensa mundial voltados para lá o momento não poderia ser melhor para conscientizar as pessoas.

(meu comentário) – “Uma criança com menos de 5 anos morre a cada 20 segundos por falta de água limpa no mundo, conforme a ONU, o equivalente a 1,8 milhão de mortes por ano.” Números calamitosos. Um alerta ao mundo inteiro, especialmente para muitos brasileiros que, embora vivam em meio à tão privilegiada área em recursos hídricos, persistem em esbanjar o precioso elemento. É imperativo que nosso país invista em informação. A fonte está na educação. Medida lógica e racional aplicada por todos os países conscientes do iminente perigo da falta de abastecimento.

Jornal CBN-9-04-2010

Gilberto Dimenstein – A educação pode contribuir para que novas tragédias como a do Rio não ocorram.

(meu comentário) – Diante de tamanha calamidade só a qualificação do ensino pode nos apontar uma solução. Que os gestores educacionais reflitam a respeito e pensem em seus próprios desempenhos e na crescente degradação imposta à educação brasileira e, consequentemente, nos valores morais deste país.

Jornal Campainas -5-04-2010

Prêmio Trote da Cidadania prorroga as inscrições – Prazo termina no dia 10 de abril e ainda dá tempo de fazer a inscrições on-line e concorrer aos prêmios. O Prêmio Trote da Cidadania, projeto desenvolvido pela Fundação Educar DPaschoal, prorrogou as inscrições inscrições para o dia 10 abril. As universidades e colégios técnicos que ainda não fizeram a inscrição e desenvolveram  projetos cidadãos com os calouros podem se inscrever pelo portal www.trotedacidadania.org.br. No site é possível obter todas as informações de como se inscrever e ainda receber o apoio de um consultor on-line. ‘Trata -se de uma excelente oportunidade para as universidades e colégios técnicos mostrarem os trabalhos que estão desenvolvendo para integrar os alunos de forma pacífica e acolhedora. Essas boas práticas devem ser divulgadas e reconhecidas para que sirvam  de exemplo de cidadania universitária. Aqueles que promovem ações desse tipo serão líderes mais conscientes de seu papel social’,  afirma a coordenadora do Prêmio Trote da Cidadania , Marina Carvalho. Neste ano, serão premiadas nove categorias distintas . São elas: Inovação, Sustentabilidade, Envolvimento da Comunidade Acadêmica, Melhor  Vídeo, Melhor  Foto, Melhor Peça Públicitária, Melhor Matéria Jornalística de Trote, Categoria Surpresa e também uma categoria exclusiva para as Escolas Técnicas do Ensino Médio. Para o evento de premiação, que ocorrerá no meio do ano, será realizado um grande Fórum de empreendedorismo social. Para as universidades, o Trote da Cidadania surge como uma alternativa que visa integrar os universitários e a comunidade, o que permite que o aprendizado do ambiente acadêmico extrapole os muros da universidades. Sobre o Trote da Cidadania – A DPaschoal, por meio da Fundação Educar DPaschoal, com o objetivo de estimular universitários de todo o país no desenvolvimento de atividades sociais no início das aulas, oferece, desde 1999, metologia para planejamento e prática de ações de vonluntariado universitário. Hoje, centenas de universidades brasileiras desenvolvem o Trote da Cidadania em sua comunidade e os melhores trabalhos são premiados.  Sobre a Fundação Educar DPaschoal – A Fundação Educar DPaschoal foi criada em 1989 para dar suporte aos investimentos do grupo DPaschoal em programas de estímulo à leitura de educação, tendo sempre como objetivo promover a educação para a cidadania como estratégia de transformação social.  Atualmente, são três os projetos desenvolvidos pela Fundação: Leia Comigo, Academia Educar e Trote da Cidadania.

(meu comentário)- O desafio é grande mas, só assim, com iniciativas como esta, é que conseguiremos manter uma geração sadia, um povo lúcido, capaz de sustentar uma nação de primeiro mundo, inserido numa sociedade edificada com justiça e igualdade.

O Estado de S.Paulo-30-03-2010

(meu comentário) – O craque nos deixou – Lá se vai mais um brasileiro exemplar. Além das saudades, Armando Nogueira deixa uma legião de admiradores e seguidores de um jornalismo impecável. Foi, de fato, um craque.

Folha de São Paulo Online-30-03-2010

(meu comentário)- “Armando Nogueira estará sempre vivo nas páginas da nossa história, a que tão bem registrou com o seu talento de craque.”

Diário do Grande ABC -30-03-2010

Corpo de Armando Nogueira será enterrado hoje – O corpo do jornalista Armando Nogueira, 83 anos, deve ser enterrado às 12h desta terça-feira, no cemitério São João Batista, em Botafogo, na Zona Sul do Rio.O velório acontece desde a tarde de ontem na Tribuna de Honra do Estádio do Maracanã. Armando Morreu por volta das 7h de segunda-feira em seu apartamento na Lagoa, também na Zona Sul, vítima de complicações decorrentes de um câncer no cérebro. Ex-diretor de jornalismo da TV Globo de 1996 a 1990, ele lutava contra a doença desde julho 2007. Nos útlimos meses, estava aos sob os cuidados de uma enfermaria montada em sua residência. No entanto, o quadro se agravou recentemente. Autor de dez libros, Nogueira nasceu em Xapuri, no Acre, e formou-se em direito no Rio. De acordo com sua biografia oficial em 1950 começou a carreira de jornalista no Diário Carioca. Foi repórter, redator e colunista. Trabalhou na Revista Manchete, como redator principal na gestão de Otto Lara Resende. Em o Cruzeiro, foi repórter fotográfico de 1957 a 59. Em 1959, Nogueira entrou para o Jornal do Brasil, onde foi redator e colunista. Lá, de 1961 a 1973, assinou a coluna diária “Na Grande Área”. Como repórter, fez a cobertura de todas as Copas do Mundo a partir de 1954. Começou no telejornalismo em 1959, na antiga TV-Rio, canal 13. Ele dirigiu a Central Globo de Jornalismo da TV por 24 anos e, após a polêmica edição do debate entre os candidatos das eleições presidenciais de 1989, Nogueira passou a dedicar-se integralmente ao jornalismo esportivo. O jornalista participou da cobertura dos Jogos Olímpicos desde 1980, em Moscou. Ele trabalhou ainda na Rede Bandeirantes e atualmente estava no SportTV, onde apresentava o programa Papo Com Armando Nogueira, e na Rádio CBN, onde participava do CBN Brasil.

(meu comentário) – Lá se vai mais um brasileiro exemplar. Além das saudades, Armando Nogueira deixa uma legião de admiradores e seguidores de um jornalismo impecável. Foi, de fato, um craque.

Revista Época – 26-03-2010

Aposentado pode ter reajuste maior – Reportagem do Estadão mostra que governo pode optar por ceder e aumentar a correção das aposentadorias acima de um salário mínimo pagas pela Previdência Social. O motivo seria evitar uma derrota maior durante votação na Câmara Federal, já que o governo enfrenta dificuldades de convencer a base aliada a aprovar o índice de 6,14%, fixado em medida provisória. De acordo com o jornal, o governo tentará acordo intermediário entre as propostas de alteração apresentadas pelos parlamentares e o texto original para, com isso, derrubar a aprovação de um reajuste ainda maior. A votação acontecerá na terceira semana de abril.

(meu comentário) – É oportuno lembrar que aqueles que hoje, já cumpriram com suas responsabilidades perante a sociedade têm uma arma poderosa para que se possa eliminar as injustiças geradas pelo desumano sistema brasileiro de aposentadoria. O voto iguala letrados e analfabetos, ricos e pobres, jovens e idosos, todos com idêntico valor de democracia. Dia vi´ra em que os aposentados cobrarão  daqueles que governam o respeito que nunca tiveram e, então, conhecerão o peso, a importância dos idosos brasileiros. Virá porque a vida, impiedosamente, fará essa cobrança.

Jornal Itu – 22-03-2010

22 de março: Dia Mundial da Água – Dia da Água é o dia para comemorar os outros 364 dias dos quais nos lembramos dela. Lembramos diariamente que ela está presente em 70% do nosso corpo. Lembramos todos os dias que apenas 0,007% do total da água do planeta está disponível para o consumo dos 6 bilhões e 800 milhões de habitantes. Lembramos da “Declaração Universal dos Direitos da Água” e das razões da ONU ter criado, em 1992, o Dia Mundial da Água. Lembramos? Todo dia? Toda semana? Todo mês? Será que uma vez por ano, no dia 22 de março, seria justo parar para pensar em um dos nossos principais tesouros? Nosso planeta tem cerca de dois terços só de água. Pela lógica, existe água sobrando para a população. E até parece um absurdo falar em crise da água. Mas não é bem assim. 97% da água do planeta são água do mar, imprópria para ser bebida ou aproveitada em processos industriais; 1,75% é gelo; e 1,24% está em rios subterrâneos, escondidos no interior do planeta. Restam apenas 0,007% do total de água do planeta para o consumo de mais de seis bilhões de pessoas. Com o objetivo de chamar a atenção para a questão da escassez da água e, consequentemente, buscar soluções para o problema, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu, em 1992, o Dia Mundial da Água, comemorado em 22 de março. Por conta disso, a ONU também elaborou um documento intitulado “Declaração Universal dos Direitos da Água”, que trata desse líquido como a seiva do nosso planeta. Ações em Itu e região. Em Itu, o principal evento que marca a Semana Mundial da Água é a “II Jornada pelo Tietê”, uma caminhada de 8 Km pela Estrada-Parque que reuniu mais de duas mil pessoas dos municípios de Itu, Salto, Cabreúva e Porto Feliz. O evento teve como objetivo mobilizar as pessoas em prol da despoluição do rio e contra a construção de duas Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCHs) nas corredeiras do Vale do Rio Tietê no trecho da Estrada Parque de Itu e Cabreúva.

(meu comentário) – Sabemos que por aqui o gasto é feito de forma indiscriminada. O brasileiro, com raras exceções, sequer sabe que há uma forma sustentável de consumo. No mundo, o princípio usado para esta conscientização  é  a informação, a educação, a mudança de hábitos, a troca de mentalidade. É preciso investir em informação e a fonte está na qualificação do ensino e em seus profissionais. Esta é a solução racional aplicada por todos os países conscientes.

Diário do Grande ABC-22-03-2010

Desperdício no Dia Mundial da Água na região – Ontem se comemorou o Dia Mundial da Àgua, mas nem na data o desperdício do líquido foi evitado. A reportagem do Diário rodou por cerca de quatro horas pelas do Grande ABC e flagou situações de gasto desnecessário ou exagerado. A reportagem flagrou pessoas lavando calçadas e carros e, ainda, vazamento de água tratada em via pública. Parque Central faz plantio de mudas para comemorar data. Em comemoração ao Dia Mundial da Àgua, foram plantadas ontem no Parque Central, na Vila Assunção, 60 mudas nativas da Mata Atlântica. As plantas foram colocadas ao redor dos lagos do parque. As espécies plantadas foram ipê-do-brejo, ingádo-brejo, pitanga, araça e jeri vaz. As mudas foram doadas ao parque pelo viveiro municipal. A ação foi promovida pelo DPAV (Departamento de Parques e Áreas Verdes) juntamente com os Cesas (Centro Educacionais de Santo André) da Vila Floresta.

(meu comentário) – No mundo, o princípio usado para a conscientização é a informação, a mudança de hábitos, a troca de mentalidade. Corremos contra o tempo. É preciso investir na qualificação da educação. Esta é a solução racional aplicada por todos os países conscientes.

Rádio CBN – 23-03-2010

Mais Rio – com Sérgio Besserman – Dia Mundial da Água sinaliza que tratar esse recurso de maneira sustentável é um dos principais temas da agenda atual.

(meu comentário) – Além da preservação dos seus recursos abundantes, o Brasil precisa contar com a atuação consciente dos dirigentes governamentais. É preciso investir em informação e a fonte está na qualificação do ensino e em seus profissionais. Esta é a solução racional aplicada por todos os países conscientes.

Jornal  Assis – 18-03-2010

Município recebe doação de livros do programa de Estímulo à Leitura – O governo de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura, entregou nesta terça-feira, dia 16, em cerimônia realizada na presença do governador José Serra e do secretário da pasta, João sayad, mais de 50 mil novos livros a 200 municípios de todo o Estado, entre eles, Assis, que recebeu 273 exemplares, entregues a Fundação Assisense de Cultura (FAC). A doação dos livros faz parte do Programa de Estímulo à Leitura da Secretaria, que renova e amplia o acervo das bibliotecas públicas municipais para facilitar o acesso às informações e fomentar as condições de atendimento adequado aos estudantes e à população em geral. O acervo que fará parte da Biblioteca Municipal “Nina Silva”, e é composto por gêneros diversos que incluem best sellers como Harry Potter e o Cálice Sagrado, de J. K. Rowling; lliteratura infanto-juvenil, como Circo de Palavras, de Millôr Fernandes; volumes de poesia como Eu Passarinho, de Mário Quintana; e literatura adulta como Memórias de Minhas Putas Tristes, de Gabriel Garcia Marquez, entre muitos outros.

(meu comentário) – Aplaudo a iniciativa. Que sejam multiplicados os programas como o de Estímulo à Leitura. Como bem escreveu Castro Alves: “Bendito aquele que semeia livros e faz o povo pensar”. O desafio é grande mas, só assim, teremos um povo lúcido capaz de sustentar uma nação de primeiro mundo, inserido numa sociedade edificada com justiça e igualdade.

Revista Época- 17-03-2010

6. Governo recua em plano de direitos humanos – A polêmica que girou me torno do novo plano de direitos humanos fez o governo recuar ontem. Segundo reportagem do Estadão, as críticas da sociedade e de entidades sociais fizeram com que o governo anunciasse a alteração de todos os pontos polêmicos do decreto que instituiu, em dezembro passado, o terceiro Programa Nacional de Direitos Humanos. As medidas foram anunciadas ontem pelo ministro Paulo Vannuchi, da Secretaria de Direitos Humanos, autor do plano. As novas medidas devem ser anunciadas ainda no primeiro semestre.

(meu comentário) – A respeito de “Governo recua em plano de direitos humanos” penso que é imperativo que fiquemos alerta a qualquer tipo de ameaça à liberdade de expressão e aos direitos fundamentais da cidadania brasileira. Nossa democracia é jovem, porém, se mantém de pé com dignidade. Direitos cerceados? Resta-nos lutar nas urnas para eliminar qualquer intenção que nos leve ao horror de um retrocesso democrático.

Blog do Professor de Filosofia -15-03-2010

Plano de Carreira -Professor – Por Márcio Alexandre – Ele começou sua carreira política como vereador na sua cidade natal (Cachoeira Paulista/SP). Foi secretário da educação do Estado de São Paulo de 2003 a 2007, no governo de Geraldo Alckmin (2001-2006). Foi o vereador mais votado no município de São Paulo em 2008 com 102. 048 votos. Fez carreira política pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), mesmo partido do atual governador José Serra. Filou-se ao Partido Socialista Brasileiro (PSB), segundo fontes para pleitear uma vaga no Congresso Nacional: “Chalita admite candidatura ao Senado e detona Serra” (Jornal de Bauru – SP, 27/10/2009), afastou-se do PSDB alegando que o partido não dava espaço para ele se expressar. (…)

Duas reflexões: Primeira: professores da rede pública devem ser avaliados para que possam ter aumento salarial? Segunda: professores da rede pública não devem ser avaliados para que tenha aumento salarial?

(meu comentário) – O Centro do Professorado Paulista (CPP) e as demais entidades representativas dos profissionais da Educação, em greve desde segunda-feira (8/3), fizeram uma assembleia na tarde desta sexta-feira (12/3) – onde foi decidido que, por unanimidade, continuar em greve por tempo indeterminado. Também foi aprovada, a realização de outra assembleia, em 19 de março – no vão livre do MASP, na Av. Paulista – para avaliação da greve e tomada de decisões em relação aos rumos do movimento dos educadores. Compareceram à assembleia de hoje cerca de 40 mil profissionais da Educação, vindos de todo o Estado. Tivemos a oportunidade de dizer, na Praaça da República, que quem empurra a categoria para a greve é o próprio governo. Por isso, temos que continuar, até que converse conosco. No entanto, mesmo diante da força do movimento, a Secretaria de Educação do Estado continua ignorando a greve como se não existisse. O governo quer passar a ideia de que não há greve. Entretanto, é obrigado a recorrer à imprensa para bater na mesma tecla ao dizer que as escolas estão funcionando, na tentativa de, mais uma vez, enganar a população. Os fatos desmentem. Milhares de professores se colocaram em favor da greve e aprovaram, por unanimidade, a continuidade do movimento. O Brasil não merece um governo que se esquece da educação. O governo que nos aguarde: hoje fomos 40 mil – na próxima seremos 80 mil. Exigimos: respeito, dignidade, boas condições de trabalho estabilidade e salário justo.  Nós, professores, não vamos permitir que este governo acabe com a educação pública.

G1- Globo.com-15-03-2010

Brasil ainda tem muito do que se envergonhar – por Alexandre Garcia

Superlotação em presídios do Espírito Santo é o retrato do caos que existe em todo o Brasil. O estado tem aparecido muito por causa dos contêineres e de imagens que se repetem em outros estados. O problema ainda é um círculo vicioso. Se a polícia prender mais, abarrota ainda mais as prisões. A polícia não pode prender mais porque tem que cuidar dos presos. A população fica insegura, atrás de grades. A Justiça não dá conta dos processos e por aí vai. No entanto, o que vemos anunciando é que o ICMS, imposto estadual, cresceu 15 vezes mais que o PIB. É uma questão de administração também, de se administrar melhor e a Justiça e escolher as prioridades. Uma delas é a segurança pública. Vimos retratos de masmorras e presídios em condições sub-humanas em vários cantos do mundo, como países africanos, das Américas Central e Latina. Isso tudo faz parte do Índice de Desenvolvimento Humanos dos países. É um número muito negativo para o Brasil. IDH do Brasil pode ser comparado com os dos países mais atrasados do mundo – e não só em relação a prisões. O Brasil tem muito por que se envergonhar. E muito a corrigir. Quando se fala em masmorra, não há como não lembrar, ironicamente, que o advogado do governador Arruda, preso em Brasília, chegou a dizer que ele estava preso em uma masmorra, quando tinha excelentes condições, se comparado aos presos do Espírito Santo.

(meu comentário) – Sábias palavras de Pitágoras “eduque as crianças para que não seja necessário punir o adulto”. Só um ensino qualificado é capaz de estabelecer valores e acabar, de vez, com esta estrutura pérfida que se arrasta fazendo com que um povo se mantenha refém da indiferença, da incompetência e do descaso. Alguma coisa está muito fora de ordem – o Brasil amarga o 88 lugar no ranking dos investimentos educacionais no mundo. Quando o país acordará para admitir que a única escola que realmente é levada a sério por aqui – que funciona com impecável atuação – é a escola de samba? Trágica e melancólica realidade. A esperança é o voto para, enfim, despertá-lo.

Blog do  R7 – TV Record – 16-03-2010

Querido Leitor especializado em generalidades- 16 de março – Aula! -Já estou em sala de aula, preparando o equipamento. Professora exemplar chega meia hora antes da aula começar … bom dia!

(meu comentário) – Bom dia, Rosana! -Permita-me comentar a respeito do ensino público paulista. Repare: a pior entre as piores profissões oferecidas aos nossos jovens é o magistério público. Existe lógica em um jovem com nível universitário, formar-se professor para concorrer a um salário de R$ 981,88 por mês numa escola pública? O descaso do governo para com os professores, ativos e aposentados, faz com que cheguem ao limite do suportável, ao serem tratados como servos, recebendo como verdadeiros vassalos. Enquanto padecermos da falta de uma política educacional estruturada, sem investimentos, sem valorizar a quem ensina, é empurrar ladeira abaixo uma educação pública doente, amputada e distorcida.

Blog da Rosely Sayão -15-03-2010

Ensino público – Recebi duas correspondências de mães de dois jovens que se dedicaram com afinco, no ano passado, a estudar para o vestibular. Uma delas anunciou que, após dois anos de preparação, seu filho finalmente conseguiu classificação para matricular-se em uma universidade pública reconhecida, que ele tanto almejava. Agora ela quer saber o que pode fazer para ajudar o filho dessa nova fase da vida. A outra mãe não sabe como agir porque seu filho não atingiu classificação para a universidade pública, mas passou em uma universidade privada que ela considera boa e cuja mensalidade a família pode pagar. No entanto, o jovem se recusa a fazer a matrícula porque considera humilhante obter um diploma de graduação nessa universidade depois de cursar o ensino médio em uma escola muito bem avaliada. Essa mãe quer convencer seu filho a mudar de opinião para não desperdiçar um ano de estudos. Creio que esses dois depoimentos juntos nos dão um retrato de como nossos equívocos a respeito da avaliação que fazemos sobre o ensino público e o ensino privado têm reflexo nos mais novos. Criamos uma verdadeira contradição nesse sentido, não é verdade? (…)

(Meu comentário) – Os profissionais da Educação que se formam em pedagogia com os melhores desempenhos são encaminhados para outras profissões, sempre aproveitados nas empresas bem qualificadas. No entanto, os piores vão dar aula. Então, o processo da educação pública está invertido. Os melhores alunos das universidades públicas deveriam lecionar. No entanto, a pior entre as piores profissões oferecidas aos nossos jovens é o magistério. Existe lógica em um jovem com nível universitário formar-se professor da escola pública para concorrer a um salário de R$ 981,88 por mês? O descaso do governo para com os professores, ativos e aposentados, faz com que cheguem ao limite do suportável – ao serem tratados como servos, recebendo como verdadeiros vassalos. Enquanto padecermos da falta de uma política educacional estruturada, sem investimentos, sem valorizar a quem ensina, é empurrar ladeira abaixo uma educação pública doente, amputada e distorcida.

Jornal Campinas -14-03-2010

Ministério Público começa a apurar trote na Unifeb- Os alunos feridos foram medicados e passam bem, sendo que dois envolvidos no caso já foram identificados. O Ministério Público Federal também começou a apurar o trote registrado na semana passada contra sete alunos do Unifeb (Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos). Conforme noticiado pelo Cosmo, eles foram atingidos por uma substância desconhecida e sofreram queimaduras. A procuradora da República, Ana Cristina Campos Neto de Souza, abriu procedimento administrativo civil sobre o caso. Ela já requisitou à Polícia Civil e ao Unifeb informações sobre que medidas estão sendo tomadas. A violência ocorreu no lado externo do Unifeb, uma vez que os trotes são proibidos no local. Os alunos feridos foram medicados e passam bem, sendo que dois veteranos envolvidos no caso já foram identificados pela polícia.

(meu comentário) – Já passou da hora de medidas eficientes defenderem os estudantes brasileiros contra o avanço desse terror cuja fúria acelera a decomposição dos fragilizados valores morais deste país.

Jornal de Itupeva -9-03-2010

(meu comentário) – As estrelas têm luz própria – Quantas mulheres há por aí, famosas e anônimas, mundo afora, que brilham com esforço, garra, coragem e inteligência para tornar a vida de muitos ainda melhor?  A lista é grande. Mas, como brasileiros, nos lembramos imediatamente de alguém que, por merecimento, virou unanimidade, exemplo internacional. A escolhida é a campeã de todas as enquetes. No Dia Internacional da Mulher, a nossa homenageada é a inesquecível Dra. Zilda Arns. Criadora de uma metodologia de trabalho revolucionária e eficiente, a pediatra e sanitarista, Dra. Zilda Arns ajudou a fundar a Pastoral da Criança, em 1983, como desafio proposto pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) à Igreja Católica. Foi um enorme desafio com indicadores admiráveis. Para a Dra. Zilda, “a primeira infância é uma fase decisiva para a saúde, a educação, a fixação de valores culturais e o cultivo da fé e da cidadania, com profundas repercussões ao longo da vida”. Sem dúvida foi um dos conceitos que alicerçou sua obra. As aparências enganam, e muito. Sempre bondosa e doce. Frágil, jamais. Batalhou com garra contra a mortalidade infantil. Usou toda a sua força para vencer os obstáculos junto às famílias carentes. Lutou com unhas e dentes contra a miséria, a falta de recursos e a exclusão social. Levou educação, saúde, esperança aos renegados. Com exímia determinação derrubou os limites do preconceito e da ignorância. Uma grande mulher que um dia exclamou: “Talvez os homens tenham um pouco de limitação para descobrir a capacidade das mulheres”. No momento em que o nosso povo clama por valores éticos, o exemplo da Dra. Zilda Arns se imortaliza como impecável referência. Cabe aqui, a citação do genial ator e cineasta americano, Orson Welles: “Se não fosse a mulher, o homem ainda estaria agachado em uma caverna, comendo carne crua.” Assim, congratulo àquelas que sabem mirar se em grandes exemplos e que, anonimamente, brilham tornando a vida, de muitos, ainda melhor.

Jornal Itu-9-03-2010

O Trabalho, a mulher e as suas escolhas Gosto do clima ameno, “das  águas de março fechando o verão” e da sensação de que o ano realmente começou. Janeiro carrega a preguiça das férias; fevereiro, a euforia do carnaval e março, inspira o trabalho. Aliás, em época de mudanças frequentes, de um mundo com pressa, é o trabalho a identidade e a compreensão desse novo tempo. Mas é bom que se diga que nem tudo pode ser reconhecido como trabalho. O mundo está repleto de pessoas tarefistas, hiperativas e incapazes de mudar o que as incomodam. Passam a vida toda reclamando da situação e sonhando com o dia da libertação. Sinto dizer, esse dia dificilmente chegará. Não é possível manter a conquista da participação feminina com mulheres abandonando seus filhos, em pleno período da amamentação, para esculpir barrigas. Não é possível garantir valorização profissional, com exposição vulgar em programas televisivos, para dizer aos homens que na mulher, o corpo vale mais que a mente. Portanto, que esse tom feminino, trazido para a sensação de que o ano realmente começou, não nos deixe esquecer que as futuras mulheres, meninas hoje, dependem das nossas escolhas. As gerações passadas já fizeram por nós. Agora é a nossa hora.

(meu comentário) – Parabéns pelo texto! Lembro daquela que, com exímia determinação derrubou os limites do preconceito e da ignorância: a Dra. Zilda Arns. Uma grande mulher que um dia exlamou: “Talvez os homens tenham um pouco de limitação para descobrir a capacidade das mulheres”. Fez grandes escolhas. Assim, congratulo àquelas que sabem mirar se em grandes exemplos e que, anonimamente, brilham tornando a vida, de muitos, ainda melhor.

Rádio CBN-8-03-2010

Gilberto Dimenstein – Mulher é mais importante na classe C do que na A

(meu comentário) – Congratulo-me com todas aquelas que, anonimamente, brilham tornando a vida de muitos, ainda melhor.

Estadão.com.br – 03-03-2010

(meu comentário) – Infelizmente, o povo brasileiro ainda não consegue enxergar a leitura como entretenimento. Essa capacidade fenomenal de fazer com que cidadãos transformem informação em conhecimento continua bem limitada por aqui. Falta-nos uma política educacional mais estruturada. Quando o nosso povo conseguir sentir prazer com a leitura – e pudermos ver multiplicados cidadãos como o bibliófilo José Mindlin – aí sim, teremos um povo lúcido, capaz de sustentar uma nação de primeiro mundo, inserido numa sociedade edificada  com ética e lucidez. “Bendito aquele que semeia livros e faz o povo pensar”, escreveu Castro Alves. Então, José Mindlin foi, sem dúvida, um bendito. Um grande brasileiro. Um paulista exemplar. Deixa-nos um legado de valor imensurável.

Folhaonline -2-03-2010

Veja repercussão da morte do bibliófilo José Mindlin – um dos mais importantes bibliófilos brasileiros, morreu na manhã de hoje, aos 95 anos. Colecionador de livros desde os 13 anos, ele doou seu acervo para a USP (Universidade de São Paulo) em 2006, dando origem à Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin. Veja a repercurssão da morte de Mindlin: “José Mindlin foi um gigante da cultura brasileira. Como todo grande homem, deixa um grande legado, que é a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, o resultado de uma vida dedicada aos livros, que por sua generosidade hoje é um patrimônio de todos os brasileiros. “Gilberto Kassab, prefeito de São Paulo Mindlin era um emblema do livro, tinha com ele uma relação orgânica. Lembro com saudade o dia em que estivemos juntos, com Evanildo Bechara, na inauguração do Museu da Língua, em São Paulo, e eu lhe fiz o convite para ingressar na Academia. Vamos sentir muito a sua falta. “Marcos Vilaça, presidente da Academia Brasileira de Letras. “O exemplo de vida que ele deixou é que além de ter sido um grande profissional na sua área, era voltado também para as coisas do espírito. As pessoas que o conheciam o tem como exemplo. As coisas da alma permanecem eternas, o exemplo dele como bibliófilo e amante dos livros ficará. “Então, Mindlin era muito mais do que um bibliófilo, era uma pessoa preocupada com o país, uma pessoa que tinha forte sentimento democrático, além de um ser humano extraordinário que promoveu a música e a cultura artística. Em toda parte ele deixa amigos sinceros, alguns dos quais puderam vir aqui prestar homenagem, mas há centenas de outros que não puderam. Enfim, é uma grande perda.” Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente da República – “É uma pessoa que se dedicou a uma causa e foi exitoso naquilo que se dedicou, não só em ser um dos grandes colecionadores de livros do mundo, mas eu acho que ele será lembrado pelo seu último gesto que foi doar à USP, a nossa universidade, a sua biblioteca. Marta Suplicy, ex-prefeita de São Paulo.

(meu comentário) – Quando o nosso povo conseguir sentir prazer com a leitura – e pudermos ver multiplicados cidadãos como o bibliófilo José Mindlin – aí sim, teremos um povo lúcido, capaz de sustentar uma nação de primeiro mundo, inserido numa sociedade edificada com ética e lucidez. “Bendito aquele que semeia livros e faz o povo pensar”, escreveu Castro Alves. Então, José Midlin foi, sem dúvida, bendito. Um grande brasileiro. Um paulista exemplar. Deixa-nos um legado de valor imensurável.

Revista Época – 1-03-2010

Morre o bibliófilo José Mindlin – Um dos maiores colecionadores de livros do país, o empresário e bibliófilo José Mindlin morreu na manhã deste domingo. Conhecido pela sua paixão por livros antigos, Mindlin possuía a maior coleção privada do Brasil com 45 mil volumes, colecionados desde os anos 30. O acervo foi doado em junho de 2009 à Universidade de São Paulo, que o transformou na biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, um moderno edifício de 20 mil metros quadrados em construção na Cidade Universitária. De acordo com reportagem do Estado, Mindlin faleceu aos 95 anos em decorrência de uma pneumonia que estava sendo tratada havia aproximadamente um mês no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

(meu comentário) – José Midlin, um bendito – Infelizmente, o povo brasileiro ainda não consegue enxergar a leitura como entretenimento. Essa capacidade fenomenal de fazer com que cidadãos transformem informação em conhecimento continua bem limitada por aqui. Falta-nos uma política educacional mais estruturada. Quando o nosso povo conseguir sentir prazer com a leitura – e pudermos ver multiplicados cidadãos como o bibliófilo José Mindlin – aí sim, teremos um povo lúcido, capaz de sustentar uma nação de primeiro mundo, inserido numa sociedade edificada com ética e lucidez. “Bendito aquele que semeia livros e faz o povo pensar”, escreveu Castro Alves. Então, José Mindlin foi, sem dúvida, bendito. Um grande brasileiro. Um paulista exemplar. Deixa-nos um legado de valor imensurável.

Jornal Cruzeiro do Sul – Sorocaba -28-2-2010

Serra decreta luto oficial pela morte de José Mindlin – O governador José Serra lamentou a morte do empresário, bibliófilo e membro da Academia Brasileira de Letras, José Mindlin, e decretou luto oficial de três dias no Estado de São Paulo em sua memória. Em nota oficial, o governador afirmou que “Mindlin era um homem querido por todos, em função do seu caráter, presença de espírito, disponibilidade para adotar as boas causas sociais e culturais e, também, de sua coragem serena. Quando Secretário Estadual da Cultura, nos anos setenta, ele convidou o jornalista Vladimir Herzog para a diretoria de jornalismo da TV Cultura, cujo trabalho sempre avalizou”. Serra diz ainda que “sabe-se que os torturadores dos jornalistas presos procuravam, também, incriminar a Mindlin. E ele soube se comportar com altivez e dignidade das ações da ditadura que levaram à morte de Herzog”.

(meu comentário) – Infelizmente, o povo brasileiro ainda não consegue enxergar a leitura como entretenimento. Essa capacidade fenomenal de fazer com que cidadãos transformem informação em conhecimento continua bem limitada por aqui. Falta-nos uma política educacional mais estruturada. Quando o nosso povo conseguir sentir prazer com a leitura – e pudermos ver multiplicados cidadãos como o bibliófilo José Mindlin – aí sim, teremos um povo lúcido, capaz de sustentar uma nação de primeiro mundo, inserido numa sociedade edificada com ética e lucidez. “Bendito aquele que semeia livros e faz o povo pensar” – escreveu Castro Alves. Então, José Midlin foi, sem dúvida, bendito. Um grande brasileiro. Um paulista exemplar. Deixa-nos um legado de valor imensurável.

Revista Época -25/02/2010

Governo quer tirar do ar campanha com Paris Hilton – Depois de receber denúncias da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres e de consumidores, ligada à Presidência da República, o Conar (Conselho de Autorregulamentação Publicitária) abriu três processos éticos contra a campanha de lançamento da cerveja Devassa Bem Loura, da Schincariol, afirma a reportagem da Folha. A secretaria considerou a campanha sexista e desrepeitosa à condição da mulher. Um outro processo, aberto após denúncias de consumidores, vai avaliar se o comercial faz um apelo exagerado à sensuzalidade. A terceira representação partiu do próprio Conar e se refere a uma promoção na internet em que um prêmio é oferecido ao criador do melhor samba de caixinha de fósforos. O código proíbe sugerir que as pessoas façam consumo excessivo de álcool.

(meu comentário)A respeito preconceituosa campanha da sra. Paris Hilton – às vésperas da celebração do Dia Internacional da Mulher. O nosso povo se depara com uma campanha publicitária de cerveja de gosto extremamente duvidoso. O fato é que a nova geração de brasileiros é moldada por valores cada vez mais questionáveis. Onde arrancar referências morais mais elevadas esses jovens consumidores que se deixam nortear apenas por seus institos? A saída está em investir na educação e em seus profissionais. A escola, a família e o estado precisam formar uma força estruturada para, enfim, resgatar os princípios básicos de civilidade, respeito, dignidade e cidadania.

Jornal Diário do Grande ABC-23-02-2010

Fraga defende investimentos em educação – O economista Armínio Fraga (ex-presidente do Banco Central) afirmou ontem que o crescimento do País depende de mais investimentos em educação e infraestrutura. Para ele, esses são os desafios do Brasil. “Reinvestimentos menos de 20% do PIB (Produto Interno Bruto, a soma de bens e serviços produzidos no País). Isso não tem mágica”, disse Armínio durante o seminário sobre os países que compõem o Bric (Brasil, Rússia, Índia e China). Para continuar a crescer no mesmo patamar anterior à crise (2007/2008), de cerca de 5% ao ano, ou mesmo aumentar essa taxa, o economista destacou a necessidade de ampliar as aplicações em energia, água, saneamento e infraestrutura. Ao destacar as vantagens do Brasil em relação ao Bric, ele citou a participação da sociedade nas discussões, imprensa ativa e “ambiente político rico”, “com uma estabilidade que outros países não têm”. “A China mantém um sistema de câmbio acoplado à moeda com câmbio fixo. Algo que parece natural, mas nos trouxe muita dor de cabeça no passado”. Para o economista, os chineses também precisam “administrar” um sistema com mais eficiência, com avanço do consumo interno e menos dependência das exportações. “Sou otimista com o futuro da China a longo prazo. Mas, em algum momento, ela crescerá a um digito por ano, o que é normal”, afirmou em relação à taxa, em torno de 10% anual. “Nós temos que fazer nossa lição de casa”.

(meu comentário) – Um número indecoroso de crianças nasce e morre sem jamais se tornar um cidadão. Só profissionais valorizados podem conduzir a educação ao padrão de qualidade que o Brasil tanto precisa. A Escola Estadual paulista vai parar dia 5/3. Assembleia na Praça República, 14h, São Paulo.

Jornal Campinas – 23-02-2010

Projeto pioneiro combate Bullying dentro da escola – Escola aplica modelo e diminui casos que chegam à delegacia de dois por mês para dois por ano. Paula e Manuela (os nomes são fictícios) conversam como duas amigas que se conheceram na escola e têm muito em comum. Aos 14 anos, as duas falam da rotina, trocam confidências, se ajudam na hora de estudar para as provas. Mas nem sempre foi assim. Aliás, até bem pouco tempo, era mais fácil vê-las discutindo, se atacando – sem motivos, elas reconhecem, hoje – até que se agrediram na saída da aula, em frente ao colégio. Manoela quase fraturou o nariz. As duas só mudaram de atitude porque passaram por uma experiência que vem diminuindo consideravelmente os casos de bullying na Escola Estadual Benedito Sampaio, no Botafogo, em Campinas. Desde o ano passado, a unidade é adepta do projeto Justiça Restaurativa, da Vara da Infância e da Adolescência e do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), que tem como objetivo resolver conflitos de forma amigável e reforçar a importância do relacionamento interpessoal e do respeito ao outro. Com isso, são reduzidos também os casos que geram processos judiciais e queixas na polícia. Os números ajudam Mirian a argumentar a favor do projeto: a escola tem menos problemas de disciplina e, no ano passado, problemas geraram apenas dois boletins de ocorrência (BOs). Em anos anteriores, o colégio já chegou a registrar uma média de duas visitas à delegacia por mês. “Só o fato de o aluno saber que fazemos o círculo e que os pais participam dele, já ficam mais disciplinados. Eles sabem o quanto pode ser complicado conversar com a família”, diz a diretora da escola.

(meu comentário) – Se não houver intervenções eficazes e imediatas, o espaço escolar há de tornar comprometido com a absoluta falta de motivação de alunos, evoluindo para uma descomunal evasão escolar. É preciso que pais, educadores e dirigentes defendam com unhas e dentes os estudantes brasileiros contra avanço desse terror cuja fúria acelera a decomposição dos já fragilizados valores morais deste país.

G1 – Globo.com-23-02-2010

Por Cristiana Lobo – Os bastidores da Política – “Arruda e a prisão” – Pelas declarações dos advogados, o governador afastado José Roberto Arruda começa a entender o que está se passando: ele está preso, e não passando o carnaval na sede da Superintendência da Política Federal em Brasília. E, na condição de preso – uma vez que teve o habeas corpus negado -, ele perde regalias. Na quinta-feira, quando se entregou à PF, em Brasília, ele foi num carro oficial e ficou “hospedado” na ampla sala da superintendente, equipada com TV, banheiro privativo, sofá e até mesa de reunião. Essas declarações dos advogados, o governador afastado José Roberto Arruda começa a entender o que está se passando: ele está preso, e não passando o carnaval na sede da Superintendência da Polícia Federal em Brasília. E, na condição de preso – uma vez que teve o habeas corpus negado -, ele perde regalias. Na quinta-feira, quando se entregou à PF, em Brasília, ele foi num carro oficial e ficou “hospedado” na ampla sala da superintendente, equipada com TV, banheiro privativo, sofá e até mesa de reunião.

(meu comentário) – Quantos carnavais ainda teremos para que as futuras gerações possam ser poupadas dos constrangimentos impostos aos cidadãos que hoje assistem os agentes da corrupção se esbaldando na farra dos subornos, dos desvios de recursos públicos sem punição? No País do Carnaval só um meio pode despir a fantasia, fincar o pé no chão e consolidar o desenvolvimento com justiça e dignidade: priorizar a educação. Quando o país acordará para admitir que a única escola que realmente funciona por aqui – com impecável atuação – é a escola de samba? Trágica e melancólica realidade. A esperança é o voto para, enfim, despertá-lo.

Jornal Amparo-22-02-2010

A diretoria do Centro do Professorado Paulista (CPP) – em reunião com as demais entidades representativas do magistério – decidiu, hoje (22/2), que a Escola Estadual vai parar no dia 5 de março – Assembleia Geral, às 14 horas, na Praça da República, com indicativo de greve para todos os Profissionais da Educação.

Motivo: Descaso do governo para com a Escola Pública.

Professor Participe! Somente a participação de todos garantirá a vitória do nosso movimento.

Revista Época-22-02-2010

Mandela e o poder da inspiração – por Ruth de Aquino – “Agradeço a todos os deuses por meu espírito invencível. Sou o dono de meu destino. Sou o capitão de minha alma.” Essas palavras poderiam soar recheadas de arrogância. Não na boca de Nelson Mandela, o líder sul-africano que ficou preso 27 anos e dali saiu para reconciliar seu país. Não há ceticismo que resista ao filme Invictus. Se você ainda não viu a atuação impecável de Morgan Freeman como Mandela – e se algum ressentimento perturba seu sono -, entre no cinema hoje. Há muitos motivos para ver Invictus. E o maior deles não é ser fã de rúbgi ou entender as regras desse jogo que combina força brutal e agilidade. Tampouco é o fato de África do Sul sediar a próxima Copa do Mundo em julho. O maior motivo para ver Invictus é entender a nós mesmos, nossa força ou limitação, sós ou em equipe. Perceber com mais clareza o jogo cotidiano da liderança, em casa e no trabalho. Confrontar nossa verdade, sem subterfúgios ou rancores.

(meu comentário) – “A educação o fez conhecer a liberdade. Livre e bem informado, pode se formar advogado e ser o primeiro negro eleito presidente do seu país e ganhador do Prêmio Nobel da Paz. Do alto de sua experiência concluiu: ‘a educação é a arma mais forte que você pode usar para mudar o mundo’. Poucos fizeram o mundo reconhecer a capacidade da educação em alterar os ditames da desigualdade e exclusão como ele. Que o Brasil mire-se no exemplo e que seus dirigentes aprendam a lição.”

G1-Globo.com -22-02-2010-por Alexandre Garcia

Bom dia Brasil – Questão do lixo nas ruas envolve educação – È um problema resolvido no mundo civilizado. Estive no Chile durante três semanas. Conheci muitas cidades chilenas e não vi um papel no chão. Tudo é organizado, limpo, cheiroso. Se o Chile é quase país de primeiro mundo, latino-americano, por que nós não podemos? Como as brigas de torcidas, que refletem a falta de educação, o descarte de imóveis nas ruas segue o mesmo princípio. É uma questão de educação em casa, de civilidade, de cidadania, mas sobretudo de inteligência. A pessoa tem que se dar conta de que mora na cidade. A cidade é um prolongamento da casa dela. É muito mais agradável viver em um lugar limpo e organizado a viver no meio do lixo. Em ano eleitoral, é bom lembrar que urna não é lata de lixo. Com tanto corrupto aparecendo filmado, é bom deixá-los na lixeira e cuidar muito bem as nossas urnas. Assim, melhoram também as cidades, a organização, os serviços públicos, aproveitam-se melhor os impostos, recolhendo o lixo nas cidades.

(meu comentário) – Está aí a imagem de uma sociedade moldada por princípios cada vez mais questionáveis. Mas, onde arrancar referências morais menos rasteiras? A saída continua sendo a educação. É preciso restabelecer o valor da cidadania e do respeito. As sábias e cautelosas palavras de Pitágoras concluem minha opinião: “eduque as crianças para que não seja necessário punir o adulto”.

FolhaONLINE- Catraca Livre-19-02-2010

As interpretações de Adoniran Barbosa – No ano do centenário, músico, ator e intérprete recebe homenagem em eventos de SP. Conta um dos capítulos da história do samba paulista algo que pouca gente sabe sobre a vida de Adoniran Barbosa: paralelamente ao trabalho das composições de músicas como “Saudosa Maloca” e “Samba do Arnesto”, João Rubinato, seu nome verdadeiro, viveu momentos intensos como a E não somente no cinema e na TV. No rádio, durante a década de 1950, Adoniran interpretou histórias criadas pelo radialista Osvaldo Moles. Não à toa, em pleno ano de comemoração do centenário de nascimento do artista, São Paulo recebe diversas programações para homenageá-lo. Muitos causos do compositor estão sendo pesquisados, desde o ano passado, pelo Núcleo João Rubinato, do Kolombolo Diá Piratininga – grupo criado para resgatar a história do samba paulista. Os pesquisadores descobriram, por exemplo, que a música “Jabá Sintético” nasceu de uma atuação de Adoniran com o comediante Golias, em uma telenovela da TV Record, também na década de 1960. Mas, para Tomás Bastian, músico e coordenador do núcleo, a pesquisa não se detém, apenas, a mostrar situações pouco conhecidas do legado de Adoniran. Para ele é importante reforçar o movimento do artista no campo musical e na história de São Paulo, mesmo após as comemorações do centenário de seu nascimento. “Adoniran tinha uma voz rouca, mas muito afinada. As músicas dele ficaram conhecidas com a intepretação de Demônios da Garoa. “Paulista da cidade de Valinhos, Adoniran cantou a história paulista de seu tempo. Suas músicas, conforme explica o coordenador, retratavam uma São Paulo que estava sendo urbanizada. “Ele ironiza essa situação. Reconhece o que está acontecendo, mas sempre conta a versão de quem perde a sua maloca”, explica. Rumores indicam que Adoniran receberá uma homenagem durante a Virada Cultural deste ano. As informações, por ora, não foram confirmadas.

(comentário da profa. Loretana Paolieri Pancera -vice-presidente do CPP)- Adoniran Barbosa foi mestre na arte da comunicação. Foi – e ainda é – um imenso sucesso. Soube como ninguém, cantar a periferia da cidade – as dificuldades da classe operária, a simplicidade e as alegrias do coração da massa popular. E assim,com o seu suor misturado ao do dia a dia do povo paulistano, foi cantor, humorista, ator e compositor. Um talento de prestígio nacional. Adoniran Barbosa é a tradicional voz da nossa gente. A força da expressiva cultura popular brasileira. Um imortal, especialmente para todos nós, paulistas.

Revista Época-19-02-2010

2010: um ano para celebrar Adoniran – Biografia comemora o centenário de Adoniran Barbosa, o compositor que cantou os personagens e a cidade de São Paulo. Siga Época no Twitter e concorra a um exemplar do livro – “Adoniran – Danilo Casaletti” – Biografia: Adoniran foi ator dramático  de telenovelas – O chapéu de lado, a gravata borboleta, a caixinha de fósforo na mão e um sotaque “italianado” típico da São Paulo da metade do século passado. Foi assim que Adoniran Barbosa – que completaria 100 anos em 2010 – ficou conhecido. Ele e seus inesquecíveis sambas, como Trem das onze, Saudosa Maloca, As mariposa, Iracema e Samba do Arnesto. A maioria de suas canções foi imortalizada pelo grupo Demônios da Garoa, mas elas também foram registradas por nomes como Elis Regina, Gal Costa, Clara Nunes e Clementina de Jesus.O “paulistano” Adoniran, na verdade, era paulista de Valinhos. Nascido João Rubinato, começou a vida vendendo tecidos. Porém, o que ele queria mesmo era ser cantor. Acabou virando ator de rádio, atuou no cinema, foi comediante e garoto-propaganda. Para marcar o centenário do compositor, várias comemorações já estão programadas (confira reportagem de Época São Paulo). Uma delas é o relançamento do livro Adoniran: uma biografia (Editora Globo, 680 páginas, R$ 59,90), do jornalista Celso de Campos Jr. A nova edição traz uma inédita seleção de roteiros originais do programa Adoniran Histórias das malocas, sucesso de Adoniran no rádio na década de 60. A biografia de Adoniran relatava verdadeiras preciosidades da vida do compositor, como a sua estreia como ator de telenovelas em 1970, aos 60 anos de idade. Sua primeira aventura no gênero foi no texto de Dulce Santucci, Tilim, escrito para a TV Record. O compositor ainda atuou em outras produções, como Os inocentes e Mulheres de Areia.

(comentário da profa. Loretana Paolieri Pancera -vice-presidente do CPP) – Sua voz rouca, inconfundível, falava a língua que o povo conhecia. Soube como ninguém cantar a periferia da cidade – as dificuldades da classe operária, a simplicidade e as alegria e o clamor do coração da massa popular. E assim, misturou o seu suor ao do povo tornando-se um talento de prestígio nacional. Adoniran Barbosa é a tradicional voz na nossa gente. A força da expressiva cultura popular brasileira. Um imortal – especialmente para nós – paulistas.

Jornal Itupeva – 17-02-2010

Opinião do Leitor  – (meu comentário) – A escola que é levada a sério – Quando Ruy Barbosa declarou: a justiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada – sequer imaginou a falência moral em que seu País um dia fosse mergulhar. A notícia da prisão de um político de alto escalão – nos surpreende. Saber que foi negado o habeas corpus a um governador preso – no exercício de seu mandato – supreende ainda mais. Quantos carnavais ainda teremos para que as futuras gerações possam ser poupadas dos constrangimentos impostos aos cidadãos que hoje assistem os agentes da corrupção se esbaldando na farra dos subornos, dos desvios de recursos públicos, e tantos outros escândalos sem esbarrarem em uma ínfima punição? Como se tornou frágil, a moralidade política. A ética a cada dia mais débil. No País do Carnaval só um meio pode despir a fantasia, fincar o pé no chão e consolidar o desenvolvimento com justiça e dignidade: priorizar a educação. Só um ensino qualificado é capaz de estabelecer valores e acabar, de vez, com esta estrutura rasteira e pérfida que se arrasta fazendo com que um povo se mantenha refém da indiferença e do descaso. Alguma coisa está muito fora de ordem – o Brasil amarga o 88 lugar no ranking dos investimentos educacionais no mundo. Quando o país acordará para admitir que a única escola que realmente é levada a sério por aqui – que funciona com impecável atuação – é a escola de samba? Trágica e melancólica realidade. A esperança é o voto para, enfim, despertá-lo.

Jornal Itu – 17-02-2010

Homenageado Ruy Barbosa por Erasmo Figueira Chaves –Lamento lúcido, conspícuo, espontâneo, sincero de dor que não abala, mas afirma lapidarmente profundas, apropriadas e mutio pessoais convicções: “… De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.” Ruy Barbosa – 5/11/1849 a 01/03/1923 – Saibamos ler empaticamente a lapidar frase de Rui acima, da forma justa, positiva, no contexto em que deve ser lida e compreendida: como a expressão corajosa e viril, o protesto, a frustração construtiva, a ação e testemunho exemplar de um lúcido, bem formado, raro e excepcional ser humano, um espírito transcendente, condenando com superior inspiração, radicalmente, sem sofismas, com clareza cristalina e a natural autoridade moral de sua inegável intelectualidade e cultura incomuns, a nefasta corrupção em todas as suas formas, a qual nos tem limitado por séculos o crescimento, como nação. Corrupção, que sem cristalino testemunho insofismável ao seu combate e, sem autoridade moral em quem dirige e, sem máscara, cultive, professe, conjugue eximiamente lídimas verdades e valores, sem ao menos saber bem e conscientemente, o que estes padrões e princípios profundamente significam na educação construtiva para a perenidade e inspiração edificante, lamentável e automaticamente traduz-se feericamente no comportamento generalizado, dúbio, ignorante, sub-reptício, deprimente, vulgar e nefasto de fatores tão deletérios à personalidade humana, individual e coletiva, que invadem, dominam, devastam, invalidam e impedem, em certas circunstâncias sociológicas conhecidas, qualquer projeto ou propósito de organizar e realizar equitativa, livre, igualitária, democrática, fraterna e adequadamente a sociedade, visando propiciar e estimular inteligente, pedagógica e construtivamente, na prática e na vida da nação e da Pátria, a sempre ansiada sanidade plena, em padrões civilizados aceitáveis de dignidade e de justiça social”.

(meu comentário) – Parabéns pela apropriada matéria. Aliás, quando Ruy Barbosa declarou: a justiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada – sequer imaginou a falência moral em que seu País um dia fosse mergulhar. A notícia da prisão de um político de alto escalão – nos surpreende. Saber que o habeas corpus foi negado a um governador – no exercício de seu mandato – surpreende ainda mais. Quantos carnavais ainda teremos para que as futuras gerações possam ser poupadas dos constrangimentos impostos aos cidadãos que hoje assistem os agentes da corrupção se esbaldando na farra dos subornos, dos desvios de recursos públicos, e tantos outros escândalos sem esbarrarem  numa ínfima punição? No País do Carnaval só um meio pode despir a fantasia, fincar o pé no chão e consolidar o desenvolvimento com justiça e dignidade: priorizar a educação. Só um ensino qualificado é capaz de estabelecer valores e acabar, de vez, com esta estrutura rasteria e pérfida que se arrasta fazendo com que um povo se mantenha refém da indiferença e do descaso. Quando o país acordará para admitir que a única escola que realmente é levada a sério por aqui – que funciona com impecável atuação – é a escola de samba? A esperança é o voto para, enfim, despertá-lo.

Jornal Catanduva -17-02-2010

Arruda recebe livros de autoajuda na prisão – Brasília – Preso desde a última quinta-feira (11) na Superintendência  da Policia Federal, o governador licenciado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, recebeu hoje (16) dois livros de autoajuda, trazidos por um policial militar do DF. O tenente Francisco de Souza, da Diretoria de Inativos e Pensionistas da Polícia Militar do DF, disse que “recebeu uma ordem divina para ajudar o governador e trouxe dois livros para Arruda: Como Permanecer Animado por 24 Horas e Da Derrota para a Vitória. Além dos livros, Arruda recebeu apoio de uma aposentada, que veio de Ceilândia, a cerca de 30 quilômetros de Brasília, para fazer uma oração pelo governador. Com a Bíblia e um terço na mão, Maria Dolorosa Ferreira de Souza sentou sob uma árvore, do lado de fora da sede da PF, para pedir aos céus a liberdade do governador licenciado. “Ele fez muita coisa boa pela minha cidade”.

(meu comentário) – Quando Ruy Barbosa declarou: a justiça tardia mais é do que injustiça institucionalizada – sequer imaginou a falência moral em que seu País um dia fosse mergulhar. A notícia da prisão de um político de alto escalão – nos surpreende. Saber que o habeas corpus foi negado – até agora – surpreende ainda mais. Quantos carnavais ainda teremos para que as futuras gerações possam ser poupadas dos constrangimentos impostos aos cidadãos que hoje assistem os agentes da corrupção se esbaldando na farra dos subornos, dos desvios de recursos públicos, e tantos outros escândalos sem esbarrarem numa ínfima punição? Como se tornou frágil, a moralidade política. A ética a cada dia mais débil. No País do Carnaval só um meio pode despir a fantasia, fincar o pé no chão e consolidar o desenvolvimento com justiça e dignidade: priorizar a educação. Só um ensino qualificado é capaz de estabelecer valores e acabar, de vez, com esta estrutura rasteira e pérfida que se arrasta fazendo com que um povo se mantenha refém da indiferença e do descaso. Alguma coisa está muito fora de ordem – o Brasil amarga o 88 lugar no ranking dos investimentos educacionais no mundo. Quando o país acordará para admitir que a única escola que realmente é levada a sério por aqui – que funciona com impecável atuação – é a escola de samba? Trágica e melancólica realidade. A esperança é o voto para, enfim, despertá-lo.

FOLHAONLINE-16-02-2010

Lula, Arruda, Carnaval, pedágios – (meu comentário) – Quando Ruy Barbosa declarou: a justiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada – sequer imaginou a falência moral em que seu País um dia fosse mergulhar. A notícia da prisão de um político de alto escalão – nos surpreende. Saber que o habeas corpus foi negado – até agora – surpreende ainda mais. Fato inédito: prender um governador em exercício. Quantos carnavais ainda teremos para que as futuras gerações possam ser poupadas dos constrangimentos impostos aos cidadãos que hoje assistem os agentes da corrupção se esbaldando na farra dos subornos, dos desvios de recursos públicos, e tantos escandâlos sem esbarrem em numa ínfima punição? Como se tornou frágil, a moralidade política. A ética a cada dia mais débil. No País do Carnaval só um meio pode despir a fantasia, fincar o pé no chão e consolidar o desenvolvimento com justiça e dignidade: priorizar a educação. Só um ensino qualificado é capaz de estabelecer valores e acabar, de vez, com esta estrutura rasteira e pérfida que se arrasta fazendo com que um povo se mantenha refém da indiferença e do descaso. Alguma coisa está muito fora de ordem – o Brasil amarga o 88 lugar no ranking dos investimentos educacionais no mundo. Quando o país acordará para admitir que a única escola que realmente é levada a sério por aqui – que funciona com impecável atuação – é a escola de samba? Trágica e melancólica realidade. A esperança é o voto para, enfim, despertá-lo.

Blogs da Folha -Frederico Vasconcelos-16-02-2010

Perda de parâmetros & Afastamento da impunidade – Do ministro Marco Aurélio Mello, que manteve a prisão preventiva do governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, em entrevista a Fausto Macedo, em “O Estado de S.Paulo”, neste sábado (13/2): “O País atravessa uma quadra de abandono a princípios, perda de parâmetros, inversão de valores, de dar o dito pelo não dito, o certo pelo errado e vice-versa. Mas há o outro lado. A balança da vida tem dois pratos. Há o prato que sopesa coisas boas, o horizonte, o amanhã em busca da lisura quanto à coisa pública e, portanto, o afastamento da impunidade para que todos estejam atentos e observem as regras estabelecidas. A sociedade não tolera mais é o escamoteamento, a mesmice. A sociedade cobra uma prestação de contas”. “A mobilização das ruas norteou sua decisão?”, perguntou o repórter. “O barulho da turba não me sensibiliza”, respondeu o ministro.

(meu comentário) – A notícia da prisão de um político de alto escalão – nos surpreende. No País do Carnaval só um meio pode despir a fantasia, fincar o pé no chão e consolidar o desenvolvimento com justiça e dignidade: priorizar a educação. Só um ensino qualificado é capaz de estabelecer valores e acabar, de vez, com esta estrutura rasteira e pérfida que se arrasta fazendo com que um povo se mantenha refém da indiferença e do descaso. Alguma coisa está muito fora de ordem – o Brasil amarga o 88 lugar no ranking dos investimentos educacionais no mundo. Quando o país acordará para admitir que a única escola que realmente é levada a sério por aqui – que funciona com impecável atuação – é a escola de samba? Trágica e melancólica realidade. A esperança é o voto para, enfim, despertá-lo.

Revista Época-16-02-2010

Decretada prisão de Arruda – O Superior Tribunal de Justiça decretou na tarde desta quinta-feira (11) a prisão preventiva do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), e de mais cinco pessoas pela tentiva de suborno do jornalista Edmilson Edson dos Santos, o Sombra, testemunha do escândalo do panetone, também conhecido como “mensalão do DEM”. (…) A situação de Arruda começou a se complicar com a prisão, no dia 4, de Antonio Bento em uma confeitaria de Brasília. Ele foi flagrado entregando os R$ 200 mil em espécie a Edson Sombra, principal parceiro do ex-delegado Durval Barbosa nas denúncias sobre o esquema de propina em Brasília. Esse dinheiro seria a primeira parcela de um total de R$ 1 milhão para que Sombra assinasse um documento desqualificando a denúncia de no escândalo. Em depoimento prestado à Polícia Federal, a que Época teve acesso, Bento diz ter intermediado a tentativa de suborno convencido de que a ordem teria partido do próprio governador Arruda (…)

(meu comentário) – Uma escola de impecável sucesso – Quando Ruy Barbosa declarou: a injustiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada – sequer imagionou a falência moral que seu País um dia fosse mergulhar. A notícia da prisão de um político de alto escalão – nos surpreende. Saber que o habeas corpus foi negado – até agora – surpreende ainda mais. Quantos carnavais ainda teremos para que as futuras gerações possam ser poupadas dos constrangimentos impostos aos cidadãos que hoje assistem os agentes da corrupção se esbaldando na farra dos subornos, dos desvios de recursos públicos, e tantos outros escândalos sem esbarrarem numa ínfima punição? Como se tornou frágil, a moralidade política. A ética a cada dia mais débil. No País do Carnaval só um meio pode despir a fantasia, fincar o pé no chão e consolidar o desenvolvimento com justiça e dignidade: priorizar a educação. Só um ensino qualificado é capaz de estabelecer valores e acabar, de vez, com esta estrutura rasteira e pérfida que se arrasta fazendo com que um povo se mantenha refém da indiferença e do descaso. Alguma coisa está muito fora de ordem – o Brasil amarga o 88 lugar no ranking dos investimentos educacionais no mundo. Quando o país acordará para admitir que a única escola que realmente funciona por aqui – com impecável atuação – é a escola de samba? Trágica e melancólica realidade. A esperança é o voto para, enfim, despertá-lo.

O Estado de S.Paulo-13-02-2010

(meu comentário) – Opinião-Fórum dos Leitores – Quando Ruy Barbosa declarou que a justiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada, nem  sequer imaginou a falência moral em que seu país mergulharia. A notícia da prisão de um político de alto escalão nos surpreende. Saber que o habeas corpus foi negado – até agora – surpreende ainda mais. Quantos carnavais ainda teremos para que as futuras gerações possam ser poupadas dos constrangimentos impostos aos cidadãos que hoje assistem aos agentes da corrupção se esbaldando na farra dos subornos, dos desvios de recursos públicos e tantos outros escândalos sem esbarrarem numa ínfima punição? Como se tornou frágil a moralidade política. A ética, a cada dia mais débil. No país do carnaval só um meio pode despir a fantasia, fincar o pé no chão e consolidar o desenvolvimento com justiça e dignidade: priorizar a educação. Só um ensino qualificado é capaz de estabelecer valores e acabar, de vez, com esta estrutura rasteira a pérfida que se arrasta, fazendo com que um povo se mantenha refém da indiferença e do descaso.  Alguma coisa está muito fora de ordem – O Brasil amarga o 88 lugar no ranking dos investimentos educacionais no mundo. Quando o País acordará para admitir que a única escola que realmente funciona por aqui – com impecável atuação – é a escola de samba? Trágica e melancólica realidade. A esperança é o voto para, enfim, despertá-lo.

Rádio CBN-12-02-2010

A redução da pobreza nos próximos cinco anos -(meu comentário) – Os números da FGV fazem vibrar os ânimos brasileiros. Uma França inteira de novos consumidores, nada mal! Entretanto, sabemos que só um ensino qualificado é capaz de acabar, de vez, com a pobreza e a exclusão, que, quando flagradas, denunciam o lado pérfido de uma sociedade refém do medo, da indiferença e do descaso. Vamos aguardar – 5 anos passam logo.

Revista Época – 11-02-2010

O Filtro – As dez mais de 11 de fevereiro – 10. África do Sul Comemora aniversário de 20 anos da libertação de Mandela – Após 27 anos nas prisões do apartheid, no dia 11 de fevereiro de 1990, exatos 20 anos atrás, o líder Nelson Mandela era solto pelo regime sul-africano. A libertação colocou em marcha uma transformação política que culminou com a história eleição multirracial de 1994 e com a posse do próprio Mandela como primeiro presidente negro do país. Mesmo depois de duas décadas de democratização do país, considerada por especialistas um milagre, a África do Sul ainda vive grandes desigualdades sociais. De acordo com reportagem da Folha, pelo menos 34% dos cerca de 50 milhões de sul-africanos vivem com menos de US$ 2 por dia, a taxa de desemprego é de 25% e o país possui um dos maiores índices de criminalidade do mundo e de portadores do vírus da AIDS.

(meu comentário) – O legado de Mandela é a sua história. Soube bem cedo que não iria longe se não se rebelasse contra as tradições tribais do seu povo. A sede por justiça o libertou e o fez procurar por conhecimento, o que mudou completamente – não só a sua vida – mas parte importante da história contemporânea mundial. Onde há sucesso a educação faz a diferença. Do alto de sua experiência Mandela concluiu: “a educação é a arma mais forte que você pode usar para mudar o mundo.” Poucos fizeram o mundo reconhecer a capacidade da educação em alterar os ditames da desigualdade e exclusão como ele. Se os índices do país africano ainda surpreendem – imagem se não houvesse um líder como Nelson Mandela?

Revista Veja.com -11-02-2010

Semana Zilda Arns -Em março, numa iniciativa da deputada Solange Amaral, a Câmara promoverá a Semana Zilda Arns, com palestras e debates.

(meu comentário) – Com exímia determinação dra Zilda derrubou os limites do preconceito e da ignorância. A humanidade a incluiu em sua história. O mundo terá sempre em seus registros que o trabalho da dra. Zilda Arns fez toda a diferença às crianças que enfrentavam a desnutrição para driblar a morte. O êxito do seu trabalho já colheu muitos frutos e inúmeros estão por vir. Tal exemplo deveria corar de vergonha muitos gestores em nosso País, se é que algum pudor ainda lhes resta. No momento em que o povo brasileiro se encontra carente de valores éticos, a falta da dra. Zilda Arns – referência de dignidade – fica ainda mais acentuada. Sem barulho, sem chamar atenção, ela soube fazer a diferença – e, de fato a fez, com coerência, eficiência, respeito e muito amor.  Sucesso à iniciativa da deputada.

Revista IstoÉ – 10-02-2010

O medo da derrota – por Leonardo Attuch – Serra entrará para a história como o fujão? Como aquele que sempre amarela? Espera-se que não

O ex-presidente Fernando Collor costuma contar uma história que revela algo sobre a personalidade de José Serra. Diz ele que, em determinado momento de seu governo, chegou a convidar o tucano, numa conversa a sós, para que assumisse um ministério da área econômica. E estava certo de que a oferta seria aceita porque todas as sondagens preliminares já haviam sido feitas. Serra, no entanto, o surpreendeu. Disse que não poderia dar a resposta antes de um encontro importante que teria em São Paulo. Com quem? O chefe do partido? Não, com seu psicanalista, um terapeuta freudiano. Hoje, o divã de Serra é a internet. E é no Twitter que ele descarrega suas angústias. Foi lá que o governador paulista se manifestou pela última vez sobre seu eterno dilema: anunciar ou não a disposição de lutar pela Presidência da República? Na madrugada do dia 24 de janeiro, ele escreveu: “Muitos aqui me perguntam sobre candidatura futura. Sabiam que pode ser ilegal dizer-se agora pré-candidato a algum cargo?” Ocorre que a indecisão de Serra não tem nenhuma relação com aspectos legais. Seu anúncio vem sendo empurrado com a barriga porque ele quer ter certeza absoluta da vitória. O que significa que o homem que lidera todas as pesquisas ainda tem medo da derrota – um receio que deve ter aumentado depois das sondagens da Vox Populi e do CNT/Sensus. Fosse um jogador de futebol, Serra seria aquele que o técnico jamais deveria escalar para bater um pênalti num jogo decisivo. Ele desmaiaria antes da cobrança. Mas Serra é um político. E, ainda que a prudência seja uma virtude, não há exemplo de homem público que tenha conquistado algo realmente grande sem uma boa dose de audácia. Ousadia, atrevimento e coragem são atributos essenciais do líder. Nem sempre garantem o sucesso, mas o fato é que o medo da derrota é o caminho mais curto para o fracasso. Na política, como na vida, vence aquele que enxerga uma oportunidade e se agarra a ela. Perde quem pisca. A insegurança talvez seja o calcanhar de aquiles de Serra. E é o ponto mais explorado por seus adversários. Há um burburinho de que Serra desistirá. Acabará amarelando e fugindo da raia. Mas o que falta, no divã eletrônico do governador, é um Franklin Roosevelt que lhe diga que a única coisa a temer é o próprio medo. Ou um Milton Nascimento que cante “nada a temer senão o correr da luta”. Sem audácia, Serra poderá terminar como o Riobaldo, de Guimarães Rosa. Aquele que disse: “Medo não, perdi a vontade de ter coragem.” Talvez até porque seu verdadeiro medo seja o da vitória – e não o da derrota.

(meu comentário) – No governo Serra, sem atrativo algum, o magistério passa a ser um “bico”. Suas avaliações dispõem todos os mestres numa “vala comum”, condenando-os pela má qualidade do ensino e pela decadência da escola pública.

Jornal da Tarde-9-02-2010-pág.A/3

(meu comentário) – Ao declarar que a vida militar não se ajusta a homossexuais, o general Raymundo Nonato de Cerqueira Filho foi mais do que preconceituoso: “Declaração de general sobre gays gera polêmica” (Política, 5/2, pág.11A). Ele fez uma afirmação vexatória e indigna para um país que quer alcançar uma democracia digna. Está na hora de a educação brasileira acelerar o passo para promover a diversidade, a tolerância e o respeito a todos.

Revista Época-09-02-2010

Um estranho na classe – Mudar de escola pode ser menos assustador se pais e professores ajudarem na adaptação

Aos 14 anos, Rafael Coltran mudou de escola pela primeira vez na vida. Saiu da escola do bairro onde estudou a vida inteira para cursar o primeiro ano do ensino médio em um colégio maior. Nas semanas anteriores ao início das aulas, não se aguentava de ansiedade – a ponto de desejar que as férias acabassem logo. Na noite anterior ao primeiro dia de aula, dormiu só cinco horas. Sua única preocupação era “será que a galera vai gostar de mim?”. Dúvida que foi respondia no primeiro dia de aula. “Foi diferente do que eu esperava. Fiz amizade logo de cara”, diz ele, aliviado. O medo de mudar de escola é comum a quase todos os alunos. Ele recorre pelo menos uma vez na vida. De acordo com um levantamento feito pelo Ministério da Educação, os primeiros anos do ensino fundamental e médio são os que têm maior rotatividade nas escolas. A troca de alunos é de cerca de 30%. Seja qual for a idade do estudante, os problemas podem aparecer no relacionamento com os outros alunos e no aprendizado. “Para alguns, especialmente entre os maiores, entrar em uma escola em que as ‘panelas’ já estão formadas é o pior pesadelo”, afirma Miriam Tricate, diretora do Colégio Magno, de São Paulo. “Para outros, a dificuldade pode ser acompanhar o ritmo das aulas, diferente da escola antiga.”  Cada criança ou adolescente tem seu ritmo de adaptação – e o que é considerado normal para um pode não ser para outro. Entre os sinais de que algo vai mal estão o isolamento, o desânimo para fazer a lição de casa, dores de cabeça e insônia. Entre os pequenos, há casos de regressão, como voltar a fazer xixi na cama. A boa notícia é que, na maioria das vezes, os problemas são contornáveis se pais e escolas atuarem juntos. A falta de apoio da escola foi fator determinante para o fracasso da adaptação de Laura Macian, que mudou de escola aos 6 anos. Seus pais começaram a notar que ela andava calada. O isolamento de Laura logo repercutiu em seu desempenho. “A Laura sempre foi meio avoada, mas a dispersão se acentuou, e ela ficou cada vez mais desestimulada”, diz o pai, Luis Fernando. A escola foi procurada diversas vezes, mas a única resposta que Luis obteve foi “aqui é mais difícil, e a Laura vai ter de se acostumar”. Na metade do segundo semestre Laura participou de atividades recreativas da antiga escolinha. Trazia para casa desenhos tão coloridos quanto os que fazia antes da mudança. “Aí ficou evidente que estava infeliz”, conta Luis. Laura voltou para a escola velha.

(meu comentário) – É preciso ter força para ganhar uma guerra, mas é preciso coragem para se render. A frase não é minha, mais ilustra bem. O empenho dos professores – que boa parte de suas vidas se dedicam a edificar cada etapa de seus alunos – e o apoio dos pais – darão a confiança necessária para fazer a travessia de um período de nem sempre é confortável ao estudante. A união escola e família é imprescindível ao sucesso da adaptação.

Jornal Valeparaibano-9-02-2010

Blog do Leitor – A INTERNET E A LEITURA – Para  o norte-americano Nicholas Carr, formado em Harvard e autor de livros de tecnologia e administração,  a dependência da troca de informações pela internet está empobrecendo nossa cultura. Ele falou à revista Época durante uma visita ao Brasil para uma palestra a 4.500 líderes empresariais. Segundo Carr, o uso exagerado da internet está reduzindo nossa capacidade de pensar com profundidade. Dicionário Lula, um presidente exposto por suas próprias palavras, lançamento da Editora Nova Fronteira, é um livro revelador. Um Lula surpreendente, para adeptos e opositores, é o que emerge do livro do jornalista Ali Kamel. Sua história de vida, carregada de carências e sofrimento, enrijeceu sua personalidade e o transformou num homem decidido a vencer a qualquer preço. Mas é precisamente na têmpera da sua obstinação que reside a sua maior fragilidade ética. O projeto de poder de Lula não admite barreiras éticas. Em nome da governabilidade e da perpetuação no poder, Lula se aliou ao que de pior existe na vida pública brasileira. A relativização dos valores e a condescendência com os companheiros e aliados envolvidos em graves irregularidades virou rotina na fala presidencial. O livro ilumina os méritos do presidente, mas também mostra suas sombras. Boa leitura!

(meu comentário) Congratulo o articulista pela escolha da pauta. Para se formar um povo bem informado, instruído e consciente a leitura é uma implacável ferramenta. “Bendito aquele que semia livros e faz o povo pensar”, escreveu Castro Alves. O povo brasileiro ainda não consegue enxergar a literatura como entretenimento. Ler não faz parte do seu dia a dia como televisão, futebol ou internet. Essa capacidade fenomenal de fazer com que cidadãos transformem informação em conhecimento continua bem precária por aqui. Sabe ler e escrever deveria ser tão simples como ouvir e falar. Porém, em terras brasileiras, enquanto as reais causas da pobreza e da exclusão puderem ser encobertas, e a ausência de uma política educacional estruturada se mantiver disfarçada, caberá ao brasileiro se distrair enquanto o seu País se descuida do ensino público e de seus profissionais. O povo brasileiro sabe da aversão que o líder do nosso país  sente pelo hábito da leitura. De qualquer forma, nós, profissionais da educação, comunicadores, e todos os formadores de opinião – precisamos nos manter alerta a qualquer tipo de ameaça a liberdade de expressão e aos direitos fundamentais da cidadania brasileira.

Rádio CBN-08-02-2010

O rádio e a educação –  (meu comentário) -A feliz  experiência mostra que nosso povo é, além de criativo, sedento por soluções que tragam resultados rápidos, porém duradouros. Parabéns aos participantes da Rádio Jacaré. Certamente colherão bem depressa o fruto de um trabalho tão empreendedor.

Jornal Agora-06-02-2010-pág.A/12

Texto de Luciana Lazarini-Professores – O CPP  (Centro do Professorado Paulista) realiza plantão hoje, das 8h às 14h, na sede central, para solucionar problemas na atribuição de aulas dos professores da rede estadual. Dúvidas pelo telefone (0/xx/11) 3340-0530.

Jornal Campinas -5-02-2010

OAB e PT criticam general que rejeita gays no quartel – As declarações feitas pelo general Raymundo Nonato de Cerqueira Filho Geraram inúmeras críticas em todo País

As declarações feitas pelo general Raymundo de Cerqueira Filho, indicado para ocupar uma vaga de ministro Superior Tribunal Militar (STM), de que militares homossexuais não teriam condições de comandar tropas geraram inúmeras críticas nesta quinta-feira em todo o país. ‘Retrógrada’ e ‘infeliz’ foram algumas das palavras usadas por políticos, advogados e um ex-sargento conhecido por ser o primeiro a se declarar abertamente homossexual no Exército brasileiro para classificar as afirmações de Cerqueira Filho.

(meu comentário) – A declaração preconceituosa do general Raymundo Nonato de Cerqueira Filho chega a ser bizarra, vexatória, indigna para um País que visa chegar ao desenvolvimento de primeiro mundo com civilidade igualitária, democracia e dignidade. É imperativo que a educação brasileira acelere o passo para promover, com tenaz eficiência, a diversidade, a tolerância, e o respeito a todos os cidadãos em nosso País.

Jornal Diário do Grande ABC-4-02-2010

Política-Suplicy quer nova audiência com militares após declaração sobre gays – O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) declarou nesta quinta-feira que solicitará ao plenário do Senado que os dois indicatos para o STM (Superior Tribunal Militar) prestem novos esclarecimentos na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), depois que um deles, o general Raymundo Nonato Cerqueira, fez uma declaração polêmica a respeito dos homossexuais. Em sabatina realizada ontem, ele e outro indicado ao STM, o almirante de esquadra Álvaro Luiz Pinto responderam a um questionamento de Suplicy sobre o ingresso de gays nas Forças Armadas. Para o general, as características da função militar não se ajustam aos homossexuais. “Está comprovado que homossexuais não conseguem comandar”, declarou. O almirante disse, por sua vez, não ver problema na admissão dos gays nas Forças Armadas, contanto que o “indivíduo mantenha a dignidade da farda”. A indicação dos dois militares foi aprovada pela comissão, mesmo com as declarações polêmicas. Isso porque eles falaram sobre o homossexualismo depois que os senadores já haviam votado. Agora, as indicações deverão passar pelo plenário do Senado. A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) divulgou hoje uma nota em que repudia as declarações do general Cerqueira. A defesa do País tem que ser feita por homens e mulheres preparados, adestrados e treinados para este fim, independente da opção sexual de cada um”, completou. Ministério da Defesa – O ministro da Defesa, Nelson Jobim, falou hoje que o governo brasileiro está debatendo a admissão dos homossexuais nas Forças Armadas. Ele lembrou que esta é uma questão que também está em aberto nos Estados Unidos. Lá, permanece em vigor a lei “Don”t ask, don”t tell” (“Não pergunte, não conte”, vigente desde 1993, que obriga os militares americanos homossexuais a ocultarem sua orientação sexual. Por fim, Jobim disse que as declarações do general Raymundo Nonato Cerqueira não farão parte dos debates sobre o assunto. “Nós estamos abrindo debate nas Forças Armadas, evidentemente que esta declaração do general que foi inquirido no Senado para o STM não influenciará os debates porque isso não diz respeito ao tribunal no qual ele atuará”, declarou.

(meu comentário) – É imperativo que a educação brasileira acelere o passo para promover, com tenaz eficiência, a diversidade, a tolerância, e o respeito a todos os cidadãos em nosso País.

Revista Época-02-02-2010

Jornalista Guilherme Fiuza – Direitos humanos S. A. – Em pleno mensalão, Delúbio já alertava: “Trata-se de uma conspiração da direita contra o governo popular”. Era a senha de que a quadrilha levaria os slogans de esquerda (e a cara de pau) às últimas consequências. A fome não rendeu tanto. Mas o neoliberalismo e a privatização revelaram-se uma mina de ouro. E vem aí a mega-sena dos direitos humanos. Num decreto digno dos 41 anos do AI-5, o governo embrulha a sociedade nos cânones do chavismo. Em lugar do brado dos generais em 1968, o choro de Lula – afinal, é o autoritarismo do bem. Tudo pelos direitos humanos. Menos beijo na boca. No decreto mais cínico da história deste país, redigido em típica subliteratura de assembleia petista, os direitos do homem viram bucha de canhão populista. Tem de tudo. Até garrote financeiro e censura a veículo de imprensa que “atentar contra os direitos humanos”. Pode-se imaginar o que vem por aí. Basta lembrar no que deu o atentado aos direitos sobre-humanos da família Sarney. O paralelo com o AI-5 não é justo. O decreto lulista é mais abrangente. Nas suas 73 páginas, se mete em tudo. Se os generais facilitaram as invasões de domicílio, o PT dá uma força à tomada de propriedades privadas no campo. É a versão esquerdista da licença para barbarizar. O sistema democrático também ganha seus retoques. Plebiscitos, referendos e mecanismos de veto popular vêm trazer o “enfim sós” entre o governo e seus súditos. Congresso, Judiciário, imprensa e demais instituições burguesas estão mesmo sobrando nessa relação tão pura. Hugo Chávez e suas estripulias (chegou o câmbio duplo, sem airbag) estão aí para mostrar o final feliz do grande líder com a massa embevecida. No lançamento do decreto histórico, o assunto foi o novo penteado pós-peruca de Dilma Rousseff. Nada mais deixa o país de cabelo em pé. Avante, filhos do Brasil. Divirtam-se enquanto é tempo, porque a noite pode ser longa.

(meu comentário) – Precisamos nos manter alerta a qualquer tipo de ameaça a liberdade de expressão e aos direitos fundamentais da cidadania brasileira. Nossa democracia é jovem, porém, se mantém de pé com dignidade. Direitos cerceados? Resta-nos lutar nas urnas para elminar qualquer intenção que nos leve ao horror de um retrocesso democrático.

Folha de São Paulo ONLINE-2-02-2010

Painel do Leitor –Educação- Texto de Eliana Bianco (São Paulo, SP) – “A reportagem ‘Toca o sinal’ (mais, 31/1), baseada na pesquisa da Folha sobre o cotidiano de uma escola pública do Rio de Janeiro, retrata, acima de tudo, o descaso político e histórico com a educação. Nada do que foi escrito difere da situação da maioria das escolas brasileiras, públicas ou privadas. É enganoso pensar que as escolas particulares são muito diferentes. Crianças e adolescentes, independente da classe social, precisam receber o suporte do Estado, do município, das instituições, da família e da comunidade. No entanto, culpar a família, a escola, o projeto pedagógico, o professor, o aluno, a burocracia, a falta de recursos financeiros, as falhas dos cursos de licenciatura, a pobreza ou a riqueza, não irá mover uma palha para as mudanças necessárias se não houver vontade política e implicação de toda a nação em torno de um novo modelo educacional que priorize, acima de tudo, o acolhimento, a valorização, o respeito e a atenção às necessidades do público infanto-juvenil.”

(meu comentário) -O único jeito do Brasil sair do caos que encobre de vergonha um povo digno, trabalhador, que não desiste em mostrar o quanto vale, é a educação. Enquanto nuvens de fumaça sobre as reais causas da pobreza e da exclusão puderem distrair – desviando o olhar da ausência de uma política educacional estruturada – caberá ao povo brasileiro ocupar o vexatório 88 lugar no ranking do desenvolvimento no ensino.

Rádio CBN-02-02-2010

Pesquisa com estudantes comprova baixa atratividade da carreira do professor

(meu comentário) -Que o resultado provoque em nossos dirigentes a mesma indignação que aniquila o professor, quando em seus ombros é despejada, a responsabilidade pela decadência da escola pública e pelos ínfimos resultados do ensino brasileiro.

Jornal Diário do Grande ABC-2-02-2010

Jovem de 18 anos é obrigado a beber etanol em trote no interior de SP

Um calouro de 18 anos do curso de Veterinária da Unicastelo, em Fernandópolis, interior de São Paulo, foi obrigado por alunos veteranos a beber etanol, álcool utilizado como combustível. O trote, ocorrido na segunda-feira, teve início dentro da universidade e prosseguiu por uma avenida movimentada da cidade. De acordo com reportagem do “Bom Dia Brasil (TV Globo), o garoto sofreu agressões físicas e psicológicas durante cerca de oito horas. O estudante foi levado pela mãe a um hospital da cidade, onde foi submetido a exames de dosagem alcoólica para verificar a quantidade de álcool ingerida durante a agressão. A família registrou um boletim de ocorrência e os alunos envolvidos no trote devem prestar depoimento ainda esta semana. A universidade informou que abrirá uma sindicância para apurar o caso.

(meu comentário) – Já passou da hora de medidas eficientes defenderem os estudantes brasileiros contra o avanço desse terror cuja fúria acelera a decomposição dos fragilizados valores morais deste país.

Revista Vejinha São Paulo-03-02-2010-pág.12

(meu comentário) – Especial de aniversário – Perdoem-me pelo lugar-comum, mas o texto “Quando eles descobriram São Paulo” (27 de janeiro) foi, de fato, um presente para todos nós, leitores. A nostalgia de personalidades, as fotos memoráveis e o registro de suas emoções remexeram com nossas próprias lembranças, aquelas bem guardadas lá no íntimo. Dizem que o paulistano sabe viver em meio ao caos. A verdade é que aprendemos a amar esta cidade que continua a desafiar os que aqui chegam. “Non ducor, duco”, ou seja, “Não sou conduzido, conduzo”. Não é o que estampa a bandeira da nossa cidade?

Revista da Folha de S.Paulo-31-01-2010-pág.A/2

(meu comentário) – (Curtas cartas) – DE BEM COM SÃO PAULO (CAPA) – Parabéns à Revista pelo feliz enfoque no relacionamento entre os paulistanos e a sua metrópole nas reportagens do especial de aniversário. Os números do Datafolha apontam para uma população mais satisfeita, ainda que enfrente o medo, a poluição, a falta de educação e toda a sorte de mazelas urbanas. Mesmo irritante, pecadora, guerreira e gananciosa, a capital permanece irresistivelmente poderosa, desafiando sem dó a quem acolhe. O paulistano sabe viver em meio ao caos e aprendeu a amar a cidade.

Agência Estado – 29-01-2010

Entrevista profa. Maria Lucia de Almeida -SP: Mesmo contra, professor adere à Programa de Promoção – Mesmo com a polêmica sobre a forma de avaliação e os apelos de boicote dos sindicatos ao programa de promoção por mérito da Secretaria da Educação de São Paulo, 140 mil professores dos 220 mil da rede estadual de educação se inscreveram para a prova que será aplicada de hoje até terça-feira. O novo programa concederá a cada ano reajuste salarial de 25% para até 20% dos docentes – aqueles que tiverem as melhores notas no exame. Para concorrer à promoção, o professor precisa estar na rede estadual há pelo menos quatro anos, ter poucas faltas, alto índice de permanência numa mesma escola, além de tirar nota igual ou superior a seis no exame. Mas, se não houver verba suficiente, o governo se reserva o direito de promover menos de 20% do quadro. Para o CPP (Centro do Professorado Paulista) e a Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), mais do que injusto, o programa de promoção é inconstitucional, pois fere a isonomia da classe. “É uma maneira de minimizar despesas com aumento. Vai atingir no máximo 20% da classe, mas o governo alardeia que deu aumento”, afirmou Maria Lúcia de Almeida, vice-presidente do CPP. Segundo o governo, o programa vai estimular o aperfeiçoamento do corpo docente. “Estamos aplicando as políticas de melhoria de qualidade”, disse o secretário de Educação, Paulo Renato Souza. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Jornal Folha de S.Paulo-29-01-2010

Texto de Rodolpho Pereira Lima – professor aposentado  (Bauru, SP) -associado do CPP: Educação – “O secretário da Educação do Estado de São Paulo, sr. Paulo Renato Souza, no artigo ‘Melhores professores na rede’ (‘Tendências/Debates’, 28/1), afirma: ‘Pela primeira vez na história de São Paulo e do Brasil, atuarão nas escolas públicas estaduais professores temporários que fizeram provas de avaliação’. Onde está o mérito? A Constituição Federal está completando neste ano 22 anos de sua publicação e determina, de modo explícito, ‘a valorização dos profissionais do ensino, com piso salarial profissional e ingresso exclusivamente por concurso de provas e títulos’ (inciso V, art. 206). O PSDB está governando o Estado de São Paulo há mais de 15 anos. Se as determinações da Constituição Federal tivessem sido cumpridas, a situação do ensino público e dos professores seria outra. O piso salarial dos professores da SE de São Paulo com formação superior é de R$ 1.850 (risível). O piso do agente da Assembleia Legislativa Paulista é de R$ 6.000. Nada contra. Porém, é preciso ressaltar a missão que desempenha o professor, a qual é realizada com a pessoa humana em termos de futuro e singularmente importante para o destino das pessoas, da coletividade e da pátria.”

Jornal de Campinas -29-01-2010

OAB-SP critica Programa de Direitos Humanos – Reações contrárias de inúmeros setores da sociedade mostram que soluções não foram suficientemente debatidas

O escritório de São paulo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP) divulgou nesta segunda-feira nota em que critica o Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH) formulado pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Para o presidente da entidade, Luiz Flávio D’Urso o programa traz instabilidade jurídica e tentativas de censura à mídia. Na nota, D’Urso e o coordenador da Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP, Martim de Almeida Sampaio, defendem mais debate sobre o plano. ‘Falta ao programa o devido equilíbrio para buscar pontos de consenso entre o que deseja o Poder Público e a sociedade’, opinam. ‘As reações contrárias de inúmeros setores da sociedade demonstram que as soluções não foram suficientemente debatidas, embora possam agradar a alguns grupos pelo seu viés ideológico’. De acordo com a OAB-SP, o PNDH traz insegurança jurídica, por exemplo, ao propor que, para decidir sobre uma reintegração de posse, o juiz de Direito promova uma audiência pública. Para a entidade, o procedimento institui ‘uma espécie de justiça popular, em conflito com o Estado de Direito’. A entidade de comunicação e decidir pela outorga e renovação das concessões de rádio e e TV. Para a OAB, esse tópico consiste em ‘uma nova tentativa de censura à mídia nacional’. A OAB-SP pede detalhes ainda sobre a criação da Comissão Nacional da Verdade, que investigaria a violação de direitos humanos durante a ditadura militar. Para os advogados, a iniciativa ‘vem sendo compreendida como revanchismo pelos militares’.

(meu comentário) – Precisamos nos manter alerta a qualquer tipo de ameaça a liberdade de expressão e aos direitos fundamentais da cidadania brasileira. Nossa democracia é jovem, porém, se mantém de pé com dignidade. Direitos cerceados? Resta-nos lutar nas urnas para eliminar qualquer intenção que nos leve ao horror de um retrocesso democrático.

 

Jornal Valeparaibano-29-01-2010

Blog do leitor – Pobreza e Educação – Há séculos economistas tentam descobrir as causas do crescimento econômico para poderem eliminar a pobreza. Mas o governo brasileiro acha que encontrou a fórmula que uma profissão inteira vem procurando e ainda não achou. No Brasil, o caminho escolhido para a superação da pobreza tem sido o do redistributivismo. Esse é o rumo mais ilusório e ineficaz de todos. A demagogia dos “vale-isto” e “vale-aquilo”, das bolsas “A” e bolsas “B”, da distribuição de subsídios e isenções, da exacerbação da progressividade tributária e dos confiscos de terra e de riqueza para serem pulverizados entre os pobres jamais eliminará a miséria. A dificuldade para romper o círculo vicioso da pobreza está no enraizamento do subdesenvolvimento nas estruturas sociais, econômicas, políticas e psicológicas da sociedade. E isso não se altera com políticas assistenciais, que, ainda que justificáveis, não serão capazes de sanar o problema a longo prazo. A ruptura fundamental com esse dramático equilíbrio de pobreza acha-se na educação. O Brasil ignora esse clamor e confunde caridade, que é uma virtude pessoal, com políticas eficazes de geração de renda, virtude pública rara entre nossos governantes. Não se acaba com a pobreza punindo a riqueza. Com demagogia e pitadas de caridade corre-se o risco de aprofundá-la.

(meu comentário) – Sofremos as dores de uma extrema desigualdade social. E, como um dos pilares da democracia é a igualdade de oportunidades, o mal começa pela privação do acesso a sistema escolar público de qualidade. È profundamente injusto que diferenças econômicas e sociais sentenciem a vida de uma criança. Entretanto, só alcançaremos a tão necessária igualdade de oportunidades fazendo da educação uma prioridade federal, e não apenas municipal ou estadual. Mas, para isso, é preciso banir uma insaciável ganância – que como Herodes mata, como praga destrói – para então, nossos governantes conseguirem, enfim, resgatarem os valores humanitários, éticos e morais.  Um número indecoroso de crianças nasce, sofre e morre sem jamais se tornar cidadão brasileiros. Só a educação é capaz de acabar, de vez, com este círculo vicioso que, quando flagrado, denuncia o lado pérfido de uma sociedade refém do medo, da indiferença e do descaso.

Jornal  Diarioweb.com.br – São José do Rio Preto -29/01/2010

Editorial Odiosa censura-O Estado de S.Paulo, um dos principais veículos de comunicação do País, publicou ontem (28/01/2010) reportagem sobre os 180 dias de censura imposta pela Justiça ao jornal. Por decisão liminar, o Estadão está proibido de veicular qualquer informação sobre a Operação Barrica, da Polícia Federal, relacionada ao empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB). No material sobre os 180 dias de censura, o Estadão cita a mordaça imposta também a este Diário por determinação do juiz da oitava Vara Cível de Rio Preto, Paulo Roberto Zaidan Maluf, que proibiu o jornal de publicar o nome de 23 servidores da Câmara atrelado aos seus respectivos salários. O blog do jornalista Alexandre Gama, editor de Política do Diário, também foi impedido pela Justiça de fazer críticas ao trabalho do assessor de Imprensa do Legislativo, Venâncio de Melo, pago pelos cofres públicos. Nos casos do Estadão e do blog de Política, trata-se claramente de censura prévia. Já em relação à liminar concedida aos funcionários da Câmara, sendo que alguns recebem inclusive acima do teto constitucional previsto aos servidores municipais, é a negação do princípio de publicidade e transparência dos gastos públicos na administração. Segundo levantamento da Associação Nacional de Jornais (ANJ), atualmente o Estadão e o Diário são os únicos dois veículos de imprensa censurados no País. Outros jornais também chegaram a ser amordaçados, mas conseguiram reverter a decisão em instâncias superiores. Até por este fato a ANJ, com apoio da OAB, comanda a discussão sobre a possibilidade de se editar uma súmula vinculante no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir que juízes de primeiro grau imponham censura prévia. O próprio Diário foi alvo desta distorção: enquanto o presidente do STF, Gilmar Mendes, autorizou a Prefeitura de São Paulo a publicar na íntegra os salários com os nomes dos servidores municipais, em Rio Preto a Justiça optou pelo contrário. Um peso e duas medidas. Palavras certeiras do ministro Celso de Mello, também do STF, ao analisar o caso do Estadão: “O poder cautelar é o novo nome de censura no Brasil”. Nunca é demais lembrar que a Constituição é clara ao condenar a censura no inciso IX do artigo quinto: “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”. Também vale citar o artigo 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos: “todo o homem tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferências, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios, independentemente de fronteiras”.  A liberdade de informar e de ser informado é um dos pilares da democracia. Extirpar este direito por meio da odiosa censura é uma forma eficaz de corromper a cidadania.

(meu comentário)  – Precisamos nos manter alerta a qualquer tipo de ameaça a liberdade de expressão e aos direitos fundamentais da cidadania brasileira. E esse “Programa Nacional de Direitos Humanos” – que não se intimida em tentar violar a liberdade de imprensa, e, também, a anistia, o direito à propriedade e outras aberrações? É bom ficarmos atentos antes que o governo tenha certeza que – nós, brasileiros, estamos inconscientes, sedados – ou emburrecidos de vez – e o aprove, condenado-nos a voltar a viver sob o jugo de uma ditadura nociva e macabra. Um pesadelo que, por ora, é mantido preso, acorrentado nos porões do passado. Nossa democracia é jovem, porém, se mantém de pé com dignidade. Direitos cerceados? Resta-nos lutar nas urnas para eliminar qualquer intenção que nos leve ao horror de um retrocesso democrático.

Rádio CBN – 29-01-2010

A polêmica em torno da abrangência do Plano Nacional de Direitos Humanos

Entrevista com Darcy Frigo, coordenador da Organização de Direitos Humanos ‘Terra de direitos’, que participou do grupo de trabalho que elaborou o Programa Nacional de Direitos Humanos.

(meu comentário) – Nossa democracia é jovem, porém, se mantém de pé com dignidade. Precisamos nos manter alerta a qualquer tipo de ameaça a liberdade de expressão e aos direitos fundamentais da cidadania brasileira. Direitos cerceados? Resta-nos lutar nas urnas para eliminar qualquer intenção que nos leve ao horror de um retrocesso democrático.

Jornal da Tarde-28-01-2010- pág.8/A

Professores – Estado aplica amanhã prova de promoção

Começam a ser aplicadas amanhã (29/01) as provas do programa de promoção por mérito da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo. Mais de 140 mil funcionários da rede se inscreveram, de um total de 220 mil. Diretores, coordenadores e supervisores fazem o exame amanhã. Os exames a serem aplicados em professores foram divididos entre segunda-feira e terça-feira.

Pelo novo sistema, a cada ano a secretaria dará aumentos de 25% para até 20% dos docentes – aqueles com as maiores notas. Mas, se não houver verba, o aumento pode atingir um número menor de professores. Para concorrer à promoção há algumas regras, entre elas: o docente precisa estar na rede no mínimo há quatro anos, ter poucas faltas e alto tempo de permanência numa mesma escola.

Sindicatos da categoria, Apeoesp e CPP constestam na Justiça o progama, alegando que ele fere a isonomia da classe. As ações ainda não foram julgadas.

Jornal Agora -28-01-2010-pág.11/A

Reportagem de Luciana Lazarini – Professor

O CPP (Centro do Professorado Paulista) obteve liminar (decisão provisória) da Justiça autorizando os professores associados, que estão em estágio probatório, a terem direito à mudança de escola na escolha das aulas deste ano.

Jornal Agora -27-01-2010-pág.A/11

Reportagem de Amanda Mont’Alvão Veloso e Luciana Lazarini

Entrevistada: Profa. Maria Lúcia de Almeida-Vice-presidente do CPP

100 mil disputam o reajuste da educação em SP

Prova para aumento de 25% recebeu 140 mil inscritos; 40 mil podem ficar fora se não atenderem a todos os requisitos

Cerca de 100 mil integrantes do magistério estadual paulista poderão disputar a prova que concede reajuste salarial de 25% para até 20% do total de funcionários da rede, informou ao Agora o secretário da Educação, Paulo Renato Souza.

Esses professores têm todos os requisitos para concorrer ao reajuste, que são tempo mínimo no mesmo cargo, permanência na mesma unidade de ensino e pontuação mínima obtida pelo número de faltas do professor.

As provas serão realizadas nos dias 29 de janeiro e 1 e 2 de fevereiro, todos às 9h.

Mas, segundo o secretário, outros 40 mil inscritos também irão fazer o exame, mas em caráter condicional. É que a Secretaria de Estado da Educação ainda não verificou os requisitos desses candidatos. Se for constatado que eles não atendem aos critérios, a prova deles será anulada.

O candidato pode consultar se está entre os que vão fazer a prova no site do Agora (www.agora.com.br). Basta digitar o nome e ver se ele consta na lista de habilitados, na de candidatos que farão a prova condicionalmente ou na de inscritos que não atendem aos requisitos.

A expectativa do secretário é que os 44 mil docentes, que correspondem a 20% do magistério (cota máxima de beneficiados), conquistem o reajuste salarial.

Para Maria Lúcia de Almeida, do CPP (Centro do Professorado Paulista), os professores foram à Justiça Federal para impedir a promoção. “A prova modifica o plano de carreira do magistério e exclui 80% dos docentes da promoção”, afirma.

Os exames terão uma parte objetiva e uma dissertativa, no valor de dez pontos cada.

A nota final será obtida pela média entre a soma da parte objetiva com a parte dissertativa. Apenas aqueles que obtiverem pelo menos seis pontos estarão aptos para receber o reajuste, cujo resultado está previsto para março.

 

O Estado de S.Paulo-26-01-2010

(meu comentário) – estado.com.br – Fórum dos Leitores – “Non Dvcor Dvco” – Creio que já virou tradição. A cada aniversário São Paulo ganha uma pesquisa com números exorbitantes dos descontentes que, se pudessem, escolheriam outra cidade para morar. Fico pensando: os anos passam e as enchentes, os crimes, o comércio pirata, os congestionamentos continuam os mesmos – e as obras, espalhadas pelas vias públicas, estão aí, eternizadas. Com facilidade nos adaptamos às rápidas mudanças de identidade visual, social e econômica. Difícil é ver os que falam mal de São Paulo livrarem-se das raízes que os prendem aos fascínios de uma das mais expressivas cidades do planeta. Assim, a cada 25 de janeiro, as reportagens sublinham a tragédia urbana, o medo, a poluição, a falta de educação e toda a sorte de mazelas. Ainda assim, irritante, pecadora, guerreira e gananciosa, a capital do Estado de São Paulo continua irresistível e poderosa – desafiando sem dó a quem acolhe. È inevitável que, em seu aniversário, nos deixemos envolver pela nostalgia de sua história. Citamos as inúmeras vezes que sua coragem foi posta à prova, a sua educação qualificada, num tempo onde os valores éticos não se calavam diante do poder, muito menos a decência se rendia ao vil metal. Dizem que paulistano sabe viver em meio ao caos. A verdade é que aprendemos a amar esta cidade. Não temos praia – mas um mar de sonhos renovados a cada instante. ” Não sou conduzido, conduzo” – “Non Dvcor Dvco” – Estampa a nossa bandeira. Parabéns, São Paulo – afinal de contas o orgulho de sermos paulistanos – de nascimento ou por adoção – faz com que o nosso coração bata mais forte, movido por uma sincera emoção.

Folha online- Blog da Folhinha -25-01-2010

456 anos de São Paulo – Puxa,  São Paulo já está velhinha! Hoje ela completa 456 anos! – Quem mora em São Paulo pode reclamar de engarrafamento, de poluição, mas não pode se queixar das opções de lazer. São tantos teatros, museus, cinemas e atrações que não falta opção para sair de casa. Nada melhor do que atrações culturais para comemorar o aniversário da cidade. E todas grátis. Haverá shows, teatro, apresentações de dança e música. Para as crianças, a dica é dar um pulo no Espaço Catavento (www.cataventocultural.org.br), que abre hoje por causa da celebração. E também assistir a “O Trenzinho Villa-Lobos”, da Cia Articularte. O espetáculo usa bonecos para contar a história deste músico e compositor brasileiro. O mais legal é que várias músicas dele são apresentada na peça (e elas são bem bonitas!). Ele será apresentado hoje, às 11, no Teatro Plínio Marcos (Rua Clélia, 33. Tel. 0/xx/11-3864-3129). Parabéns, São Paulo!

(meu comentário) – Dizem que paulistanos sabe viver em meio ao caos. A verdade é que aprendemos a amar esta cidade. Não temos praia – mas um mar de sonhos renovados a cada instante. “Não sou conduzido, conduzo” – “Non Dvcor Dvco” – Estampa a nossa bandeira. Parabéns, São Paulo – afinal de contas o orgulho de sermos paulistanos – de nascimento ou por adoção – faz com que o nosso coração bata mais forte, movido por uma sincera emoção.

Folha de S.Paulo-25-01-2010- pág.A/3

Painel do Leitor – (meu comentário) – “Creio que já virou tradição. A cada aniversário, São Paulo ganha uma pesquisa com números exorbitantes dos descontentes que, se pudessem, escolheriam outra cidade para morar. Fico pensando: os anos passam e as enchentes, os crimes, o comércio pirata, os congestionamentos continuam os mesmos – e as obras, espalhadas pelas vias públicas, estão aí, eternizadas. Com facilidade nos adaptamos às rápidas mudanças de identidade visual, social e econômica. Difícil é ver os que falam mal de São Paulo livrarem-se das raízes que os prendem aos fascínios de uma das mais expressivas cidades do planeta. Assim, a cada 25 de janeiro, as reportagens sublinham a tragédia urbana, o medo, a poluição, a falta de educação e todas sorte de mazelas. Ainda assim, irritante, pecadora, guerreira e gananciosa, a capital do Estado continua irresistível e poderosa, desafiando sem dó a quem acolhe.”

Revista Época -25-01-2010

Colunista – Paulo Moreira Leite – Abandonando São Paulo – A revelação de que 58% dos paulistanos gostaria de mudar-se de São Paulo, se pudesse, não chega a ser uma surpresa. O espantoso é que esse número tenha crescido dez pontos em apenas um ano. Por quê? Porque as enchentes ajudaram a lembrar ao paulistano das mazelas da maior e mais problemática cidade brasileira, que nem Gilberto Kassab sem seus antecessores foram capazes de resolver. Nasci em São Paulo e adoro a cidade. Não conheço lugar melhor para viver, encontrar as pessoas, trabalhar e me divertir. Já morei no Paraíso, nos Jardins, em Cidade Jardim e em Pinheiros. Frequentei o Centro e também a Zona Leste. A pesquisa revela um fato sem discussão: a cidade se esgotou. Não tem ruas para seus automóveis, não tem transporte coletivo para o cidadão comum. A qualidade de suas escolas públicas é péssima, entre as piores do país, e as boas escolas privadas são caríssimas, as mais altas do país. A violência é um horror. Rica e diferenciada, a situação de São Paulo é uma derrota dos espaços públicos num lugar que se transformou no paraíso dos universos privados. Um exemplo próximo de todos se encontra em alguns shopping centers, onde não há mais bancos para todos os frequentadores – mas mesas, cadeiras e bancos exclusivos para clientes de determinadas lojas. Ou seja: é o espaço privado dentro do privado. Você precisa tomar um cafézinho para ter o direito de sentar-se. Isso porque há várias gerações a cidade foi abandonada pelas autoridades que deveriam zelar por ela. A desilusão dos paulistanos com sua cidade reflete o fim de um sonho enganoso de que seria possível garantir uma vida suportável a uma população que chega a 17 milhões de pessoas na Grande São Paulo sem planejamento e sem um projeto de crescimento equilibrado, sem a definição de prioridades e interesses. São Paulo se alimentou da idéia falsa de que a economia de mercado seria a melhor opção para organizar o cotidiano dos cidadãos que nada deveria ser feito para contrabalançar seus interesses. Todo esforço para preservar o espaço público passou a ser visto como um obstáculo ao progresso.

(meu comentário) – Creio que já virou tradição. A cada aniversário São Paulo ganha uma pesquisa com números exorbitantes dos descontentes que, se pudessem, escolheriam outra cidade para morar. Fico pensando: os anos passam e as enchentes, os crimes, o comércio pirata, os congestionamentos continuam os mesmos – e as obras, espalhadas pelas vias públicas, estão aí, eternizadas. Com facilidade nos adaptamos às rápidas mudanças de identidade visual, social e econômica. Difícil é ver os que falam mal de São Paulo livrarem-se das raízes que os prendem aos fascínios de uma das mais expressivas cidades do planeta. Assim, a cada 25 de janeiro, as reportagens sublinham a tragédia urbana, o medo, a poluição, a falta de educação e toda a sorte de mazelas. Mesmo irritante, pecadora, guerreira e gananciosa, a capital do Estado de São Paulo continua irrestível e poderosa – desafiando sem dó a quem acolhe. É inevitável que, em seu aniversário, nos deixemos envolver pela nostalgia de sua história. Citamos as inúmeras vezes que sua coragem foi posta à prova, a sua educação qualificada, num tempo onde os valores éticos não se calavam diante do poder, muito menos a decência se rendia ao vil metal. Dizem que paulistano sabe viver em meio ao caos. A verdade é que aprendemos a amar esta cidade. Não temos praia – mas um mar de sonhos renovados a cada instante. “Não sou conduzido, conduzo” – “Non Dvcor Dvco” – Estampa a nossa bandeira.

Rádio CBN-25-01-2010

Gilberto Dimenstein – Pesquisa mostra que apenas 6% da população está insatisfeita com São Paulo

(meu comentário) – Mesmo irritante, pecadora, guerreira e gananciosa, a capital do Estado de São Paulo continua irresistivelmente poderosa – desafiando sem dó a quem acolhe. Dizem que paulistano sabe viver em meio ao caos. A verdade é que aprendemos a amar esta cidade. “Non Dvcor Dvco” – Não é o que estampa a nossa bandeira?

Revista Veja.com -25-01-2010

A cidade de passagem- Denis R. Burgierman – Num 25 de janeiro como hoje, numa capelinha de roça poeirenta com paredes de barro, a quilômetros e quilômetros de qualquer lugar civilizado, longe do mar, longe de tudo, no meio do mato, nos confins do sertão, celebrou-se uma missa. Anos depois, a história escolheu essa missa como o marco da fundação de São Paulo. Mas, naquele 25 de janeiro de 1554, não se deu nenhum ato solene, nenhuma inauguração, nenhum festejo oficial. Apenas uma missa inconsequente, reunindo uma dúzia de jesuítas e sabe-se lá quantos índios curiosos. A cidade de São Paulo não surgiu em 1554. O que havia, então, era apenas um colégio no qual padres, desiludidos de levar seus corrompidos conterrâneos brancos ao caminho de Deus, tentavam converter as almas mais puras dos índios. São Paulo só foi virar um lugar mais definitivo, um destino, onde se constrói coisas para durar, no final do século 19, com a industrialização e a multidão de imigrantes que lhe forneceu mão-de-obra. Mas, ainda assim, permaneceu entranhada a sensação de um lugar temporário, de uma passagem. Tanto é assim que, numa pesquisa do Ibope divulgada recentemente, 57% dos 11 milhões de paulistanos declararam que mudariam daqui se tivessem condições. (…) São Paulo é rica, é dinâmica, é uma força que vai mover um pedaço grande da economia mundial no século 21. Mas seu modelo urbano é caquético. Administrações visionárias têm proposto um novo modelo urbano em metrópoles latino-americanas como Bogotá e Cidade do México. Enquanto isso, nossos prefeitos continuam firmemente atolados no século 20.

(meu comentário) – Creio que já virou tradição. A cada aniversário São Paulo ganha uma pesquisa com números exorbitantes dos descontentes que, se pudessem, escolheriam outra cidade para morar. Fico pensando: os anos passam e as enchentes, os crimes, o comércio pirata, os congestionamentos continuam os mesmos – e as obras, espalhadas pelas vias públicas, estão aí, eternizadas. Com facilidade nos adaptamos às rápidas mudanças de identidade visual, social e econômica. Difícil é ver os que falam mal de São Paulo livrarem-se das raízes que os prendem aos fascínios de uma das mais expressivas cidades do planeta. Assim, a cada 25 de janeiro, as reportagens sublinham a tragédia urgana, o medo, a poluição, a falta de educação e toda a sorte de mazelas. Ainda assim, irritante, pecadora, guerreira e gananciosa, a capital do Estado de São Paulo continua irrestível e poderosa – desafiando sem dó a quem acolhe. É inevitável que, em seu aniversário, nos deixemos envolver pela nostalgia de sua história. Citamos as inúmeras vezes que sua coragem foi posta à prova, a sua educação qualificada, num tempo onde os valores éticos não se calavam diante do poder, muito menos a decência se rendia ao vil metal. Dizem que paulistano sabe viver em meio ao caos. A verdade é que aprendemos a amar esta cidade. “Não sou conduzido, conduzo” – “Non Dvcor Dvco” – Estampa a nossa bandeira.

Jornal Agora 25-01-2010- página B/6

São Paulo – A cada aniversário a cidade de São Paulo ganha uma pesquisa com números exorbitantes dos descontentes que, se pudessem, escolheriam outra cidade para morar. Fico pensando: os anos passam e as enchentes, os crimes, o comércio pirata e os congestionamentos continuam os mesmos – e as obras, espalhadas pelas vias públicas, estão aí, eternizadas numa das mais expressivas cidades do planeta.

Jornal Agora-25-01-2010-pág.B/3

… A proposta é que os professores que tiraram licença em 2008 e os que estão em estágio probatório possam trocar a escola em que darão aula. O assunto também é alvo de uma ação movida pelo CPP (Centro do Professorado Paulista).

Jornal Agora – 23-01-2010 – página A/11

Reportagem Luciana Lazarini – Editoria Funcionalismo

O CPP (Centro do Professorado Paulista) entrou com um mandado de segurança coletivo, nesta semana, em favor dos professores associados que estão nos primeiros três anos de estágio probatório e não puderam pedir transferência de escola. A expectativa é ter uma resposta da Justiça no início da semana que vem, segundo informou o CPP. A ação pode beneficiar os efetivos em início de carreira, que não conseguem a mudança. Em 2009, isso só foi possível pela Justiça.

Jornal Itu-21-01-2010

Claudiney Bravo: “Educação é questão de urgência”

O Brasil está chegando à quinta posição das economias mundiais. Não pode mais ser considerado país pobre. Pode ser desigual, como a Índia, Rússia e China, mas não pobre. Somos desiguais porque não temos uma educação de nível aceitável para essa posição. Com 97% das suas crianças matriculadas no ensino fundamental, o Brasil ainda permanece como nação periférica emergente. Numa primeira análise podemos até aplaudir esse número. Mas não deve ser assim. Nenhum país ultrapassou a fronteira do atraso intelectual sem antes ter vencido os desafios de educar com qualidade sua população. Há menos de 40 anos, iniciou-se o processo de universalizar a escola, mas apesar disso não consegue dar um salto qualitativo capaz de incluí-lo no seleto clube do primeiro mundo. A política de prioridades do governo privilegiou a quantidade sem dar a importância devida para a excelência. Não tem como querer se mostrar diferente dos demais, pois crescimento e educação precisam necessariamente caminhar de mãos dadas. Lamentavelmente, uma imensa maioria de políticos imediatos não pensa dessa forma. Os poucos que sobram não conseguem serem ao menos ouvidos.

Claudiney Bravo é Designer Gráfico, editor da Circuito online e secretário geral do Movimento Educacionista do Brasil, fundado pelo senador Cristovam Buarque.

(meu comentário) – A contradição entre o que temos e o que precisamos evidencia o problema essencial da legitimidade das políticas educacionais. É injusto que diferenças econômicas e sociais sentenciem a vida de uma criança. Entretanto, só alcançaremos a tão necessária igualdade de oportunidades fazendo da educação uma prioridade federal, e não apenas municipal ou estadual. Enquanto padecermos da ausência de uma política educacional estruturada, sem investimentos conscientes, sem valorizar a quem ensina é empurrar abismo abaixo uma educação, doente, amputada e distorcida.

Jornal de Campinas -20-01-2010

Garoto com agulhas poderá passar por nova cirurgia

A cirurgia para a retirada das quatro agulhas será de pequeno porte, com duração prevista de meia hora – O menino baiano de dois anos e meio, que estava com 31 agulhas espalhadas pelo corpo, poderá passar por nova cirurgia hoje, segundo informações do Hospital Ana Néri, em Salvador, onde está internado. O garoto já enfrentou três cirurgias para retirar as agulhas. (…) A criança poderá ter alta ainda esta semana. O estado de saúde dele é estável, ele se alimenta bem, está se recuperando bem das cirurgias anteriores e brinca normalmente.

(meu comentário) – É injusto que diferenças econômicas e sociais sentenciem a vida de uma criança. Um número indecoroso de crianças nasce, sofre e morre sem jamais se tornar cidadão brasileiros. Hoje, vítima. Amanhã, pode ser o agressor. Só a educação é capaz de acabar, de vez, com este círculo vicioso que, quando flagrado, denuncia o lado pérfido de uma sociedade refém do medo, da indiferença e do descaso.

Jornal Catanduva-20-01-2010

Projeto “A Paz que eu Quero Ter” será implementado neste ano

A Educação marcará um novo encontro para a próxima semana a fim de formar uma comissão

Foi realizado no Palácio da Educação na manhã do dia 19 último a primeira reunião de implementação do projeto “A Paz que eu Quero Ter” 2010. Segundo informa a Assessoria de Comunicação da Prefeitura, o objetivo do projeto é trabalhar a cultura de paz na escola, envolvendo todos os eixos norteadores como meio de formação de cidadania responsável, prevenção e controle de doenças e da violência, além da sustentabilidade.

(meu comentário) – Quem pode a seus alunos dar o valor da paz, da cidadania e da ética – o direito de aprender com segurança junto a professores dignificados – tenha certeza que verá edificada uma sociedade embasada na justiça e no respeito e na responsabilidade. Bem oportuno, Pitágoras já dizia: “eduque as crianças para que não seja necessário punir o adulto”. Sábias e cautelosas palavras.

Jornal da Tarde – 17-01-2010

Zilda Arns deixou um inestimável legado

José Maria Cancelliero – capital

Zilda Arns se foi e deixou entristecido o povo brasileiro, sedento por exemplos de integridade. Essa grande mulher soube fazer o bem com grande sabedoria e imensa doçura: “Zilda Arns, humanitária até o fim” (Radar, 14/1, pág.12A). O Brasil perdeu uma referência ímpar de dignidade. Afinal, ela sabia como ninguém que o ensino é a chave para a inclusão social. Milhares de crianças terão uma vida melhor por causa dos esforços dessa grande médica e sanitarista, que travou uma incansável batalha contra mortalidade infantil. Com o seu inestimável legado temos a Pastoral da Criança, além do real exemplo de disciplina e de coragem.

Jornal Agora -15-01-2010-página A/12

Editoria Desabafo – Haiti – A morte de Zilda Arns deixou o Brasil órfão, com a alma entristecida. O povo brasileiro, tão sedento por exemplos de integridade, perde uma referência ímpar de dignidade, que sabia o que o ensino é a chave para inclusão. Da fundadora da Pastoral da Criança, ficamos com o legado de lisura, disciplina e coragem.

“Educar para a Esperança ” – frase de Zilda Arns -14 e 18-01-2010

O texto a respeito da grande perda da médica Zilda Arns – foi publicado em vários veículos de comunicação em 14-01-2010: O

Estado de S.Paulo; Veja.com – Blog -Reinaldo Azevedo; Jornal Globo -G1-Blog de Geneton Moraes; Rádio CBN -Gilberto Dimenstein; Revista Época (O Filtro); Jornal São José do Rio Preto; Jornal de Campinas; Jornal Diáro do Grande ABC. Foi publicado, também, no Jornal Correio Popular – no dia 18/01/2010.

Jornal São José do Rio Preto – 12-01-2010

Adolescente é espancada e estuprada em Ipiguá – Uma garota de apenas 14 anos foi espancada e estuprada em Ipiguá, nesta madrugada. A estudante F. P. G., que mora em Rio Preto, foi rendida por um homem armado em uma caminhonete e levada para um matagal, onde, antes de ser violentada sexualmente, ainda foi agredida com chutes, socos e mordidas. Segundo a Polícia Militar, F. estava em um ponto de ônibus na avenida Fortunato Ernesto Vetorasso, no Cecap, por volta de meia-noite, na companhia da amiga S.D. C., 17 anos. As duas foram rendidas por um homem em uma caminhonete quatro portas, prata, que estava armado com revólver. O rapaz estava sozinho. Em depoimento à polícia, a menina disse que, ao retomar a consciência, percebeu que havia sido estuprada por estar com as roupas sujas de sangue. A Polícia Militar, que já havia sido acionada por S., quando ela conseguiu se livrar do acusado, não o localizou o agressor durante o patrulhamento. Até este momento, policiais não têm pistas sobre o estuprador. O caso está sendo investigado.

(meu comentário) – Sofremos as dores de uma extrema desigualdade social. E, como um dos pilares da democracia é a igualdade de oportunidades, o mal começa pela privação do acesso a sistema escolar público de qualidade.  A violência que agride, rouba e mata a infância brasileira se mostra de diferentes formas, como prostituição, abandono, exploração do trabalho, infanticídio, lesão corporal, suicídio, tortura e outras tantas manifestações sórdidas de maus tratos. A banalização da violência – inclusive a doméstica – se tornou parte do cotidiano juntamente com o império das drogas, do álcool e do pânico e da corrupçaõ. È profundamente injusto que diferenças econômicas e sociais sentenciem a vida de uma criança. Entretanto, só alcançaremos a tão necessária igualdade de oportunidades fazendo da educação uma prioridade federal, e não apenas municipal ou estadual. Mas, para isso, é preciso banir uma insaciável ganância – que como Herodes mata, como praga destrói – para então, nossos governantes conseguirem, enfim, resgatarem os valores humanitários, éticos e morais. Um número indecoroso de crianças nasce, sofre e morre sem jamais se tornar cidadão brasileiro. Hoje, vítima. Amanhã, agressor. Só a educação é capaz de acabar, de vez, com este círculo vicioso que, quando flagrado, denuncia o lado pérfido de uma sociedade refém do medo, da indiferença e do descaso.

Folha de São Paulo Online-11-01-2010

Estudo aponta que aluno da rede pública já chega pior à primeira série

Os alunos que ingressam nas escolas particulares chegam à primeira série já com larga vantagem em relação às crianças de escolas públicas. E essa desigualdade nas médias pouco se altera até o final da quarta série do ensino fundamental.

Esta é uma das conclusões de um estudo pioneiro no Brasil, o projeto Geres, que acompanhou, de 2005 a 2008, 20 mil alunos de Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Campinas, Campo Grande e Salvador.

Em português, a distância inicial entre alunos da rede pública e privada até diminuiu, mas permaneceu significativa ao final da quarta série. Em matemática, ela cresceu.

(meu comentário) – E o resultado da completa ausência de uma política educacional estruturada. Comparar as escolas particulares com as da rede pública é um grande desconexo. As particulares, com alunos de poder aquisitivo mais elevado, competem entre si fatias suculentas de um grande mercado. Do lado oposto estão as públicas, que pagam mal sem valorizar a quem ensina. Só um ensino público qualificado, com profissionais valorizados, pode garantir os mesmos direitos a todos os estudantes num País com tamanha desigualdade social e, ainda assim, vemos nossos gestores insistirem em caminhar em direções opostas às soluções indicadas pelos educadores.

Jornal de Catanduva-11-01-2010

Olímpia: Prefeitura e Secretaria de Cultura inauguram Museu de História e Folclore- A Prefeitura de Olímpia e a Secretaria de Cultura, Esporte, Lazer e Turismo inauguram no dia 5, às 20 horas, a revitalização externa do Museu de História e Folclore “Maria Olímpia”. Antes, às 19 horas, será inaugurada a Academia ao Ar-Livre, na avenida Aurora Forti Neves. Segundo informa a Assessoria de Imprensa da Prefeitura, a revitalização foi possível por meio de uma campnha iniciada no dia 28 de setembro de 2009, através da Secretaria, visando arrecadar doações junto à iniciativa privada para a reforma. Essa pasta não dispunha de recursos prórpios no ano passado.

(meu comentário) – Toda a iniciativa que crie acesso às ricas formas de expressões culturais amplia as oportunidades da nossa gente passar a viver num mundo igualitário, justo e digno com direitos, de fato, respeitados.

Jornal de Itupeva -11-01-2010

O texto Herodes não incomoda ninguém de minha autoria foi publicado neste jornal. (‘De olhos arregalados acompanhamos… Hoje, vítima. Amanhã, agressor. Só a educação é capaz de acabar, de vez, com este círculo vicioso que, quando flagrado, denuncia o lado pérfido de uma sociedade refém do medo, da indiferença e do descaso.’)

Jornal Itu – 7-01-2010

Programa Educacional de Trânsito forma alunos – A Prefeitura de Itu, através das secretarias municipais de Defesa do Cidadão e de Educação, promoveu no dia 15 de dezembro, a solenidade de formatura da primeira turma do Petrans (Programa Educacional de Trânsito), que reuniu alunos de sete escolas da rede municipal de ensino, totalizando 734 crianças.  O Petrans foi lançado pelo Governo Municipal em agosto deste ano, sendo implantado no mesmo mês na rede municipal de ensino. Através do programa, Itu tornou-se a primeira e única cidade do Brasil a ter a matéria Educação no Trânsito com aulas semanais na grade da rede de ensino. O Petrans é um programa educativo e preventivo, com a principal finalidade de instruir as crianças para os problemas e perigos do trânsito da cidade. O evento, que aconteceu no Ginásio Municipal “Prudente de Moraes”, foi prestigiado pelo prefeito Herculano Passos Júnior e pela secretária estadual da Assistência e Desenvolvimento Social, Rita Passos.

(meu comentário) – Nada mais verdadeiro do que o velho conceito que a educação é a mais poderosa arma contra a violência quando aplicada por toda a comunidade.

Jornal de Campinas – 7-01-2010

Piso do professor no País vai para R$ 1 mil em 2010

O reajuste foi anunciado na quarta-feira (30/12); índice aplicado foi de 7,86%; salário anterior era R$ 950. O piso salarial dos professores da rede pública do País aumentará de R$ 950 para R$ 1.024,67 em 2010. O reajuste, anunciado quarta-feira (30/12) pelo Ministério da Educação (MEC), será de 7,86%. O valor é R$ 255,05 a mais do que o salário médio do brasileiro no mês de outubro. (…). “Esse valor ainda está aquém do que consideramos efetivamente a valorização do magistério”, afirma. “Mas sabemos também que existem municípios que não conseguirão pagar. “O aumento foi anunciado ontem pelo Ministro da Educação, Fernando Haddad, depois de uma consulta à Advocacia Geral da União (AGU) sobre como fazer o cálculo do aumento.

(meu comentário) – Tudo o que for gasto com o profissional da educação, não é custo, é investimento, se pretendermos recuperar a escola pública de qualidade que, infelizmente, ficou na saudade.

Revista – Veja São Paulo-6-01-2010

(meu comentário) -Opinião do Leitor – Cartas sobre a edição 2145 – Cinemas – A reportagem “Á espera de um final feliz” (23 de dezembro) retrata com fidelidade o abandono das salas de cinema do centro. Só a superação da indigência cultural e educacional poderá alterar o comportamento dos governantes que prometem mudanças mas acabam por se render ao profundo sono de descaso.

Jornal Diário do Grande ABC -6-01-2010

Ladrões ‘limpam’ escola em Santo André – Ladrões invadiram e levaram todos os equipamentos de informática e os eletrodomésticos da Emeif Professor Antonio Virgílio Zaniboni, no Jardim do Estádio, em Santo André, no domingo. A unidade de ensino é uma das quatro que foram arrombadas no fim de semana prolongado no Grande ABC. Outras duas também ficam em Santo André e uma em São Caetano. Na escola do Jardim Estádio estudam cerca de 800 alunos nos ensinos Infantil, Fundamental e no Programa EJA (Educação para Jovens e Adultos) que estão em período de férias. O crime foi descoberto apenas na manhã de segunda-feira quando ocorreu o retorno dos trabalhadores do fim de semana prolongado. “Está complicado trabalhar aqui, não tem segurança e a escola fica sem proteção nos fins de semana”, disse um funcionário que não quis se identificar.

(meu comentário) – A escola pública não pode ser mera caixa de ressonância de uma sociedade marcada pela violência. Deve ser paradigma de mudança social, primeiro e indispensável passo em direção a um futuro promissor.

Jornal Diário do Grande ABC -5-01-2010

Governo Federal anuncia reajuste de 7,86% a professores

O Ministério da Educação definiu nesta quarta-feira o reajuste para o piso salarial dos professores: 7,86%. Com o índice, professores da rede pública de ensino devem receber no próximo ano, por uma jornada de trabalho de 40 horas semanais, pelo menos R$ 1.024,67 – R$ 255,05 a mais do que o salário médio do brasileiro em outubro. O valor foi anunciado hoje pelo ministro da Educação, Fernando Haddad, depois de uma consulta à AGU (Advocacia Geral da União) sobre como fazer o cálculo do aumento. (…)

(meu comentário) – Tudo o que for investido no salário do profissional da educação, não é custo, é investimento, se pretendemos ter uma escola de qualidade.

Jornal Agora-31-12-09-pág.A/12

Editoria Desabafo – Boas Festas – O Agora agradece e retribui os votos de Feliz Natal e de Feliz Ano Novo de: Centro do Professorado Paulista.

Jornal Folha de São Paulo – Cidade Bauru- 29-12-2009

Texto do Prof. Rodolpho Peria Lima – professor aposentado e sócio do Centro do Professorado Paulista (CPP) – Continuísmo – “Oportuno e objetivo o comentário do editorial intitulado ‘Continuísmo paulista’ (22/12), referente à pesquisa sobre sucessão ao governo estadual, tendo o ex-governador Geraldo Alckmin 36 pontos de vantagem sobre seus concorrentes imediatos. Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra, 15 anos de governo do PSDB. Sem dúvida, não é saudável tanto tempo no poder. Se se estender em continuísmo além de 2010, inconcebível. Esse governo de uma década e meia do PSDB em São paulo em nada melhorou o ensino público da educação básica (ensino fundamental e médio). Os três adotaram programas personalistas, sem continuidade, cada um ignorando o programa do seu antecessor. Justamente na educação o programa deve ter continuidade em sua execução. Do mesmo modo, a democracia tem por princípio a alternância no poder”.

Jornal Bom Dia – Cidade de Bauru-29-12-2009

Texto do Prof. Rodolfho Pereira Lima, professor aposentado – sócio do Centro do Professorado Paulista – CPP. Educação tucana – O período de quinze anos de administração do PSDB em São Paulo é muito negativo. Admitir que esse predomínio se estenda altém de 2010 é inconcebível. Contrasta com o princípio da democracia de alternância no poder. Passamos pelos governos de Mário Covas, Geraldo Alckmin e encaramos o atual, de José Serra. Este último, aliás, já está no terceiro secretário da Educação. E durante todo esse tempo nenhuma melhoria ocorreu no ensino público da educação básica. Sem continuísmo no governo estadual paulista nas eleições de 2010. Lembrando que votar não é apenas exercer o direito de voto e voltar para a casa. É atitude consciente da cidadania com escolha responsável dos representantes públicos, honestos e possuidores de espírito público.

Jornal O Estado de São Paulo -29-12-09-pág.A/3

Boas-festas – O Estado agradece e retribui os votos de boas-festas e próspero ano-novo de José Maria Cancelliero – presidente do Centro do Professorado Paulista.

Jornal Itu – 28-12-09

www.itu.com.br

Geral – 21 de dezembro – Dia do Atleta

Do grego “athletés”, que significa “lutador”, a palavra atleta é o termo utilizado na lingua portuguesa para denominar quem pratica esportes ou tem capacidade física acima da média. A denominação surgiu na Grécia e na Roma antigas, onde era utilizada especialmente para os praticantes do atletismo. Por esta definição, qualquer um que pratica atividade física regularmente é um atleta. Vale para o Usain Bolt, o Roger Federer, o Felipe Massa, a Daiane dos Santos, o cara que joga pelada com os amigos toda semana e até mesmo para o executivo que troca o elevador pelas escadas do prédio. Aqui no Brasil, comemora-se o Dia do Atleta em 21 de dezembro. A data foi instituída em 1961, pelo então presidente Jânio Quadros. Entre as justificativas para o decreto, ele afirmava aos atletas “são devidas as homenagens de todos”. Vida regrada, disciplina, treinamentos duros. Não é fácil a vida de um atleta de alto nível. Ainda mais quando, além de dar conta deste puxado dia a dia, ele precisa correr um pouco mais, desta vez em busca de patrocínios. Ou lutar contra fatores políticos que podem prejudicar a sua carreira, como no caso de Edmar. Ele reclama das regras colocarem numa mesma categoria atletas com paralisia do membro superior, como é o seu caso, com outros que têm “apenas uma lesão no dedo. Parece até piadinha, mas não é. Existe muito favorecimento”, denuncia. Mas, de superação em superação, passo após passo, Edmar vai – literalmente – trilhando seu caminho. Ou se pode duvidar de quem sai de casa mancando, vítima de uma lesão no Tendão de Aquiles, e volta com o orgulho de ter completado a Maratona de Nova York? É por essas e outras que não se enxergam os limites deste atleta, que já planeja a realização do próximo sonho: correr as Olimpíadas de 2012, em Londres.

(meu comentário) – Os atletas brasileiros precisam superar muitos obstáculos para chegarem aos pódios. Homens e mulheres com muito potencial contando com a mais brasileira de todas as armas: coragem e garra afiada. Um seleto grupo é apoiado pela família. Raros, por empresas. Não vemos ninguém valorizar o ensino, os professores, e muito menos o esporte. O único jeito do Brasil mostrar o quanto vale, inclusive no esporte, é investir na educação. Aos nossos atletas, resta nos torcer e sempre desejar uma boa sorte!

Jornal – Globo Rádio CBN-28-12-09

Gilberto Dimenstein

Bicicloteca: o que uma pessoa pode fazer por outras

(meu comentário) – A exemplar iniciativa deste brasileiro dignifica o País de forma bem mais eficiente do que muitos que se apoderam do poder público e na mais fazem do que frusrar e envergonhar o nosso povo. Desperta nossa esperança em vermos a leitura no cotidiano da nossa gente – processo que só pode ter sucesso por meio do investimento na educação pública.

Jornal Cosmo – Campinas -28-12-09

www.cosmo.com.br

MEC fecha quatro cursos de Direito após supervisão

O processo da área de Direito começou no final de 2007, quando o MEC decidiu cruzar as notas do Enade. O Ministério da Educação (MEC) determinou o fechamento de quatro cursos de Direito que não cumpriram medidas de melhoria da qualidade após uma supervisão realizada por mais de um ano. Outros cinco cursos terão processos de encerramento abertos, mas a sanção pode ser transformada em redução de vagas se cumprirem o restante das determinações. No total, serão fechadas imediatamente 1.803 vagas em vestibulares nas faculdades Universidade Paulista (Unip), Câmpus Manaus, Universidade Castelo Branco (RJ), Universidade Metropolitana de Santos e Faculdade Brasileira de Ciências Jurídicas (RJ). Outras 8.785 vagas estão nos cursos que podem vir a sofrer sanções – Unip, em São paulo, Universidade 9 de Julho (Uninove, SP), Centro Universitário Nilton Lins (AM), Faculdades Integradas Três Lagoas (MG) e Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Diamantino (MT). Mais de 25 mil estudantes podem estar frequentando cursos que serão fechados em um futuro próximo. O Estado não conseguiu contatar as instituições. (…).

(meu comentário) – Resta-nos esperar que os gestores educacionais reflitam e pensem em seus próprios desempenhos e na crescente degradação imposta à educação brasileira.

 

Revista Época -28-12-09

O Filtro – Confira as principais notícias do dia 28 de dezembro

Irã confirma oito mortes – O Conselho Superior de Segurança Nacional do Irã confirmou hoje que oito pessoas morreram durante a festa sagrada da Ashura, realizada neste domingo em meio a confrontos entre agentes de segurança e grupos de opositores. Em comunicado divulgado pelo site reformista Jahannwes, o clérigo opositor iraniano Mehdi Karroubi, ex-candidato à Presidência, questionou “o que aconteceu com um sistema religioso para matar pessoas durante o dia santo da Ashura”. O opositor afirmou ainda que após as eleições de 12 de junho, um grupo, desobedecendo a Constituição iraniana e as ideias do falecido aiatolá Khomeini, fundador da República Islâmica, organizaram o conflito. Segundo reportagem publicada pela Folha, a controversa eleição deu origem à atual crise política. A oposição, que não aceita a reeleição de Mahmoud Ahmadinejad, por considerá-la fraudulenta, convocou as manifestações, que coincidiram com as procissões previstas pela Ashura, que lembra batalha de Kerbala (atual Iraque) contra as tropas do califa Yazid no ano 680 – a morte de Hussein – neto de Maomé, durante a batalha de Kerbala (atual Iraque) contra as tropas do califa Yazid no ano 680.

(meu comentário) – A violência e o luto se espalham pelas ruas iranianas chorando pelas vidas dos que lutaram para mudar a história. Testemunhamos que o vigor do Irã, País que conhece tão de perto a mão pesada de um governo opressor e autoritário, é que o faz levantar para derrotar um resistente gigante. Vemos a bravura de uma juventude inconformada que tem 70% do seu povo com menos que 30 anos, que o faz ousado para gritar e ser ouvido. O Irã tem mudado socialmente a olhos vistos. E, mesmo todo o esforço para preservar suas severas tradições às sete chaves, pode alcançar um progresso educacional de causar inveja a muitos países democráticos. Apenas 4% de suas jovens, entre 15 e 24 anos, são analfabetas. Mais do que os homens, suas mulheres são ávidas por cultura. Fazem parte dos 55% dos estudantes das universidades. Cientes que a educação transforma, se empenham em combater o autoritarismo político religioso contando com a informação, poderosa estratégica que suas mãos já puderam conter.

Blog Rosely Sayão- Folha de S.Paulo- 22-12-09

Filho ou aluno

Caro leitor, essa é a nossa última convesa do ano. Por isso, gostaria de propor uma reflexão importante. Temos dado importância exagerada à vida escolar das crianças. Os pais sofrem muita pressão para acompanhar “pari passu” o aprendizado dos filhos: as tarefas de casa, as notas que vêm no boletim e as reuniões com o pessoal da escola para avaliar o desenvolvimento dos filhos e o que eles chamam de dificuldades de aprendizagem. Temos, inclusive, campanhas com depoimentos de artistas famosos para incentivar os pais a ocuparem esses papéis estreitamente ligados aos estudos dos filhos. Quando as avaliações do filho não são as esperadas, os pais se sentem na obrigação de procurar, por iniciativa própria ou apor recomendação da escola, professores particulares, psicopedagogos ou especialistas diversos para checar algum eventual problema que atrapalhe o aprendizado ou explique o baixo aproveitamento. (…). Tudo isso já é trabalho árduo e exige dos pais um relacionamento com os filhos baseado na autoridade e na afetividade e, para tanto, é preciso muita disponibilidade. Ao acrescentarmos a responsabilidade com a vida escolar das crianças, oneramos em demasia a função deles. E isso gera deficits nas suas responsabilidades originais e mais importantes. Por isso, um de meus votos para o próximo ano é o de que as crianças ocupem, no interior da família, o lugar de filhos, e não de estudantes. Os professores, certamente, dão conta do papel do aluno. Boas festas a todos e muito obrigada pela companhia em mais este ano.

(meu comentário) – Que no próximo ano as famílias e os professores caminhem juntos na formação de dignos cidadãos. Oxalá possamos ver a educação pública chegar à qualificação que o povo brasileiro precisa e merece ter. Parabéns, Rosely, pelo êxito do seu trabalho. Bom Natal e sucesso em 2010.

Jornal Assis -21-12-09

Educação – OBF 2009 premia melhores alunos das escolas públicas

Em uma tarde muito emocionante, os melhores alunos de escolas públicas de todo Estado de São Paulo que participaram da Olimpíada Brasileira de Física (OBF) 2009 receberam as premiações. Foram medalhas de menção honrosa, bronze, prata e ouro, para aluno da nona serie do ensino fundamental e das três séries do ensino médio. Além dos alunos os professores também receberam medalhas e as escolas receberam uma placa. A festividade aconteceu no auditório Sergio Mascarenhas no interior do Instituto de Física de São Carlos na Universidade de São Paulo (Ifsc-Usp). A mesa foi composta pelo Coordenador da OBF São Paulo. Euclydes Marega Jr., o diretor do Ifsc, Glaucius Oliva, a professora Yvonne Mascarenhas e o Claudio Bretas. A cerimônia teve início com os membros das mesas fazendo suas considerações, dando os parabéns aos alunos e agradecimentos a todos. Logo em seguida, foram chamados ao palco todos os alunos ganhadores dos prêmios, divididos por medalhas. Professores e representantes das escolas também foram chamados ao palco para receberem seus prêmios. Finalizando o evento houve um coquetel para todos os presentes. “Há dez anos, uma menção honrosa na Olimpíada Internacional de Física era motivo de festa e são esses alunos que no futuro irão trazer medalhas de ouro para nosso País, basta eles acreditarem” declarou o coordenador da OBF São Paulo. Euclydes Marega Jr proporcionar desafios aos estudantes, aproximar a universidade do ensino médio e identificar os estudantes talentosos.

(meu comentário) – A merecida vitória resulta do empenho dos docentes, da coragem, persistência e dedicação contínua dos alunos aliado ao apoio incondicional dos pais. Renasce nossa esperança em vermos o Brasil com uma educação pública excelente, inclusiva e democrática. A única forma do nosso País constituir uma sociedade consciente, digna e responsável. Parabéns pelo sucesso! Que possamos ver mltiplicados exemplos como este.

Revista da Folha – 20-12-09-pág.4

(Curtas cartas )

(meu comentário) – Temer ou acreditar? (urbe) – O país mergulha num caos moral. Não basta que fiquemos a julgar as reações de uma juventude que se revela como imagem de uma sociedade movida pelo medo. A saída continua sendo o investimento na educação. A única capaz de disponibilizar o ingresso à cidadania.

Jornal Diário do Grande ABC – 20-12-09

Setecidades -Escola para crianças aos 6 anos causa polêmica entre os pais

Às vésperas de se tornar obrigatório, o Ensino Fundamental de nove anos – que exige o ingresso do aluno na escola aos 6 anos – causa polêmica entre os pais. Muitos acreditam que a mudança de um ciclo para outro é brusca, e a criança não tem maturidade para assimilar conteúdos e responsabilidade. Outros avaliam a oportunidade como positiva. Só 8% das cidades brasileiras – onde se incluem São Bernardo e Rio Grande da Serra – ainda não expandiram o Ensino Fundamental para nove anos, segundo Censo da Educação Escolar. Estes devem garantir a matrícula das crianças nesta faixa etária (6 anos completos até 31 de março) no próximo ano letivo, como determina a Lei 11.274, de 2006.  A professora Natalia Reys Rodolfo, 35, de Diadema, aprova a nova modalidade. O filho Henrique, 7, vai para o segundo ano. “Toda mudança no início assusta, mas tudo depende da concepção pedagógica. Em Diadema, o ritmo da criança é respeitado, pois há um olhar individual. “A opinião da publicitária é compartilhada pelo professor de Educação da USP (Universidade de São Paulo) Vitor Henrique Paro. Ele é favorável que as crianças entrem na escola mais cedo, desde que haja projeto pedagógico adequado. “Os professores e a própria escola acham que a instituição não é lugar para brincadeira. Isso é uma barbaridade. O desenvolvimento da criança precisa ser respeitado. Aplicar provas nesta faixa etária, por exemplo, é um atraso. Não é necessária uma prova para identificar se o aluno está aprendendo ou não.”

(meu comentário) – Trará de fato, melhoras efetivas ao ensino nacional, ou em se tratando de ano de eleição, não passará de mais uma pirotecnia de palanque?

Jornal Diário do Grande ABC – 18-12-09

CULTURA & LAZER -Sinfônica começa 2010 com pé direito

Em fase de conquistas, a Ossa (Orquestra Sinfônica de Santo André) ganhou presentes de Natal antecipados, que devem brindar o público apreciador de música erudita com a melhoria da qualidade dos concertos em 2010. Após cerca de oito anos recolhendo doações, a Associação dos Músicos e Equipe Técnica da Orquestra conseguiu comprar quatro tímpanos novos de prestigiada marca. Orçada em R$ 62 mil, a compra contou com a ajuda da Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira. “O mais importante para nós é a qualidade e só se mantém isso com instrumentos de ponta. Os tímpanos que usávamos tinham, no mínimo, 20 anos”, explica o regente Carlos Moreno. Utilizado com frequência em sinfonias de compositores como Beethoven e Bruckner, o tímpano é um instrumento de percussão que permite ao músico executar escala pisando em um pedal. Temporada 2010 – Moreno ressalta que, pela primeira vez desde a fundação, em 1988, a Ossa divulgará a temporada de concertos do ano seguinte. O grupo de instrumentistas subirá ao palco do Teatro Municipal de Santo André em pelo menos um fim de semana de cada mês. Anchieta (grandes obras do repertório sinfônico); Bandeirantes (integração musical); Piratininga (música brasileira); e Tamoios (temas populares do Brasil e Exterior). “Divulgando dessa forma, estaremos respeitando nosso público. O maestro Flavio Florence (morto em 2008, vítima de câncer) lutou muito para que houvesse uma programação, mas não teve apoio. Só estamos conseguindo porque tivemos respaldo político”, afirma Moreno.

(meu comentário) – Valorosa oportunidade para elevar a autoestima de um povo merecedor, sedento por mais educação, respeito e cultura. Parabéns!

 

Rádio CBN – 18-12-09

Mobilização pelo twitter arrecada 78 mil livros para o Natal em comunidades pobres

(meu comentário) – Um passo para que o povo chegue à luz da cultura de forma democrática. A imensa distância entre a maioria da nossa gente e a cultura, precisa ser encurtada com extrema urgência. Que num futuro próximo o brasileiro consiga incorporar o hábito da leitura como um entretenimento.

Jornal Amparo – 18-12-09

Justiça dá benefício especial para a Educação

Os professores que atuam, ou já atuaram, como diretor de escola, coordenador ou assessor pedagógico podem contar esse tempo para garantir a aposentadoria especial, da mesma forma que aqueles que só trabalharam dentro da sala de aula.

A decisão é do STF (Supremo Tribunal Federal), que publicou ontem, no “Diário Oficial da União”, a Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) sobre o tema. Segundo o STF, o processo terminou – ou seja, não há possibilidade de recurso e a decisão deve ser seguida em todo o país.

O CPP afirma que o governo paulista não vinha aceitando o benefício especial aos docentes que estavam fora da sala de aula. “Agora, terão de conceder, o Estado não pode contrariar a legislação e o STF”, diz José Maria Cancelliero, presidente da entidade.

Jornal Agora -18-12-09- pág.A/11

Vinícius Segalla

Professores – O CPP, Centro do Professorado Paulista, fará um protesto em Brasília contra o sistema de progressão da carreira docente criado neste ano. Na ocasião, a entidade irá entrar com uma ação judicial contra a lei no Supremo Tribunal Federal.

Revista Época – 17-12-09

O Filtro – confira as principais notícias

Cultura  – 5. Câmara aprova criação do vale-cultura

A Câmara dos Deputados aprovou ontem benefício no valor de R$ 50 semelhante ao vale-refeição, mas para ser gasto com livros, ingressos de shows, cinema ou teatro. O projeto do Ministério da Cultura, apelidado de vale-cultura, beneficiará trabalhadores com carteira assinada que ganham até cinco salários mínimos. De acordo com reportagem do Estado, a estimativa é que a iniciativa injetará R$ 7,2 bilhões por ano no mercado cultural do país. Pelo projeto, as empresas poderão deduzir até 1% do Imposto de Renda se aderirem ao programa até o exercício de 2014, ano calendário de 2013. O vale-cultura deverá ser concedido por meio de cartão magnético intransferível. O trabalhador contribuirá com 10% do valor do benefício, que não poderá ser contabilizado como remuneração, além de não constituir base de incidência de contribuição previdenciária ou do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), e não se configura como rendimento tributável.

(meu comentário) – A imensa distância entre a maioria do povo brasileiro e a cultura pode estar com os dias contados – ou  não. É necessário darmos a merecida vigilância à boa aplicação dos recursos públicos, pois são imensuráveis os ganhos que a redução dos níveis da  pobreza trazem o País. No entanto, é preciso que o investimento aplicado chegue à educação de forma responsável para que a cultura, colocada ao alcance do povo, seja bem absorvida e compreendida. A iniciativa, se bem executada, é um bom passo para que o povo chegue à luz da cultura de forma democrática. Mas para chegar ao sucesso, precisa caminhar lado a lado com a educação. Neste caso – como em tantos outros – a educação faz toda a diferença.

Jornal Globo -17-12-09

por Alexandre Garcia

Escândalo do mensalão do DF contaminou tudo

O governador Arruda conseguiu empurrar tudo para o ano que vem. Basta dizer: estamos todos no mesmo barco e aí a maioria dos deputados locais varreu o escandâlo para baixo do tapete das férias legislativas. Dezessete dos 24 foram convidados para almoçar com o governador almoçar – pizza como prato principal e panetone na sobremesa – depois, antes de se declararem em férias, aprovaram o orçamento que, prevê mais de meio bilhão para as empresas sob suspeita “porque elas estão em todas as áreas do governo” como acabamos de ouvir do relator. A propósito, o escândalo contaminou tudo: Ministério Público, Tribunal de Contas, Tribunal de Justiça, Executivo, Legislativo, empresários, donos de jornais. A polícia vai tentar a quebra de sigilo bancário e fiscal. A Receita Federal deve estar esfregando as mãos. Mas o esquema é de dinheiro ilegal, que não passa por banco nem paga imposto. Aliás, essa é a evidência maior da corrupção ativa e passiva: por que não usar uma simples e segura transferência de conta corrente para conta corrente, em vez que esconder o dinheiro no bolso, na bolsa, na meia, na cueca. Segundo fontes da Polícia Federal, todas as buscas em residências resultaram na apreensão de dinheiro, muito dinheiro: reais, dólares e euros. O dinheiro da meia, por exemplo, foi parar junto ao motor da banheira de hidromassagem. Certamente à espera da oportunidade de ser lavado.

(meu comentário) – Pois é, caro Alexandre, pior do que a chula expressão do nosso presidente é o odor da miséria física e moral imposta pelo poder público ao povo brasileiro. Com tantos escândalos, corrupção e impunidade, a sábia afirmativa de Eça de Queiroz descreve com exatidão o momento em que vivemos: “Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão.” A esperança se mantém no investimento na educação – especialmente na pública – e em seus profissionais. É é a nossa única saída.

Rádio CBN – 15-12-09

Voz do Cidadão com Jorge Maranhão

The Economist: Brasil deixa de ser promessa

(meu comentário) – O Brasil não decola mais? Os ingleses descobriram, afinal, que nossas escolas são invadidas pela falta de uma política educacional estruturada, por brasileiros atordoados, sem cidadania e respeito – pela droga que é administrada por ladrões e traficantes? Que a saúde pública foi para a UTI? E a corrupção, e a impunidade? Sabem que transitamos em meio a tiroteios e de cadáveres abandonados? Do lixo descontrolado, já que metade do povo não tem acesso à rede de esgoto? A celebridade presidencial já sabe disso?

Jornal Diário do Grande ABC-15-12-09

Nacional – Meninos de 9 anos são pegos ao arrombar carro no Rio

Acompanhados de um adulto, que segue foragido, dois meninos de 9 anos foram apreendidos na noite de segunda-feira segundos após arrombarem um carro no Jardim Botânico, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Um segurança de rua e pessoas que passavam pela região acionaram policiais militares do 23o  Batalhão. No momento em que os dois garotos foram surpreendidos pela polícia, o desconhecido que os acompanhava já havia fugido com o aparelho de som do carro. Os menores foram encaminhados à DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente), na região central da capital fluminense.

(meu comentário) – Pitágoras disse: “eduque as crianças para que não seja preciso punir o adulto”. Só o investimento em educação e em seus profissionais, arrancara o Brasil deste caos moral. De onde tirar valores menos rasteiros, como apontar atitudes lícitas e exemplos de dignidade aos nossos brasileirinhos? A saída está na educação.

Revista Época – 14-12-09

Colunista – Ruth de Aquino

Não é só o povo que está na m…

Lula usou uma imagem crua. Mas não é só o pobre que vive no esgoto – não podemos esquecer Brasília

O presidente Lula é hoje um mestre do marketing e da oportunidade. Não foi sempre assim. O país – que lhe garante mais de 80% de popularidade – sentira saudades de suas tiradas surpreendentes. Já imaginaram as manchetes com Dilma ou Serra? Nesta semana, Lula “se revoltou” contra a corrupção. Só agora, no fim de dois mandatos, deseja transformar a corrupção em “crime hediondo”. No Nordeste, em comício, prometeu saneamento básico para “tirar o povo da ‘merda'”. Em discurso em Brasília, desejou um Natal fornido de panetones. Todo mundo riu. Eu também. O palavrão não me chocou. Quem já esteve em favelas urbanas e nos rincões remotos do país sabe que é essa a realidade de quem vive sem esgoto e dorme com os filhos ao lado de valões abertos. Um presidente poderia usar outra palavra, em respeito à liturgia do cargo, mas Lula se lixa para isso. Sem defender o uso público de palavras chulas, diria que a declaração do presidente não falseia a vida real. È uma imagem crua, sem manipulação digital ou reticências, à maneira mínimo de dignidade e saúde no século XXI desabrida de Lula. Mas Brasília não pode ser esquecida. Seria uma injustiça. O Congresso e os partidos políticos, incluindo o PT, também precisam de saneamento básico. O ano de 2009 está fechando com chave de cadeia. Os vídeos de José Roberto Arruda e sua corte exalam um odor semelhante ao dos lugares desassistidos pelo poder público. Os escândalos são insidiosos e malcheirosos: se não há mão forte contra a corrupção, se existe condescendência com mensaleiros… se assim é hoje, assim será no ano que vem e nos outros anos, não importa quem passe a ocupar o Palácio do Planalto (…)

(meu comentário) – Pois é, presidente – o Brasil está onde está porque falta quem leve a educação a sério e saiba valorizar a dignidade de seus profissionais. O País precisa e merece um ensino qualificado à altura do valor do seu povo.

R7 – TV Record – 14-12-09

Blog Christina Lemos – é jornalista em Brasília. Especializada em política, testemunhou os principais acontecimentos da vida pública dos últimos vinte anos na esfera federal. É repórter especial do Jornal da Record e comanda o programa de entrevistas diário Brasília ao Vivo, na RecordNews.

Oposição diz que palavrão de Lula em discurso é “baixaria” e “grosseria”. O delegado de Polícia Federal, Alfredo Junqueira, responsável pelas apurações da Operação Caixa de Pandora deve encaminhar esta semana ao Superior Tribunal da Justiça a análise do material apreendido, inclusive o dinheiro. O delegado poderá pedir, além das quebras de sigilos bancário e fiscal, a autorização para tomar o depoimento dos suspeitos. É praticamente certo que o governador Arruda seja convocado para depor, mas apenas na fase final das apurações. Em São Paulo, Durval Barbosa prestou depoimento neste domingo. Se ele tem novas cartas na manga ou acusações diretas ao governador, o depoimento pode ter sido bom momento para Durval revelar seus segredos, o que significa dizer que em breve eles serão conhecidos. O governador começa hoje um esforço para voltar a governar. Um bom conselheiro recomendaria pressa. Cada nó desta corda começa a apertar.

(meu comentário) – Pois é, presidente – o Brasil está onde está porque falta quem leve a educação a sério e saiba valorizar a dignidade de seus profissionais. O País precisa e merece um ensino qualificado à altura do valor do seu povo.

Revista IstoÉ – 14-12-09

Enem: dá para levar a sério?

Gabarito oficial errado, prova massacrante, questões que de antemão se sabia que nada mais poderia dar errado. Quem participou do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), nos dias 5 e 6, já havia passado pelo aborrecimento de ver a prova adiada, por causa do vazamento do conteúdo em outubro, dois dias antes da avaliação. Com isso, universidades de peso desistiram de considerar a pontuação do Enem em seus processos seletivos. A situação contribuiu para o número recorde de abstenção, de 39,5%, no fim de semana. Os prejuízos foram emocionais, para os estudantes, e financeiros, para o País custou aos cofres públicos R$ 45 milhões. O Ministério Público Federal acusou formalmente, na segunda-feira 7, cinco pessoas envolvidas no vazamento por peculato (furto praticado por servidor público), corrupção passiva e violação de sigilo. Agora, mais críticas atingem o exame seriam anuladas. Chovem críticas ao exame. Alguns críticos apontaram também que uma prova igual para todo o País não é a ideal. Qualquer aluno deve ter habilidades como ler, escrever e conhecer atualidades. No entanto, o ensino não é o mesmo em qualquer canto do território nacional. “Uma escola em São Paulo não trabalha em moldes semelhantes aos de Rondônia”, diz o professor Nascimento. Disciplinas como história, geografia e literatura deveriam levar em consideração o regionalismo. “É um respeito à diversidade”, diz a educadora Neide. O que resolve de verdade é um planejamento da educação, com investimento em infraestrutura e professores bem remunerados, prontos a estimular os jovens. Não basta modificar uma prova. É preciso adaptar o ensino, sem atropelos. Se a ineficiência ainda impera, não há bom aluno que consiga se recuperar.

(meu comentário) – A falta de investimento na educação deixa a maioria dos jovens excluída dos mais elementares conceitos de cidadania e cultura. Um registro sisudo da ausência de uma política educacional estruturada. Jeito hipócrita – de efeito deletério – de mensurar a rede pública e a particular de ensino.

Jornal Cruzeiro do Sul – Sorocaba – 14-12-09

Do Leitor  – Enem

Infelizmente o nosso querido ministro Gilmar Mendes foi infeliz em cancelar a decisão tomada anteriormente. Isso mostra, que um país representado pelo Supremo Tribunal Federal, conseguiu fechar a porta dos sonhos de muitos alunos cristãos que guardar o sábado (Shabat). Conseguiu tirar a oportunidade de alunos que se prepararam meses para o tão esperado Enem. Conseguiu reduzir as chances desse grupo seleto em entrar nas boas universidades. Conseguiu, finalmente, bloquear os sonhos de futuros  doutores, mestres de nossa linda nação. Portanto, a decisão está contraditória com a essência da criação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Essa decisão mostra com clareza que tudo é ilusão: liberdade e direitos iguais. Ana Luiza B. Vieira.

(meu comentário) – A falta de investimento na educação deixa a maioria dos jovens excluída dos mais elementares conceitos de cidadania e cultura. O Enem é o registro sisudo da mais completa ausência de uma política educacional estruturada em nosso País. Um jeito hípócrita – de efeito deletério – de mensurar a rede pública e a particular de ensino. Só um ensino público, com profissionais valorizados, pode garantir os mesmos direitos a todos os estudantes num pais com tamanha desigualdade  social. O triste é que, ainda assim, vemos os nossos gestores insistirem em caminhar em direções opostas às soluções indicadas pelos educadores.

 

Rádio CBN – 14-12-09

Programa Arnaldo Jabor

(meu comentário) – A autoestima do brasileiro agoniza. Geração moldada pelo medo e por valores cada vez mais questionáveis. Onde arrancar referências morais menos rasteiras num país onde as palavras de ordem são poder e ter? A violência invadiu a escola descontituido a autoridade do professor. O incentivo? A impunidade imperando soberana em tudo, sobre todos – desde cedo. A saída deste apagão moral continua sendo a educação.

Revista Época-11-12-09

Confira as principais notícias do dia 11 de dezembro

3. Lula fala palavrão em discurso – Para dizer que nenhum governo investiu tanto em saneamento básico quanto o dele, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a usar um palavrão. “Eu não quero saber se o João Castelo é do PSDB ou se o outro é do PFL. Eu quero saber se o povo está na merda e eu quero tirar o povo da merda em que ele se encontra. Esse é o dado concreto”, disse. De acordo com Época, a declaração foi dada na tarde de ontem durante cerimônia de assinatura dos contratos do programa Minha Casa Minha Vida, no Maranhão. Ao final, Lula disse ainda que quem vai ganhar a eleição é quem se comprometer com a população mais pobre.

(meu comentário) – Pois é, presidente – o Brasil está onde está porque falta quem leve a educação a sério e saiba valorizar a dignidade de seus profissionais. Falta mais educação.

Jornal CBN- 11-12-09

Cony & Xexéu – Obama, Fidel e o Nobel da Paz

(meu comentário)  –Em seu discurso de posse o presidente americano disse que investirá, e muito, na educação e em seus profissionais. Quem tem olhos de águia nunca perde o foco – voa alto e enxerga de longe que só a educação pode transformar um povo em uma nação vitoriosa.

Jornal Itu – 11-12-09

Literatura – Itu ganha sede do projeto “Ler é uma viagem uma viagem”

O projeto “Ler é uma viagem” inaugura sua nova sede em Itu, dia 05 de dezembro, no Espaço Fábrica São Luiz.

A inauguração terá duas sessões de leitura para convidados, apresentando às 15 horas, “O Isqueiro”, de Hans Christian Andersen, com distribuição de livretos do projeto. E às 20 horas “Grande Sertão: Veredas”, de João Guimarães Rosa. A partir das 19 horas. Haverá comidinha caipira do ituano Sabugo.

Criado e produzido por Élida Marques e Nando Bolognesi, o projeto de incentivo à leitura, em seis anos, já visitou mais de 500 escolas.

(meu comentário) – Parabéns, pela sede!  O brasileiro precisa enxergar a leitura como entretenimento. Esta capacidade fenomenal de fazer com que cidadãos transformem informação em conhecimento deve ser cada vez mais difundida no Brasil. Só assim teremos um povo lúcido capaz de sustentar uma nação de primeiro mundo, inserido numa sociedade edificada com justiça e igualdade. Bem escreveu Castro Alves: “Bendito aquele que semeia livros e faz o povo pensar.”

Jornal Diário do Grande ABC-10-12-09

Política – Lula fala palavrão durante evento em São Luís

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou nesta quinta-feira um palavrão, durante cerimônia de assinatura de contratos do programa “Minha Casa, Minha Vida”, realizada em São Luís (MA). O presidente soltou a palavra, quando dizia que o Brasil está realizando o maior investimento da história em saneamento básico, não importando a orientação política.

“Eu não quero saber se o João Castelo é do PSDB, eu não quero saber se o outro é do PFL, eu não quero saber se é do PT. Eu quero saber se o povo está na m… e eu quero tirar o povo da m… em que ele se encontra. Esse é o dado concreto”, disse Lula.

Em seguida, ele falou sobre o uso da expressão. “Amanhã os comentaristas dos grandes jornais vão dizer que o Lula falou um palavrão, mas eu tenho consciência de que eles falam mais palavrão do que eu todos os dias e tenho consciência de como é que vive o povo pobre deste País”, completou ele.

(meu comentário) – O Brasil está onde está porque falta quem leve a educação a sério e saiba valorizar a dignidade de seus profissionais. Falta mais educação.

Jornal Agora-10-12-09- pág.A/12

Reportagem Amanda Mont’Alvão Veloso

Tempo de serviço valerá oito pontos na prova

Professores temporários da rede estadual poderão complementar a nota das avaliações; cada dia de trabalho corresponde A 0,004 ponto

A pontuação máxima pelo tempo de trabalho a ser contabilizada na nota da prova para atribuição de aulas para professores temporários e para candidatos à contratação será de oito pontos. Cada dia trabalho na rede corresponderá a 0,004 ponto. A informação é da Secretaria de Estado da Educação.

A avaliação permitirá que os professores participem do processo de atribuição das aulas que serão dadas no ano que vem. Quem ainda não é contratado, mas deseja trabalhar na rede, também deve fazer o exame.

Será preciso acertar metade da prova, que vale 80 pontos. Mas, considerando que o tempo de serviço será somado à nota, a regra permite que os docentes que acertarem 40% (32 pontos) da prova e tiverem cinco anos e meio de dias trabalhados possam chegar à nota de corte.

As provas serão realizada nos dias 13 e 20, às 8h30 e às 14h, conforme a disciplina ministrada pelo professor.

A bibliografia será a mesma utilizada para todos os processos seletivos e avaliações de docentes que serão realizados pela rede estadual de ensino, inclusive no programa “Valorização pelo Mérito”, que vai conceder aumento salarial de 25% a até 20% dos professores a cada ano.
A lista de livros e as competências exigidas para cada cargo podem ser consultadas no site da Vunesp (www.vunesp.com.br).

A atribuição de aulas e classes é um processo anual e tem duas etapas. Após a primeira, que é a prova eliminatória, os candidatos são classificados conforme o tempo de serviço na rede e os títulos, que contabilizam 80 e 20 pontos, respectivamente.

Essa classificação terá validade de um ano.

Os cerca de 80 mil professores temporários estáveis que conseguirem a pontuação necessária para passar na prova ficam dispensados de fazer a avaliação todos os anos.

De acordo com a secretaria, o docente que não participar da prova ficará fora da rede no próximo ano, pois a lista de classificação será usada para a atribuição e para qualquer contratação de professores durante o ano.

aulas – O CPP (Centro do Professorado Paulista) vai ministrar uma aula gratuita hoje, das 13h às 17h, para preparar os professores que irão fazer  as provas. As aulas serão dadas no Instituto Educacional do CPP, na rua Joaquim Távora, 756, próximo ao metrô Ana Rosa (zona sul). Os interessados devem ligar para (0/xx/11) 5539-5348.

Jornal GloboNews – Estudio i – 10-12-09

(meu comentário)Parabéns por não deixarem passar em branco a Declaração Universal dos Direitos do Homem.Mas, como podemos ver, os flagrantes das mais cruéis formas de violência, exclusão e de opressão – ainda correm soltas por aí. Até hoje a democracia brasileira não garantiu à maior parte da população, a totalidade destes direitos, o que resulta nas conhecidas práticas de violência, de discriminação étnico-racial, da homofobia, da corrupção, da criminalidade, da tortura e dos maus-tratos. Persiste o sistema seletivo. Nosso povo ainda carrega o jugo do preconceito – ainda que velado – contra as minorias. Congratulo-os pelo profissionalismo em favor do direito à dignidade e à cidadania. Abraço a todos.

Jornal Campinas – 10-12-09

Preso bando que estrupou mais de 102 mexicanos

Quadrilha sequestrou, escravizou e estuprou mais de 102 na Cidade do México agia como centro de recuperação.

Uma quadrilha que sequestrou e escravizou pelo menos 102 pessoas foi desarticulada na Cidade do México, e algumas das vítimas, que têm entre 14 e 70 anos, relataram nesta sexta que foram submetidas a trabalhos forçados e explorados sexualmente, sob a fachada de um centro de recuperação de toxicômanos. Segundo as autoridades, a quadrilha usava o centro de desintoxicação ‘ Os eleitos de Deus’, localizado em um bairro popular da capital mexicana, para escravizar as pessoas, com jornadas de trabalho de até 16 horas sem receber qualquer pagamento. (…) De acordo com o procurador, mais duas pessoas foram presas nas últimas horas, suspeitas de pertencerem à quadrilha. Com elas, já são 25 os suspeitos detidos neste caso desde quinta-feira passada, quando começou a operação de resgate das vítimas. O suposto líder do bando também foi preso pela polícia.

(meu comentário) – Este cruel exemplo de violência nos faz lembrar que foi em 10/12/1948 – quando a ONU proclamou os Direitos Humanos. Como se vê, os flagrantes das mais cruéis formas de violência, exclusão e de opressão – ainda estão por aí. Persiste um sistema seletivo e classista o que resulta nas frequentes e conhecidas práticas de violência e descriminação. Para garantir o seu direito à liberdade, os investimentos na educação são insubstituíveis.

Folha Online-10-12-09

Lula diz que quer mais saneamento básico para “tirar povo da merda” – reportagem de Maurício Savaresse – do Uol Notícias – Em São Paulo – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva usou um palavrão nesta quinta-feira (10) para descrever a situação dos mais pobres do Norte e Nordeste que não têm acesso a saneamento básico devido a “muito tempo de Brasil mais gerenciado, privilegiando as regiões mais ricas”. Depois, admitiu que seria criticado por isso, mas considerou mais importante fazer a mensagem chegar aos mais necessitados.

Lula diz que comentaristas dos grandes jornais falam mais palavrões que ele – “Eu não quero saber se o (prefeito de São Luís) João Castelo é do PSDB, se o outro é do PFL ou se é do PT. Eu quero saber se o povo está na merda e eu quero tirar o povo da merda que ele se encontra”, disse Lula durante discurso em São Luís, no Maranhão, onde assinou contratos do programa habitacional “Minha Casa, Minha Vida”. Em seguida, sob aplausos, o presidente previu que seria criticado e se antecipou: “Amanhã os comentaristas dos grandes jornais vão dizer que o Lula falou um palavrão. Mas eu tenho consciência de que eles falam mais palavrão do que eu todo dia e tenho consciência de como vive o povo pobre deste país”, completou. Em rara visita ao Estado, que graças a uma decisão judicial é hoje governado por sua aliada Roseana Sarney (PMDB), Lula ensaiou o discurso utilizado pelo PT em suas inserções no rádio e na TV nas últimas semanas, ao dizer que o país “encontrou seu caminho e o melhor jeito de governadr”. Na peça publicitária, a presidenciável e ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousself, usa a mesma metáfora. Ao falar as descobertas de petróleo na camada do pré-sal, o presidente disse que o Brasil não entrará na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). “Queremos exportar derivados de petróleo. Vamos exportar gasolina premium. Olha como é chique”, comentou.

(meu comentário) – Pois é, presidente – o Brasil está onde está porque falta quem leve a educação a sério e saiba valorizar a dignidade de seus profissionais. É isso. Falta educação.

Blog da Folha – Frederico Vasconcelos -9-12-09

“A Justiça deve ser severa”, diz Gilmar Mendes

Ministro, promotores e poeta falam sobre impunidade

Ao comentar casos como o do mensalão do DEM, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Gilmar Mendes, atribiui a proliferação de casos de corrupção no país à impunidade, informa a Folha. “Nós estamos em um processo democrático que recomeçou há 21 anos, com a Constituição de 1988. Mas sem duvida, temos que discutir e apertar os critérios contra a impunidade. A Justiça deve ser severa”, disse Mendes. (…). “No país cujo Supremo Tribunal Federal diz que crimes de até 10 mil reais são ‘insignificantes’, que concede liberdade sem fiança para traficantes de drogas, que protege sonegadores de todas as formas e acha natural que pessoas condenadas criminalmente, mesmo com sentença confirmada em segundo e até terceiro grau, possam ser eleitas para o parlamento, não há como contrargumentar”. (Janice Ascari, Procuradora Regional da República).

(meu comentário) – A Justiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada. O pensamento é de um dos mais brilhantes intelectuais do Brasil, o genial baiano que atuou como senador, ministro da Fazenda, e interinamente, da Justiça. A quem, também, deve ser creditado todo o mérito pela organização de toda a estrutura jurídica da República. Rui Barbosa não está mais entre nós. Assim não sente o desânimo que, por vezes, nos invade. Vejamos o caso dos precatórios – exemplo de absurdo, de vergonha nacional para qualquer nação – por menos exigente que possa ser. Funcionários públicos que há anos aguarda o pagamento de valores tirados de suas mesas. O tempo passa assistindo o processo transformando-se em um imenso calote oficial, ainda contamos e muito com a hombridade e a seriedade de muitos brasileiros que lutam num esforço em conjunto pelo respeito à cidadania por meio do Judiciário.

 

Jornal Diário do Grande ABC-9-12-09

Setecidades – Diadema não tem expediente municipal no dia do aniversário

Hoje, no dia do 50 aniversário da cidade, a Prefeitura de Diadema não prestará atendimento à população e retomará os serviços ao público somente amanhã. O expediente na administração foi encerrado na sexta-feira. Porém, serviços básicos de Saúde, limpeza e funerária, por exemplo, não pararam de funcionar.

As agências dos Correios e os bancos instalados no município também aproveitam a comemoração e não abrem. Vale lembrar, porém, que os títulos que foram gerados por outros municípios e vencem hoje devem ser pagos nas respectivas cidades em que não há feriado. Os serviços de varrição de ruas e coleta de lixo cumprem hoje o expediente normal. As solicitações de emergência podem ser feitas pelos interessados por meio dos números 4059-9900 e 08007704348. O Cemitério Municipal e a funerária também não interrompem o atendimento. Como de costume, os cinco parques mantidos pela administração municipal (Ecológico, do Paço, Takebe, das Nações e Pousada dos Jesuítas) abrem as portas normalmente para a população.

(meu comentário) – Parabéns, Diadema! Sua história de superação é exemplar a todas as cidades paulistas.

Jornal Cruzeiro do Sul -Sorocaba-9-12-09

Literatura – Livro reúne 19 anos da correspondência de Machado de Assis

O exame de 20 anos da correspondência de Machado de Assis, de 1870 a 1889, revela que o maior escritor brasileiro queria ser bem compreendido por seus leitores. O período compreende o lançamento de livros fundamentais como “Memórias Póstumas de Brás Cubas” (1881) – que é a época, não foi bem aceito. Machado ficou incomodado, como mostra uma carta enviada a ele por Miguel de Novais, seu cunhado, amigo e um dos principais interlocutores, provavelmente em resposta a um relato lamentoso seu. A 21 de julho de 1882, Novais, que era português, como a irmã, Carolina, e vivia em Portugal, lhe escreveu: “Parece-me não ter razão para desanimar e bom é que continue a escrever sempre. Que importa que a maioria do público não lhe compreendesse o seu último livro? – Há livro que são para todos e outros que são só para alguns (…) Não pense nem se ocupe da opinião pública quando escrever. A justiça mais cedo ou mais tarde se lhe fará.” (…). Uma carta que chama atenção é a de Eça de Queirós, datada de 29 de junho de 1878. Nela, o escritor português responde a uma crítica negativa que Machado publicou, no periódico “O Cruzeiro”, com pseudônimo de Eleazar, de “O Primo Basílio”, daquele ano, e de ” O Crime do Padre Amaro”, de 1875. Machado acusou Queirós de plagiar “La Faute Del L’ Abbé Mouret”, de Zola, no caso de ” O Crime do Padre Amaro”, e desancou ” O Primo Basílio”. (…). “Nas cartas, os próprios amigos percebem que ele tinha deixado de ser o autor talentoso para ser o gênio. Existiu um corte na literatura dele e também em sua vida. Foi a passagem do Machadinho para o Machado”, analisa Rouanet. (Roberta Pennafort -AE).

(meu comentário) – Machado de Assis parece – mas não é – um personagem de ficção. Cedo foi obrigado a processar um amadurecimento acelerado, por meio de muito trabalho e responsabilidade. Estava no lugar errado, na época errada, em circunstâncias erradas. Mas deu certo. Viveu num Brasil pobre, racista, paternalista e nada honesto, partiu, mas não morreu. Deixou o legado da sua genialidade a toda uma nação, a um povo sedento por heróis dignos, disciplinados, com histórias, honestas e justas. Quando a educação brasileira virar prioridade, todos os garotinhos inteligentes e persistentes como Machado de Assis, mergulharão em seus livros e só aí verão um Brasil cuja pobreza e mediocridade ninguém há de viver. Nunca mais.

Diário de São Paulo -08-12-09- pág.2

Votos de boas-festas O Diário agradece e retribui os votos de boas-festas de: José Maria Cancelliero, presidente do Centro do Professorado Paulista (CPP).

Rádio CBN -08-12-09

Rádialista Herótodo Barbeiro

(meu comentário): O Brasil vira uma potência? E por que não? Assim que nós, pagadores de impostos, deixarmos de ignorar a realidade que nos faz transitar em meio a tiroteios, desviando de cadáveres abandonados em carrinhos de supermercado, convivendo com o lixo jogado em represas, rios e nas ruas, já que metade da nossa gente não tem acesso à rede de esgoto. Basta que o usuário do Sistema de Saúde Pública sonhe que é ministro num consultório 5 estrelas, enquanto se escora numa parede até despencar num chão imundo, de um hospital cujo padrão é igualmente imundo para, então, se entregar a um previsível e ordinário óbito. Claro, como insistem as autoridades ao afirmarem que tudo não passa de versões exageradas, irrelevantes num país com tamanha seriedade.

Revista Veja. com -08-12-09

Blog Reinaldo Azevedo – Apagão – Na maravilha que anda a infraestrutura nativa, estamos sem energia elétrica. O negócio é fazer um decreto determinado que o país só funciona quando não chove, não venta, e o céu é azul. Afinal, um país tropical, como sabemos. É o fim da picada. Abandonei meus livrinhos para cuidar da produção da madrugada, e lá veio o apagão… Bem, tentarei recomeçar mais cedo nesta terça. Escrever à luz de velas e no laptop e um martírio! Ainda acabaremos todos na taba, mas felizes, entupindo-nos de cauim, como nas peças que Pare Anchieta escreveu há 500 anos…

(meu comentário) – Chuva, apagão, enchentes – o caos. Mas, por Deus, Reinaldo, hoje é o Dia da Justiça! Segundo nosso genial Rui Barbosa: “A Justiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada.” Taí o exemplo dos precatórios com cidadãos morrendo sem desfrutar de um direito reconhecido. Contudo, é bom lembar que ainda contamos – e muito – com a hombridade dos que lutam, num esforço em contínuo e conjunto, pelo respeito à cidadania.

Jornal Agora – 08-12-09- pág.A/11

vinícius Segalla

O CPP (Centro do Professorado Paulista) dará aulas gratuitas amanhã (9/12), das 8h às 12h, para os professores que vão realizar as provas para dar aulas na rede estadual, como temporários. Os exames, todos objetivos, serão realizados nos dias 13 e 20, às 8h30 e às 14h.

Os professores devem acertar metade da prova – que vale 80 pontos – para serem aprovados. As aulas serão dadas no CPP, na rua Joaquim Távora, 756, metrô Ana Rosa (zona sul). Os interessados devem ligar para (0/xx/11) 5539-5348.

BLOG DO R7 – TV RECORD – 08/12-09

Rosana Hermann

Alagão – Hoje não é apagão, é alagão em São Paulo. Pessoas paradas tweetam para avisar. Um beijo, um browse, um aperto de mouse da Rosana Hermann.

(meu comentário): Chuva, enchentes, alagamentos, desmoronamentos, trânsito – o caos. Ainda assim, Rosana, não dá para esquecer que hoje é o Dia da Justiça! Segundo o nosso genial Rui Barbosa: “A Justiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada.” Taí o exemplo dos precatórios com cidadãos morrendo sem desfrutar de um direito reconhecido. Contudo, é bom lembrar que ainda contamos – e muito – com a hombridade e com a responsabilidade de brasileiros sérios, que lutam num esforço conjunto, pelo respeito à cidadania. Eis a razão que nos faz celebrar o Dia da Justiça na esperança com que nossa gente viva dias bem melhores, desfrutando conscientemente dos seus direitos civis.

Jornal Itu – www.itu.com.br – 07-12-09

Editoria Geral – Bullying: você não está fora disso! É comum guardarmos lembranças de criança, nas quais somos maltratados e humilhados por crianças maiores ou mais “fortes” do que nós. Isso ocorre constantemente, e na maioria das vezes, os pais não são capazes de perceber o impacto dessas atitudes no emocional infantil. Um dos ambientes mais propícios para ocorrer o bullying é a escola. Infelizmente, em um dia a dia permeado pelo corre-corre, tarefas infinitas e obrigações a cumprir, o olhar para o sentir da criança torna-se anestesiado e muitas vezes omisso, não apenas dentro da escola, como também dentro da própria família. O que fazer? Como educar o olhar atento? Como ter coragem de se posicionar diante de uma situação de humilhação? Como dar um passo para trás antes de rotular e humilhar uma criança? Como proteger nossos filhos de uma situação de bullying? A psicóloga Milene Ferrazza Thomas desenvolve uma coluna no itu.com.br que trata especificamente do bullying em todos os seus aspectos. Milene, que é também coordenadora do programa “Seja a Mudança” no Brasil alerta que um de seus artigos: “Temos que estar vigilantes. Temos que estar conscientes principalmente se formos nós as pessoas com o poder e cada um de nós tem um certo poder em algum momento da sua vida. Ficamos tão perdidos com a sedução do poder que nem percebemos em quem estamos pisando. (…)

(meu comentário): O jovem brasileiro se reflete como imagem de uma sociedade moldada por princípios cada vez mais questionáveis. As escolas públicas paulistas já apresentam números expressivos de casos registrados. Se não hover intervenções eficazes e imediatas, o espaço escolar há de se tornar comprometido com a absoluta falta de motivação de alunos, evoluindo para uma descomunal evasão escolar. É preciso que pais, educadores e dirigentes defendam com unhas e dentes os estudantes brasileiros contra avanço desse terror cuja fúria acelera a decomposição dos já fragilizados valores morais deste país.

Jornal Rádio CBN – 07-12-09

Gilberto Dimenstein – A melhor notícia do ano: educação e prevenção ao crime em favelas do Rio.

(meu comentário) – Excelente notícia você nos trouxe. De fato, prevenção e educação é uma “dobradinha” infalível. Que o bom exemplo não fique só no Rio de Janeiro – mas seja espalhado por todo o nosso País – carente de ações e soluções como estas.

Jornal Agora -2-12-09 -pág.A/8

Professor temporário terá prova nos dias 13 e 20

Educação define datas para exames para temporários da rede estadual e candidatos à contratação; docentes deverão acertar metade das questões

As provas que serão utilizadas para classificar os professores temporários e os candidatos à contratação na rede estadual de ensino serão realizadas nos dias 13 e 20 de dezembro, segundo norma publicada em ontem (1/12/09) no “Diário Oficial” do Estado.

No dia 13 de dezembro, será realizada a prova para os anos iniciais do ensino fundamental (primeira a quarta série) e os exames de línguas. No dia 20, serão realizadas as provas para a área de ciências da natureza, ciências humanas e educação especial.

Os exames valerão 80 pontos. Professores de educação básica 1 resolverão 60 questões objetivas. Os demais terão 80 questões. A secretaria informa ter recebido mais de 240 mil inscrições.

A classificação do candidato, que permitirá que ele participe do processo de escolha de classes e aulas, será obtida pela soma da nota na prova com o tempo de serviço (80 pontos) e títulos (20 pontos).

Este será o primeiro ano em que a prova de atribuição terá validade, pois o resultado do exame de 2008 primeiro ano de realização, foi suspenso, por uma liminar, por denúncias de irregularidades.

Bibliografia – Temporária na rede estadual há 20 anos, a professora Ivete Ribeiro lamenta o pouco tempo para o estudo da bibliografia, que foi divulgada no dia 4 de novembro pela Secretaria de Estado da Educação. Ela leciona para o segundo ano de educação básica 1. “Temos pouco tempo, até a data da prova, para estudar mais de  de 15 livros. É muito difícil conciliarmos o trabalho e o estudo”.

Também indignada, a professora da educação básica 1 Lucília Cardoso Rei questiona a validade da prova para quem já está narede. Ela completou 15 anos como temporária. “Se não passar na prova, o professor perde o direito à atribuição de aulas e só consegue lecionar na jornada de 12 horas, que tem salário baixo”.

EXAME PARA TEMPORÁRIOS

Professores terão de fazer teste para a escolha de aulas

datas – Professores de educação básica 1 – 13 de dezembro, às 8h30 – 60 questões objetivas = 80 pontos.

Professores de língua portuguesa, inglês, arte, educação física, alemão, espanhol, francês, italiano, japonês – 13 de dezembro, às 14h – 80 questões objetivas = 80 pontos.

Professores de matemática, ciências físicas e biológicas, biologia, física e química – 20 de dezembro, às 8h30 – 80 questões objetivas = 80 pontos.

Professores de história, geografia, filosofia e sociologia e educação especial – 20 de dezembro, às 14h – 80 questões objetivas = 80 pontos.

Pontuação mínima – A prova será eliminatória: será preciso acertar metade (ter nota igual ou superior a 40 pontos); Os locais de aplicação serão definidos até cinco dias das datas das provas e poderão ser consultados nos sites www.educacao.sp.gov.br e www.vunesp.com.br

Bibliografia – Será a mesma utilizada para todos os processos seletivos e avaliações de docentes da rede estadual; A lista de livros está disponível no site do Agora On-Line (www.agora.com.br).

Gabaritos – Serão divulgados nos dias 15 e 22 de dezembro, nos sites www.educacao.sp.gov.br e www.vunesp.com.br

Dicas – Estude com base na legislação básica e nos documentos institucionais; Estude com os autores recomendados na bibliografia, grande e complexa; Faça um grupo de estudo para dividir o material; Participe de teleconferências oferecidas pela Secretaria da Educação.

ENTENDA A ESCOLHA DAS AULAS – O processo é anual e ocorre em dois momentos.

Primeira etapa: Os cerca de 121.570 professores efetivos escolhem aulas em suas unidades até o dia 11 de dezembro; A classificação desses docentes é dada por tempo de serviço e tempo na escola em que leciona; As aulas restantes são colocadas à disposição na diretoria de ensino.

Segunda etapa: Os temporários inscritos no processo deverão realizar uma prova para escolher as aulas; Tempo de serviço e títulos também contam poucos; Se ainda sobrar aulas, os candidatos à vaga de temporário participam do processo.

CLASSIFICAÇÃO: Terá prazo de um ano e definirá quem irá escolher primeiro as aulas disponíveis nesta respectiva região; Os professores temporários estáveis que conseguirem pontuação necessária para passar na prova ficam dispensados de fazer prova todos os anos.

Fontes: “Diário Oficial” do Estado e professora Maria Cláudia Junqueira – diretora do Centro do Professorado Paulista (CPP). Reportagem de Amanda Mont’Alvão Veloso).

 

 

Jornal Diário do Grande ABC-01-12-09

setecidades – Diminui número de estudantes universitários no Grande ABC

Na contramão do cenário observado no País, o Grande ABC teve queda de 1,15% no número de matrículas nas 33 instituições de Ensino Superior públicas e privadas em 2008 em relação ao ano anterior. Em números absolutos são 101.813 matrículas em 2008, contra 103.001, em 2007. (…) Dificuldade de pagar as mensalidades das universidades particulares e insatisfação com o curso escolhido podem explicar a queda no número de matrículas no Grande ABC, segundo o professor da Faculdade de Educação da USP (Universidade de São Paulo), Ocimar Munhoz Alavarse.

O educador não classifica o índice como expressivo, mas acredita que a expansão do Ensino Superior esbarra no financiamento. “O ProUni (Programa Universidade para Todos, do governo federal) não consegue atender todo mundo, e um segmento importante dos alunos não consegue pagar as mensalidades.” Ele lembra também que estudantes de escolas públicas também têm dificuldades. “O fato de ele não pagar a universidade não resolve todos os seus problemas. “Outro tipo de fenômeno que provoca a evasão apontado pelo professor é a desilusão com a carreira universitária. “Muitos jovens ponderam que nem sempre a ida para universidade com a perspectiva de uma profissão seja a resolução de seus problemas financeiros”, complementa.

(meu comentário a respeito): A educação brasileira está longe de ser qualificada. Enquanto as reais causas da exclusão puderem distrair – desviando o olhar da ausência de uma política educacional estruturada – caberá ao brasileiro enfrentar dificuldades cada vez maiores no ingresso às universidades e de competir no exigente mercado de trabalho.

GLOBO. COM – 01-11-09 – Dan Stulbach

Preconceito, Versão 09

Fim de expediente – Dana Stulbach – Dia da Consciência Negra, a CBN fez uma belíssima matéria – dois jornalistas – um branco, um negro-, visitaram diversos estabelecimentos da Zona Sul carioca. A diferença no tratamento dado aos dois jovens de 30 anos, e perfis muito similares, constrange. Eles estarão hoje no “Notícia em Foco” para contar um pouco dessa experiência do Brasil de 2009.

Minha resposta para “Preconceito, versão 09” – Para um país que visa chegar ao desenvolvimento de primeiro mundo com civilidade democrática, olhar a intolerância racial de frente e deixar de maquiar o preconceito representa um significativo avanço. No entanto, no Brasil, o preconceito e a desigualdade racial ainda atuam de forma camuflada e subliminar. É um racismo velado, que move com sarcasmo a mão da injustiça, apoiado apenas em aparências e empatias. Impulsionado por uma irracionalidade descabida, o brasileiro ainda surpreende por sua extrema capacidade em deixar como legado aos negros e seus descendentes, os mais baixos e desumanos índices de desenvolvimento humano. É imperativo que o Brasil deixe de ser míope e cresça ciente do valor incontestável de cada um de seus filhos.

CBN – A Rádio que toca notícia. Globo Rádio.com

Mais São Paulo -30-11-09

São Paulo ganha escola pública para atores e profissionais de teatro

Meu comentário foi ar pelo jornalista  Dimenstein: Toda a iniciativa que crie acesso às múltiplas formas de expressões culturais, aumenta as oportunidades aos nosso jovens – especialmente aos mais carentes – de descobrir potencialidades até então submersas – que permitam o ingresso a um mundo ético com direitos respeitados. Escolas como esta ampliarão as chances das novas gerações de renovar seus valores e de viver em plena dignidade.

O Estado de São Paulo- 25-11-09

Blog -Ainda acredito por Renata Cafardo

No dia em que publiquei a matéria sobre o vazamento do Enem me perguntaram em uma entrevista para Rádio Eldorado se eu achava que o episódio colocava em dúvida a credibilidade do exame. Tive dúvida sobre o que responder. Naquele momento, entendia a preocupação dos 4 milhões de estudantes inscritos, mas tendia a acreditar que se tratava de uma fatalidade ou algo causado pela pressa que o governo teve em mudar um exame monumental como o Enem. Nesta semana surgiram notícias de provas do Enade (exame que avalia cursos de ensino superior, substituto do Provão) estavam sendo transportadas sem lacre pelas estradas do Rio. O MEC desmentiu. No outro dia, o Jornal O Globo publicou fotos em que as caixas pareciam realmente ser facilmente abertas, de material fino, pouco resistente. Mas não havia comprovação de que foram violadas (o MEC alega que elas foram abertas pelos próprios policiais que checaram a mercadoria e por isso não havia mais lacre). Ontem, o sindicato das universidades privadas de São Paulo pediu a anulação do exame. O MEC continuou com sua versão de que as provas não estavam desprotegidas e manteve a data do Enade para 8 de novembro. Difícil saber ao certo se houve descuido no transporte das provas do Enade. Ou se houve desorganização, incompetência, pressa política (ou as três coisas) no vazamento do Enem. Mas a suspeita já é extremamente preocupante. Principalmente porque pela primeira vez o País tinha conseguido consolidar um sistema de avaliação da sua educação. Os exames – para ensino básico e superior – começaram no governo Fernando Henrique Cardoso, foram mantidos pelo presidente Lula e tiveram o grande mérito de traçar um retrato verdadeiro da nossa educação. Com a doença diagnosticada, ficou mais fácil ir atrás de tratamento, por mais que ainda não tenhamos a cura para o ensino de baixa qualidade em todo País. Por isso me preocupa o fato de os exames passarem a ser questionados. A desconfiança sobre como são feitos pode levar a um descrédito dos resultados, o que seria prejudicial para o caminho que a educação tem percorrido. Eu ainda prefiro acreditar nos exames e nas fatalidades.

(meu comentário) – Prezada Renata, em seu comentário: “embora ainda não tenhamos a cura para o ensino de baixa qualidade em todo País.” Devemos reconhecer sim, esta triste realidade – jamais tolerar, nunca aceitar. A capacidade de despencar neste poço sem fundo da irresponsabilidade e da impunidade continua a gerar um custo incomensurável, de duras consequências a toda a sociedade. Esperamos que nossos gestores educacionais reflitam a respeito e debrucem em seus próprios desempenhos – e na crescente degradação imposta à educação brasileira.

 

 

Revista Época-25-11-09

O Filtro -“Confira as principais noticias do dia 25 de novembro”

Sociedade – 4. Violência rotineira

A violência está presente no dia a dia dos jovens brasileiros. Segundo duas pesquisas coordenadas pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 55% afirmam terem visto pessoas assassinadas nos últimos 12 meses e 30% dizem que foram vítimas de violência. O sociólogo Ignácio Cano, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), diz à Folha (para assinantes) que os dados mostram uma “a naturalização e uma intimidade” com a violência. Com base no Índice de Vulnerabilidade Juvenil (IJV), foram analisados 266 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes. Itabuna, na Bahia, e Marabá, no Pará, foram considerados as cidades em que os jovens correm mais riscos.

O Ranking mostra que, embora espalhada por todo o país, a exposição do jovem à violência é maior no Norte e Nordeste, de acordo com Época. O Estadão informa que a verba federal não atinge as cidades com os piores resultados.

(Minha opinião a respeito) – Tudo isso não passa do mais fiel retrato de uma frouxidão moral, alimentada por leis arcaicas que estimulam os criminosos, sempre favorecidos por uma intocável impunidade. A violência se banalizou de tal forma, vulgarizou-se a tal ordem que notícias como esta talvez nem sensibilize mais aqueles que nos prometem mudanças, punição para os fora-da-lei, fim da impunidade e tudo mais. Mas, essas promessas passam, e bem rápido, embaladas no profundo sono do descaso. Essa violência sem limite assombra e nos atinge diariamente. Machuca, dói, e muito. Dor que destrói nossa identidade e queima, bem devagar, consumindo o orgulho, o pouco que ainda nos resta, de sermos brasileiros.

Resposta do sr. Eduardo a respeito da minha opinião na Revista Època : È verdade Professor. Mas também não é verdade que a violência está diretamente relacionada à péssima educação oferecida à nossa juventude? Aceitar que um professor ganhe salário de fome pra educar nossos filhos é o mesmo que ser consumidor de drogas e culpar o Governo pela violência, não acha?

Revista Veja.com -24-11-09

Coluna do Augusto Nunes

Muito sangue, pouco suor

“Acho que vou ficar no Brasil. Quando escutei o presidente Lula na TV, duas vezes, interpretei isso com uma mensagem boa e senti vontade de viver e até de trabalhar”.

Cesare Battisti, confiante na submissão do Supremo ao presidente Lula, e na parceria entre Lula e Tarso Genro, tão entusiasmado com o governo companheiro que, pela primeira vez na vida, anda pensando até em arranjar algum serviço que não dê cadeia.

(Minha opinião)- Bem informado, Cesare Battisti tem todos os motivos para se sentir confiante e planejar seu futuro por aqui. Certamente leu a reportagem de capa da revista inglesa The Economist, entusiasmada com a nossa decolagem. É óbvio que nós, brasileiros, encaramos a notícia com certo ceticismo. Será que o Brasil decola? Não resta dúvida. Assim que nós, pagadores de impostos, deixarmos de ignorar a realidade que nos faz transitar em meio a tiroteios, desviando de cadáveres abandonados em carrinhos de supermercado, convivendo com o lixo jogado em represas, rios e nas ruas, já que metade da nossa gente não tem acesso à rede de esgoto. Basta que o usuário do Sistema de Saúde Pública sonhe que é ministro num consultório 5 estrelas, enquanto se escora numa parede até despencar num chão imundo, de um hospital cujo padrão é igualmente imundo para, então, se entregar a uma previsível e ordinário óbito. Afinal de contas, as escolas invadidas pela falta de política educacional, por brasileiros atordoados, sem cidadania e respeito, com a droga imperando, soberana, administrada por ladrões e traficantes, são apenas “casos pontuais”, como insistem as autoridades ao afirmarem que tudo não passa de versões exageradas, irrelevantes num país com tamanha seriedade. Com fama de celebridade internacional, diz o piloto da nave: 0 nunca antes na história deste país, vimos o Brasil decolar! Após a atitude do Supremo concluo: taí, um nome perfeito para embarcar neste voo e desfrutar das mordomias desse paraíso – Cesare Battisti. Banevenuto, compagno!

Jornal Agora-23-11-09- pág.B/4

Prepare-se para a prova

Amanda Mont’Alvão Veloso

do Agora

Quem deseja atuar como professor no ensino público tem mais de 1.000 oportunidades. Tanto a rede municipal quanto a rede estadual estão contratando por meio de concurso. A Prefeitura de São Paulo divulgou o edital do processo seletivo para 1.285 vagas de professor. Serão contratados 818 professores para lecionar em educação infantil e ensino fundamental 1, com salário de R$ 1.100, e 467 docentes de educação infantil, com remuneração inicial de R$ 1.450.

As inscrições poderão ser feitas do dia 30 de novembro até 11 de dezembro, no site http://www.concursosfcc.com.br. A rede estadual de ensino também está selecionando professores temporários, com base em uma prova classificatória prevista para dezembro. As inscrições, porém, já estão encerradas.

A bibliografia, divulgada no começo deste mês, será utilizada por todas as avaliações e concursos da Secretaria de Estado da Educação. A prova será elaborada pela Escola de Formação de Professores e será inteiramente objetiva, segundo a diretora Vera Cabral Costa. Ela diz que os cursos de formação promovidos pela secretaria para professores que já estão na rede têm o mesmo direcionamento das provas que serão realizadas. Para quem ainda não está contratado, vale estudar o conteúdo pedido no edital.

Mas, segundo a professora Maria Cláudia Junqueira, do CPP (Centro do Professorado Paulista), pode ser difícil estudar toda a bibliografia, que é bastante extensa. “É bom formar grupos de estudos e dividir os conteúdos.”

Além desses dois processos, há mais cinco concursos de magistério promovidos por prefeitura do interior.

Confira as seleções

Prefeituras e governo do Estado realizarão concursos para professores

Número de vagas em disputa 1.382

Além disso, outras prefeituras irão formar cadastro reserva e o Estado irá contratar temporários

818 vagas para professor de educação infantil e ensino fundamental 1

Salário de R$ 1.100

Prova dia 28 de fevereiro de 2010*

467 vagas para educação infantil

Salário de R$ 1.450

Prova dia 27 de março de 2010*

Inscrições de 30 de novembro a 11 de dezembro no siste http://www.concursosfcc.com.br.

Jornal Agora -19-11-09- pág.A/12

Temporários – O CPP (Centro do Professorado Paulista) dará um curso gratuito de oito horas para a prova para temporários da rede estadual. Interessados devem ligar para (0/xx/11) 3340-0552 ou acessar o site www.cpp.org.br.

Rádio CBN – Gilberto Dimenstein-18/11/09

(minha opinião) a respeito do tema ‘Paulistanos estão dando mais valor à educação’  – boas falas! Entretanto, a contradição entre o que temos e o que precisamos evidencia o problema essencial da legitimidade das políticas eduacionais. Não serão bônus ou gratificações que farão com que a educação pública saia da situação em que se encontra. Por sua importância, os professores merecem todo o respeito e o direito de viverem e trabalharem em condições dignas, à altura de suas responsabilidades e de envelhecerem com a máxima dignidade.

Folha de São Paulo-28-10-09- pág.C/10

Prova para professores será em fevereiro

Avaliação que garantirá aumento a 20% dos docentes da rede estadual mais bem colocados foi marcada para os dias 3 e 4

Uma das entidades que representam a categoria já planeja entrar na Justiça contra medida, alegando falta de discussão prévia

As provas que determinarão quais professores da rede estadual paulista receberão aumento salarial por mérito serão aplicadas no início de fevereiro.

Da Reportagem Local

Segundo o governo, os docentes farão os exames nos dias 3 e 4. No primeiro dia serão examinados os professores do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental. No dia seguinte, os demais farão a prova. Diretores e supervisores serão avaliados em 31 de janeiro.

Segundo a lei, sancionada ontem pelo governador José Serra (PSDB), até 20% dos docentes mais bem avaliados receberão 25% de reajuste nesta primeira etapa do projeto.

Ao longo da carreira (25 anos), o professor poderá quadruplicar seu salário inicial, caso esteja sempre entre os mais bem avaliados. Ele poderá tentar o aumento a cada três anos.

Para poder prestar o exame e pleitear o reajuste, os servidores terão de apresentar uma frequência mínima às aulas e um determinado tempo de permanência na mesma escola. Os critérios ainda serão definidos pela Secretaria da Educação.

Serra afirma que o projeto cria um estímulo aos professores da rede.

Já a Apeoesp (principal sindicato dos professores da rede) afirma que os aumentos previstos beneficiarão poucos professores, o que desestimulará os demais. O Centro do Professorado Paulista (outra entidade representativa) afirma que trará na Justiça contra a lei, alegando que uma mudança na carreira do magistério exigiria um debate mais amplo.

Entre os pesquisadores, uma das críticas é que o professor que conhece sua matéria não necessariamente sabe ensinar.

No primeiro ano de vigência, o governo afirma que receberão o reajuste 44 mil dos 220 mil docentes da rede (20% do total). O impacto financeiro estimado é de R$ 140 milhões.

Se esse dinheiro fosse usado para beneficiar todos os professores, o aumento geral da categoria seria de cerca de 5%.

Reajuste no salário dos professores

* Prova do governo estadual está prevista para fevereiro

* O PROJETO – Reajusta em 25% o salário de até 20% dos melhores docentes classificados no exame.

* R$ 140 milhões é o impacto finaneiro da medida.

* O Professor deverá ter também frequência e tempo de permanência mínimos na escola, a serem definidos.

* 44 mil é o número máximo de professores que receberão reajuste.

* 5% é o aumento salarial que todos os professores da rede poderiam receber com esse valor.

Jornal Agora – 28-10-09- pág. A/11

220 mil professores podem concorrer a reajuste

As provas serão em janeiro e fevereiro e conteúdo será padronizado. Aumento é de 25% para cada faixa

Fonte: Secetaria de Estado da Educação e entidades do magistério estadual

A partir de janeiro do ano que vem, cerca de 220 mil profissionais da educação do Estado, entre professores, diretores e supervisores de ensino, poderão participar da prova que prevê reajuste salarial de 25% a cada três anos para até 20% dos docentes qualificados. De acordo com a Secretaria de Estado da Educação, hoje, o quadro do magistério é formado, no total, por 229.350 profissionais.

O projeto que cria o programa de valorização pelo mérito foi sancionado ontem pelo governador José Serra e deverá ser publicado no “Diário Oficial” do Estado de hoje.

Para os diretores e supervisores, a prova será aplicada no dia 31 de janeiro. Já os professores de primeira a quinta série farão o teste no dia 3 de fevereiro; os de 6a a 9a , no dia 4.

O conteúdo das provas para os professores terão como base o que é ensinado nas salas de aula, as práticas didáticas e os conhecimentos pedagógicos.

No caso dos diretores e supervisores, os exames vão tratar de assuntos ligados à administração das instituições.

Conforme informou a secretaria, o programa permite que o profissional quadruplique a remuneração inicial. No caso de uma jornada de 40 horas semanais, o professor que ganha R$ 1.835 poderá chegar a R$ 6.270 ao fim da carreira – o que corresponde a um aumento de 242%.

O projeto cria cinco faixas salariais em cada um das carreiras (professor, diretor e supervisor). Para passar de uma para outra e concorrer ao aumento de 25%, é preciso fazer uma prova a cada três anos. A exceção é quem está na primeira faixa, que precisa estar há quatro anos no cargo para participar da disputa.

No Estado, há 80 mil professores temporários que poderão participar da prova por terem cumprido o prazo.

Até 20% dos classificados poderão ganhar o aumento, conforme o orçamento disponível no ano da avaliação. Os profissionais podem concorrer a aumentos sucessivamente, desde que respeitados os intervalos de três anos.

A frequência e o tempo de permanência na mesma escola serão requisitos para que os professores possam participar do exame.

Associação afirma que vai à Justiça  – As entidades representativas do magistério paulista não poupam críticas ao sistema de avaliação dos professores. Para a Apeoesp , o sindicato oficial da categoria, o sistema é excludente, já que concede reajuste salarial a um número máximo de 20% dos docentes a cada ano.  De acordo com os cálculos da entidade, o salário de toda a categoria precisaria ser corrigido em 27% para recuperar as perdas salariais acumuladas nos últimos anos. Além disso, a Apeoesp aponta que estabelecer o corte de 20% como limite máximo ( e não fixo) para a concessão do aumento permitirá que o governo, dependendo de suas prioridades ano a ano, reduza o número de professores contemplados com o reajuste salarial. Já o CPP (Centro do Professorado Paulista) afirma que entrará com uma ação judicial pedindo a anulação da lei, já que, segundo a legislação paulista, qualquer mudança na carreira do magistério deveria ter sido discutida antes com a categoria.

Especialista critica método, mas aprova a avaliação – A premiação com base em avaliações é um conceito interessante, mas ainda não há evidências de que seja efetiva, afirma o acadêmico Gustavo Iaies, ex-vice-ministro da Educação da Argentina e presidente do Cepp (Centro de Estudos de Políticas Públicas, com sede em Buenos Aires). Pesquisador de sistemas educacionais da América Latina, Iaeis diz que o projeto aprovado pelo governo paulista poderia receber alguns ajustes. Apesar disso, segundo ele, a proposta paulista traz “um conceito que, acima da discussão de quais resultados trará, é justo. Precisamos buscar mecanismos de melhora, formas que estimulem os docentes a se esforçarem”. Por outro lado, o especialista critica a forma de avaliação. “Prefiro o método de incentivos para a escola. O motor da melhora educacional é a instituição, o coletivo. Por isso, deve-se premiar as melhores escolas”, diz ele, mostrando-se contrário à premiação individualizada que está se implantando no Estado. Gustavo Iaies conclui dizendo que “buscar qualidade de ensino é uma operação monumental para os nossos sistemas”.

 

Diário de São Paulo -28-10-09 – pág.12 -Economia

Educação: prova em fevereiro

Professores da rede estadual farão avaliação para tentar promoção e aumento de 25%

Vivian Costa – Especial para o Diário

Cerca de 220 mil profissionais da rede estadual de ensino farão provas a partir do próximo ano para conquistar promoção na carreira. Nesta primeira etapa, as avaliações podem garantir aumento de até 25%, dependendo do desempenho do profissional. A lei que cria o plano de valorização pelo mérito foi sancionada, ontem, pelo governador José Serra.

O teste para diretores e supervisores será feito no dia 31 de janeiro de 2010. Nos dias 3 e 4 de fevereiro farão a prova os professores de primeira a quinta série do ensino fundamental e de sexto a nono, respectivamente.

O programa prevê cinco faixas de avaliação. Hoje, todos fazem parte da primeira. Para passar da inicial para a segunda, o profissional deverá estar há quatro anos na mesma escola. Na prova, será necessário tirar, no mínimo, nota 6.

Serão beneficiados até 20% dos integrantes que tiverem as melhores notas em cada uma das faixas. Segundo o secretário de Educação, Paulo Renato, essa limitação é resultado do orçamento. “Por enquanto, não temos como dar aumento para todos, mas quem sabe podemos mudar este percentual.”

Para a faixa 3, o reajuste sobe para 50%. Na quatro, vai para 75%, e na quinta dobra o rendimento. Para ir para a faixa 3, porém, a nota mínima é 7. Para a seguinte, a pontuação vai para 8 e, na última etapa, fica em 9.

O reajuste será sempre com base no salário inicial que o participante tinha quando fez a primeira prova. Por exemplo, um professor da educação básica 1 que tem salário inicial de R$ 1.597,55 poderá ganhar R$ 5.429,45 em 12 anos.

Segundo o secretário, os reajustes serão calculados em cima do salário, incluindo as gratificações. Os benefícios serão incorporados para cálculo da aposentadoria.

Em cada promoção o integrante poderá avançar apenas uma faixa. Para concorrer à promoção da faixa seguinte deverá haver um intervalo de, no mínimo, três anos.

Os cerca de 80 mil professores temporários que se tornaram estáveis pela Lei 1010 (SPPrev) poderão participar do processo quando cumprirem quatro anos de seu primeiro vínculo com a Secretaria de Educação.

 

Jornal Agora -24-10-09-pág.A/14

(Meu comentário aos Professores )

Nós, professores, merecemos um salário justo, e não gratificações. O projeto de lei 29/2009, votado silenciosamente, ratifica o descaso do governo com o magistério. O desprezo é tamanho que não somos procurados para manifestarmos os nossos interesses. Os professores de São Paulo merecem trabalhar sob o respeito que sempre lhes fizeram jus.

Jornal de Tupã-diário on-line -23-10-09

Rede estadual

Professores entrarão com ação judicial contra o governador

O Presidente Regional do CPP, professor Silvio dos Santos Martins, confirmou que a categoria deverá ingressar com ação na Justiça contra o governador José Serra, em razão do projeto de lei complementar 29/09.

O Centro do Professorado Paulista (CPP) e outras entidades do magistério estão se mobilizando para mostrar que o salário dos professores não chegará nunca a R$ 7 mil.

José Maria Cancelliero, presidente do Centro do Professorado Paulista (CPP), disse que “no momento em que o PLC 29/09 for sancionado pelo governador, entraremos com uma ação judicial sobre a ilegalidade da lei. Afinal, seria preciso que passasse pela comissão paritária, prevista no artigo 25 da Lei Complementar 836/97, no plano de carreira do magistério e isso não aconteceu”.

Segundo o CPP, “mesmo sendo um engodo, o PLC 29/09 foi votado, na calada da noite, quando praticamente não havia público. O projeto pulou degraus – mesmo assim – iremos até o fim. A aprovação desta lei ratifica o completo descaso do governo com o magistério. O desprezo é tamanho que o impede de chegar perto e ouvir as entidades de classe”.

Jornal Agora -22-10-09- pág. A/8

Prova em janeiro dá reajuste para professor

Projeto da Secretaria da educação que prevê reajuste de 25% a cada 3 anos foi aprovado na madrugada de ontem na Assembleia Legislativa

Amanda Mont’ Alvão Veloso

Foi aprovado, na madrugada de ontem, pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei que estabelece aumento por mérito no salário dos professores da rede estadual. O PLC 29, criado pela Secretaria de Estado de Educação, prevê reajuste salarial de até 25% a cada três anos para até 20% dos docentes qualificados.

Segundo a secretaria, o programa permite que o profissional quadruplique a remuneração inicial. No caso de uma jornada de 40 horas semanais, professor que ganha R$ 1.834,85 pode chegar a R$ 6.270,78, ao longo da carreira, o que corresponde a um aumento de 242%.

O projeto, que precisa ser sancionado pelo governador José Serra para virar lei, cria cinco faixas salariais em cada uma das carreiras (professor, diretor e supervisor). Para passar de uma para outra, ou seja, concorrer ao aumento de 25% é preciso fazer uma prova a cada três anos. A exceção é quem está na primeira faixa, que precisa estar há quatro anos no cargo para participar da disputa. Até 20% dos classificados poderão ganhar o aumento, conforme o orçamento disponível no ano da avaliação. Os profissionais podem concorrer a aumentos sucessivamente, desde que respeitados os intervalos de três anos.

A promoção vale para os 130 mil integrantes efetivos do magistério. Os aposentados estão fora da disputa.

A frequência e o tempo de permanência na mesma escola serão requisitos para o aumento. As regras serão definidas por portarias.

As primeiras provas deverão ser realizadas em janeiro de 2010. Em 2011, os exames deverão ser feitos em março. As avaliações serão elaboradas pela Escola de Formação de Professores de São Paulo.

PROJETO NÃO AGRADOU

As entidades do magistério estadual, que reúnem professores, supervisores e diretores, lamentaram a aprovação do projeto e prometem entrar na Justiça por quebra de isonomia salarial (funcionários no mesmo cargo terão salários diferentes) e por a categoria não ter sido ouvida durante a criação do projeto.

Segundo eles, o programa limita o número de professores que podem receber o aumento, excluindo os demais. Os aposentados também estão de fora. “O projeto é discriminatório”, afirma José Cancelliero, do CPP (Centro do Professorado Paulista).

Jornal da Tarde-22-10-09- pág.A/9

Ensino Público

Aprovado plano de carreira de professores

Projeto de Serra, de promoção por mérito, é aprovado na Assembleia. Sindicato é contra.

Felipe Oda

O novo plano de carreira dos profissionais de educação do Estado foi aprovado ontem de madrugada na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). A partir de 2010, parte da categoria receberá aumento salarial de 25%. A proposta não garante que todos recebam o benefício no ano que vem e cerca de 80% dos professores, diretores e supervisores de ensino poderão ter os salários reajustados só a partir de 2011 pelo novo modelo. O reajuste anual da categoria será mantido para todos.

O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) considera o projeto inconstitucional e promete entrar com uma ação na justiça.

O Projeto de Lei Complementar (PLC) 29/2009 prevê reajustes que poderão, segundo a Secretaria Estadual da Educação, quadruplicar o salário inicial dos profissionais do magistério. A mudança salarial ou promoção será determinada por resultados obtidos em uma avaliação – aplicada anualmente pela pasta – e pela análise da vida funcional do profissional, que avaliará assiduidade e o tempo de permanência na mesma escola.

Pelo novo plano, batizado de Programa de Valorização pelo Mérito, do governo estadual, a remuneração dos educadores foi dividida em 5 faixas salariais. Para cada faixa, o profissional de ensino deverá atingir uma nota mínima na prova da secretaria. Para alcançar a quinta faixa salarial e ter um aumento de 100%, o professor precisará tirar 9 na última avaliação e ter pelo menos dezesseis anos de profissão. De acordo com o secretário estadual Paulo Renato Souza, de Educação, o PLC não é um simples reajuste salarial. “É uma prova. Os 20% melhores serão beneficiados. A promoção, o reajuste, será pelo mérito.”

Apenas os profissionais com quatro anos ou mais de funcionalismo público na área poderão tentar a primeira promoção salarial. Em cada promoção será possível avançar uma só faixa e as promoções só podem acontecer a cada três anos. O secretrário afirma que o benefício não foi estendido a toda categoria, pois o tomaria “insustentável do ponto de vista orçamentário”. “Limitar que até 20% dos profissionais recebam a promoção é garantir a continuidade do projeto. Pois, tudo será feito com responsabilidade fiscal e planejamento”, diz o secretário.

No entanto, para as entidades que representam a categoria, o programa é excludente. “80% dos professores não terão acesso ao benefício num primeiro momento. Também não há garantias de que todos conseguirão a promoção em pouco tempo. É um desastre, uma política de exclusão e quem perde é a educação brasileira”, afirma Maria Isabel Noronha, presidente da Apeoesp. Para José Maria Cancelliero, presidente do Centro do Professorado Paulista, o problema do sistema é que não levam em consideração a prática em sala de aula.

Para a Apeoesp, o Estado deveria repor as perdas e incorporar gratificações aos salários de todos os profissionais da educação”.

DIFERENÇAS

COMO É HOJE: O professor pode atingir, no máximo, 73% de aumento salarial ao longo da carreira. O aumento salarial é determinado apenas pelo tempo de serviço e formação acadêmica.

COMO VAI FICAR: O projeto cria cinco faixas salariais para professores, diretores de escola e supervisores de ensino. Os professores continuarão tendo direito aos reajustes que têm hoje, mas as promoções salariais também serão determinadas por resultados obtidos em avaliações de desempenho. O programa será optativo, ou seja, caberá ao profissional decidir se participa ou não. Os interessados devem estar na rede estadual de ensino há pelo menos quatro anos e serão pré-selecionados para fazer o exame e podem concorrer a cada 3 anos. Professores que abrirem mão das faltas abonadas ganharão pontos na pré-seleção. Provas acontecem em julho.

Diário de S. Paulo- 22-10-09 – pág. 11 – Economia

Professor terá plano de carreira

Projeto aprovado prevê que docentes deverão passar por provas. Promoção vale para 20% do quadro

Vivian Costa  – ESPECIAL PARA O DIÁRIO

Os 210 mil professores estaduais terão um plano de carreira a partir do ano que vem. O projeto que cria o plano de valorização pelo mérito foi aprovado na madrugada de ontem pela Assembleia Legislativa, por 48 votos a 21.

Os docentes terão direito a promoção a cada três anos, mediante análise de desempenho e avaliações. A progressão, porém, abrangerá apenas o limite de 20% do quadro de docentes a cada prova.

O programa prevê cinco faixas de avaliação. Para participar da primeira e da segunda, o profissional deverá estar há quatro anos na mesma escola. Se passar, ele terá um aumento de 25%.

Após três anos, ele poderá fazer a prova para a fase seguinte, e assim por diante. Para a faixa 3, o reajuste sobe para 50%. Na quatro vai para 75% e na quinta dobra o rendimento. Por exemplo, um professor da educação básica 1 que tem salário inicial de R$ 1.597,55 poderá ganhar R$ 5.429,45 em 12 anos.

Além do tempo de permanência na mesma instituição, o candidato deverá somar um número de pontos e ainda não ultrapassar a quantidade de faltas determinadas.

Os temporários que se tornaram estáveis pela Lei 1010 (SPPrev) poderão participar do processo quando cumprirem quatro anos de seu primeiro vínculo com a Secretaria de Educação.

Segundo o secretário de Educação, Paulo Renato Souza, a primeira avaliação deverá ocorrer em janeiro e permitirá que 44 mil tenham reajuste já no ano que vem. “Este projeto é uma revolução na carreira dos professores porque vai incentivar que todos se preparem para ganhar aumento”, afirma.

As entidades que representam a categoria são contra o método. Para Maria Izabel Noronha, presidente da Apeoesp, é impossível participar do programa por causa de suas regras. “Elas são difíceis de serem cumpridas”, afirma.

O secretário de Educação afirma que as promoções serão incorporadas ao salário e mantidas na aposentadoria.

Categoria vai à justiça

O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e o Centro do Professorado Paulista (CPP) afirmam que vão entrar na Justiça para cassar a lei, por considerá-la inconstitucional.

Maria Izabel Noronha, presidente da Apeoesp, afirma que o projeto fere a isonomia salarial da categoria porque vai beneficiar apenas alguns professores.

Segundo o presidente do CPP, José Maria Cancelliero, com a aprovação do projeto, cada vez menos jovens vão querer ingressar na carreira do magitério. Ele afirma que entrará com um mandado de segurança assim que a lei for sancionada.

Folha de São Paulo  online – 21/10/09 – às 14h30

Entidades prometem “guerra política”

após aprovação de projeto de reajuste para professor

Professores paulistas prometem uma “guerra política” após a aprovação, nesta madrugada, de projeto do governo de São Paulo que prevê reajuste salarial de 25% aos professores da rede estadual mais bem avaliados em uma prova de conhecimentos.

“Isso não vai ficar assim não, sentimos o rolo compressor da Assembleia, mas eles vão sentir o rolo compressor da categoria. Todos os deputados que votaram “sim” serão exibidos em cartazes. Vai começar uma guerra politica mesmo, vão pagar o preço de não terem respeitado os educadores.”

A afirmação é de Maria Izabel Noronha, presidente da Apeoesp (sindicato de professores do Estado), que avalia que o projeto exclui cerca de 80% dos professores da rede estadual.

O projeto cria cinco faixas salariais. A cada avanço, o docente terá aumento de 25%. Por ano, até 20% dos docentes em cada patamar terão o reajuste. O número dependerá da disponibilidade orçamentária. Além da prova, também contará o número de faltas dos docentes e o tempo de permanência na mesma escola. Receberão o aumento os mais vem avaliados nos exames (haverá nota de corte para a ascensão).

Noronha afirma que o projeto não respeitou lei que determina que qualquer projeto sobre salários passe por uma comissão de gestão da carreira (lei 836/07). Ela também acredita que o projeto do governo fere a isonomia salarial, prevista na Constituição.

José Maria Cancelliero, presidente do CPP (Centro do Professorado Paulista), avalia de forma semelhante a aprovação.

“Os deputados votaram na calada da noite, quando quase não havia público. O projeto pulou degraus. Mas vamos até o fim para barrar a lei.”

Segundo Noronha, a Apeoesp já entrou com ação na Justiça alegando o não cumprimento da lei estadual, e o setor jurídico do sindicato prepara uma Adin (ação direta de inconstitucionalidade) a ser apresentada no STF (Supremo Tribunal Federal).

Para Cancelliero, a aprovação do projeto “é um descaso total do governo com o magistério. Eles não respeitam os professores, sequer ouvem as entidades”.

com Fábio Takahashi, da Folha de São Paulo

Revista Época -online -20-10-09

O Filtro – Confira as principais notícias do dia 16 de outubro

Sociedade – 7- Mapa do Trabalho infantil

O Tocantins é o Estado brasileiro com maior incidência de trabalho infantil. O portal G1 analisou números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e cruzou dados para descobrir como cada Estado emprega crianças e adolescentes na faixa entre 5 e 17 anos. No Brasil inteiro, são 4,5 milhões de crianças e adolescentes trabalhando, cerca de 10% do total dessa faixa de idade. No Tocantins, são 15,7%. No Rio de Janeiro, o Estado que menos apresenta trabalho infantil, 3,9%.

Meu comentário: Este é o flagelo que, dia a dia, insiste em castigar milhares de crianças anônimas em nosso País – o trabalho infantil.

É bom lembrar que esta covardia não passa do mais fiel retrato de uma frouxidão moral, alimentada por leis arcaicas que estimulam os criminosos, sempre favorecidos por uma intocável impunidade.

Enquanto isso, vemos nosso  orgulho, o pouco que ainda nos resta, de sermos brasileiros se deteriorando. Só priorizando a educação teremos resolvidos os problemas que, impiedosamente, humilham o nosso povo.

 

Jornal Agora -20-10-09

Assembleia vota aumento a professor

O PLC 29/09 (Projeto de Lei Complementar), que estabelece novas regras de progressão salarial na carreira docente do Estado, deverá ser votado hoje na Assembleia Legislativa. Contrárias ao projeto, associações do magistério preparam um ato de protesto em frente à Casa, a partir das 14h30.

De autoria do governador José Serra, o PLC 29/09 cria um sistema de promoções que significam evolução salarial na carreira seguindo percentuais de aumento de 25%. A cada ano, uma prova séra aplicada a todos os professores. Os 20% mais bem colocados receberão aumento, mudando de faixa salarial. os exames acontecerão anualmente, mas os docentes que conseguirem mudar de faixa terão de esperar três anos para concorrer a outra progressão.

O secretário da Educação, Paulo Renato Souza, defende que, em um universo de 220 mil professores, em um prazo de 25 anos – prazo para os educadores alcançarem a aposentadoria – a maioria dos professores estará com um salário 100% maior do que o que ganhava ao entrar na carreira. Já para sindicatos e para a oposição, o sistema é excludente porque deixa, anualmente, 80% dos professores sem aumento.

Sem ter sofrido emendas na Assembeia, o projeto vai a plenário do jeito que saiu do gabinete do governo.

Jornal Gazeta de Piracicaba -16-10-09

Categoria se reuniu na Câmara para pedir reajuste salarial e melhoria do ensino

Priscilla Perez

Cerca de 200 professores, profissionais aposentados, diretores, vice-diretores, supervisores e funcionários da rede estadual de ensino de Piracicaba, protestaram ontem de manhã no Salão Nobre da Câmara de Vereadores por melhores condições de ensino e salários.

Os manifestantes apresentaram carta aberta à população: “Na região de Piracicaba, mais de 60 escolas não têm professor de uma ou mais disciplinas; faltam professores para 1.338 aulas; 20 turmas de recuperação paralela não foram atribuídas por falta de profissionais habilitados e 5 classes de Ciclo I se encontram na mesma situação.”

Na carta reivindicaram: “reajuste de 27,5% referentes às perdas acumuladas nos últimos onze anos; incorporação das gratificações, extensivas aos aposentados; respeito à data-base da categoria com consequente reajuste salarial; retifirada imediata da PLC 29 da Assembleia Legislativa e discussão sobre o tema com as entidades sindicais do magistério”.

Segundo Leonor Penteado dos Santos Peres, coordenadora da Subsede da Apeoesp (Sindicato dos Professores das Escolas Estaduais), na reunião foi exposta a situação dos professores e solicitado para que todos vão até São Paulo no próximo dia 20, tentar barrar a votação do novo projeto de lei (PLC 29).

“Contamos com a participação de todos, agora é o momento de lutar. Se conseguirmos barrar será uma grande vitória para a categoria”, afirma Leonor.

Ela explica que a Apeoesp espera lotar quatro ônibus, cerca de 200 pessoas, no protesto do dia 20.

Reforço – A Apeoesp trouxe um ônibus de São Paulo para percorrer a cidade de Piracicaba com os manifestantes.

“Subimos a rua Benjamin e descemos a Governador com cerca de 50 professores, supervisores, diretores, e outros profissionais ligados a categoria. Fizemos barulho para lutar por nossos direitos”, explica Leonor.

Estão ligados ao movimento o Sindicato dos Supervisores de Ensino (Apase), Sindicato dos Funcionários das Escolas Estaduais (Afuse), Apeoesp, Centro do Professorado Paulista (CPP) e Sindicato dos Diretores das Escolas Estaduais (Udemo).

Tribuna – Leonor e também professor Magno Rodrigues ocuparam a Tribuna Popular da Câmara ontem para falar que não há o que comemorar no Dia dos Professores.

“Infelizmente não temos nada a comemorar”, disse Eleonor. Ela lembrou todas as reivindicações da categoria, inclusive, o repúdio ao PLC 29, de autoria do Governador José Serra, que “exclui de imediato 80% dos profissionais, caso seja aprovado pela Assembleia Legislativa.”

 

Jornal de Piracicaba – 16-10-09

Mirian Diehl

As escolas estaduais localizadas em Piracicaba tem aproximadamente 2.000 aulas disponíveis por falta de professores. A informação é de Sebastião Ferreira, representante do Sindicato dos Supervisores de Ensino (Apase), que participou ontem, Dia dos Professores, do Manifesto realizado na Câmara de Vereadores contra políticas do Estado para a educação. Segundo ele, a falta de concurso e as limitações de lei 1051, que restringe a atuação de temporários, justificariam a falta de educadores.

O manifesto reuniu cerca de 200 professores de escolas públicas de Piracicaba, número que representa 10% da categoria na cidade. A falta de professores para uma ou mais disciplinas em várias escolas foi um dos problemas levantados pelos manifestantes.

Também participaram do ato representantes da Apeoesp, CPP, Afuse e Udemo.

As entidades reivindicam, entre outras coisas, um reajuste salarial de 27,5% para os professores da rede estadual de ensino, revisão do plano de carreira da categoria, e a retirada do projeto de lei complementar número 29 que, segundo os manifestantes, congela os salários dos professores. O projeto já está pronto para ser votado na Assembléia Legislativa, e a expectativa é que entre em pauta na próxima terça-feira.

De acordo com Setsuko Katayama Kjaer, representante da Udemo em Piracicaba, a proposta de progressão na carreira exclui os docentes. “Os temporários não podem ter aumento de salário, e eles são 108 mil. Fora que a proposta do governo restringe a cada ano o aumento a 20% da categoria”, diz.

Para Ferreira, o que está ocorrendo é uma política educacional às avessas. “A maior parte das escolas estão abarrotadas de livros, cartilhas e computadores, mas o agente principal, o professor, não está sendo valorização.”

Como forma de chamar a atenção do governo para os problemas ligados à educação, o representante da Apase sugere boicote ao Saresp (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo), que tem por objetivo avaliar o sistema de ensino paulista para monitorar as políticas públicas de educação.

O exame é aplicado aos alunos da segunda, quarta, sexta e oitava séries do ensino fundamental, em escolas com ciclo de oito anos, e estudante do terceiro ano do ensino médio. Para as unidades que já implantaram o regime de nove anos no ensino fundamental, o exame é destinado aos matriculados nos 3o, 5o, 7o e 9o anos. As disciplinas avaliadas são língua portuguesa, matemática e ciências humanas, além de redação.

Para os educadores, os pais e o governo precisam ter consciência de que o professor é responsável pela formação de todos os demais profissionais e por isso precisam ser mais valorizados e reconhecidos.

A Secretaria Estadual de Educação informou, por meio da assessoria de imprensa, que não comentaria o protesto nem as reivindicações dos professores.

Jornal A Tribuna -Piracicaba- 16-10-09

Professores fazem evento contra política do Estado

Um grupo de professores ligados a entidades que representam a categoria realizou manifestação ontem pela manhã, em frente à Câmara Municipal, dentro das atividades programadas ao Dia do Professor. João Manoel dos Santos (PTB), vice-presidente da Mesa Diretora, acolheu os manifestantes que reivindicavam melhores condições salarias. Os manifestantes também criticaram o Projeto de Lei Complementar (PLC) 29/09, do governador José Serra (PSDB), sobre o plano de carreira do magistério. O objetivo, segundo o governo, é criar novas regras para a valorização da carreira, por meio de provas, mais o cômputo da asssiduidade e o tempo de permanência do profissional na mesma escola.

Na oportunidade, eles entregaram Carta Aberta à População, onde apontaram que “estão muito preocupados com os rumos que tomou a educação em nosso estado”. Eles apontam que a cada governo – e nos últimos 16 anos foram administrações do PSDB – são implantadas novas “soluções milagrosas” que, “na verdade, não correspondem às reais necessidades dos estudantes, dos profissionais da educação e, portanto, da população que depende da escola pública”.

 

Jornal A Cidade de Bauru  – 16-10-09

Professores promovem ‘nu pedagógico’

São Paulo – Professores de cinco entidades representativas do Estado fazem um protesto inusitado na tarde de ontem na cidade de São Paulo. Os profissionais promoveram um “nu pedagógico” na praça da República (centro), em frente à Secretaria Estadual de Educação, mas ao invés de tirar a roupa, eles vestiram uma espécie de avental de cor bege com silhetas desenhadas de um corpo nu.

“Tiramos a roupa metaforicamente para colocar à nu a educação praticada em São Paulo”, disse Luiz Gonzaga de Oliveira Pinto, presidente do Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério Oficial do Estado de São Paulo (Udemo) – sindicato que inclui diretores e coordenadores de educação. A manifestação acontece na data em que é lembrado o Dia do Professores.

As entidades reivindicam, entre outras coisas, um reajuste salarial de 27,5% para os professores da rede estadual de ensino, revisão do plano de carreira da categoria, e a retirada do projeto de lei estadual número 29 que, segundo os manifestantes, congela os salários dos professores.

Cerca de 10 mil professores eram esperados para o protesto, mas os organizadores afirmam que a chuva e a impossibilidade de deixar as salas de aula impediram a participação de grande parte dos manifestantes. A Polícia Militar ainda não tinha uma estimativa do total de pessoas no local, mas o protesto era pacífico.

Participam do protesto integrantes da Udemo, do Sindicato de Supervisores do Magistério no Estado de São Paulo (Apase), do Centro do Professorado Paulista (CPP), e do Sindicato dos Funcionários e Servidores da Educação do estado de São Paulo (Afuse), e da Associação de Professores Aposentados do Magistério Público do Estado de São Paulo (Apampesp).

Para sinalizar o que chamaram de “luto da educação”, os manifestantes soltaram cerca de 2 mil balões de cor preta ao final do protesto, que começou por volta das 14h20.

Folha de São Paulo – 16-10-09- pág. C/3

Dia do Professor

Com aventais simulando nudez, “para mostrar como professor está pelado”, cinco entidades de profissionais da educação protestaram onte, no centro de SP, contra o sucateamento do ensino público.

Jornal da Tarde -16-10-09- pág.A/6

Manifestação

Tímido protesto de professores

Educadores haviam prometido tirar a roupa em manifestação, mas vestiram uma fantasia

Felipe Oda

Os professores estaduais que prometeram ficar pelados ontem como forma de protesto contra o governo Serra no Dia do Professor apareceram na frente da Secretaria Estadual da Educação, na Praça da República, como Adões e Evas – vestiram aventais com imagens de corpos nus, mas simulando que suas “partes íntimas” estavam cobertas com folhas. Não tiraram nenhuma peça de roupa.

A manifestação reuniu cerca de 200 pessoas, de acordo com estimativa da Política Militar, que reivindicavam o ajuste salarial e a valorização dos profissionais da categoria.

“Dissemos que ficaríamos nus para atrair atenção”, disse Maria Cecília Mello Sarno, presidente do Sindicato de Supervisores do Magistério no Estado de São Paulo (Apase). “Queremos mostrar que a propaganda do governo não é real e desnudar as mentiras que são contadas sobre os professores e as condições de trabalho. o professor não é bem remunerado e respeitado.”

Batizada pelos educadores como “nu pedagógico”, a manifestação “comportada” pretendia “mostrar a situação deletéria da educação no Estado de São Paulo”, disse Luiz Gonzaga de Oliveira Pinto, presidente do Sindicato dos Especialistas em Educação do Magistério Oficial (Udemo).

A opção por não tirar as roupas foi defendida por um grupo de senhoras que veio de Jundiái. “Não sabíamos o que iria acontecer, mas já pensou se todo mundo tivesse ficado nu? Que vergonha!”, afirmou Marilia Neri, de 64 anos, professora aposentada.

A decisão de decepcionou os curiosos que disseram ter ido à República para ver o “protesto dos pelados”. “Trabalho aqui perto. Li na internet que os professores queriam ficar pelados e aproveitei meu horário de almoço para ver o que estava acontecendo”, disse o office boy Lucas Tiago Silva, de 23 anos.

Além dos aventais, os manifestantes fizeram um apitaço na porta da secretaria e soltaram balões negros aos gritos de: “Eudcação  na rua. Serra a culpa é sua!”. Cerca de 30 policiais militares faziam a segurança do prédio, mas não houve confrontos.

A Secretaria Estadual da Educação informou, por meio de sua assessoria, que não iria se pronunciar sobre as reivindicações.

 

Diário de São Paulo – 16-10-09 – pág. 12

Funcionário da Educação realizam o ‘nu pedagógico’

Cerca  de 400 pessoas participaram do ato na frente à secretaria

Vivian Costa

Especial para o Diário

Pelo menos 400 funcionários da Educação fizeram um protesto ontem em frente da Secretaria Estadual de Educação. Os profissionais, de cinco entidades representativas, promoveram um “nu pedagógico”, no qual vestiram um avental com silhuetas de um corpo nu.

Segundo Luiz Gonzaga de Oliveira Pinto, presidente do Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério Oficial do Estado de São Paulo (Udemo), a manifestação foi uma maneira de chamar a atenção para as propagandas enganosas feitas pelo governo. “Tiramos a roupa metaforicamente para colocar a nu a educação de São Paulo”. Segundo ele, o ato apenas não vai chamar a atenção do governo. Por isso, uma greve deve ocorrer no ano que vem.

Participaram do protesto, integrantes do Udemo, do Sindicato de Supervisores do Magistério no EStado de São Paulo (Apase), Centro do Professorado Paulista (CPP), Sindicato dos Funcionários e Servidores da Educação do Estado de São Paulo (Afuse) e da Associação de Professores Aposentados do Magistério Público do Estado de São Paulo (Apampesp).

Entre as reivindicações das entidades estão o reajuste salarial de 27,5% para os professores, revisão do plano de carreira da categoria e a retirada do Projeto de Lei Complementar número 29 que, segundo eles, congela os salários. “A gente precisa recuperar o poder de compra em 1998. O governo só oferece gratificações e abonos. Mas quando nos aposentamos, essa renda não é contabilizada”, diz Maria Cecília Sarno, presidente da Apase. Para finalizar, soltaram cerca de dois mil balões pretos para sinalizar o luto pela educação. A secretaria não se manifestou sobre o ato.

Jornal Metrô News – 16-10-09- pág.8

Professores protestam com nu pedagógico

categoria afirma que não há o que comemorar

Professores e profissionais  da área de Educação de São Paulo fizeram, ontem, Dia do Professor, manifestação em frente Secretaria Estadual da Educação, na Praça da República, região central pedindo melhores salários para a categoria.

O Udemo (Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério Oficial do Estado) havia proposto que os professores participassem do protesto nus, mas o que se viu na Praça da República, no centro, foram cerca de 200 pessoas usando aventais que simulavam, com desenho, o formato do corpo humano. Alguns manifestantes também usaram narizes de palhaço no protesto.

“É o nu pedagógico. É uma metáfora em relação situação educacional no Estado de São Paulo, que é uma calamidade. É o desnudamento dessa educação deletéria que temos em São Paulo”, afirmou o presidente do sindicato, Luiz Gonzaga de Oliveira Pinto.

Segundo a presidente do Sindicato de Supervisores do Magistério Oficial do Estado de São Paulo, Maria Cecília Mello Sarno, o objetivo da categoria com o ato de ontem foi mostrar que não há nada para comemorar no Dia do Professor.

“Não tivemos nenhum reajuste no governo (José) Serra, a não ser a incorporação de duas gratificações, que dá um reajuste pífio de menos de 5% nos vencimentos”, reclamou Maria Cecília. Ela informou que os professores e profissionais da educação do Estado reivindicam reajuste para recompor perdas salariais desde 1998, o que corresponde a 27,5%.

Diário da Região – São José do Rio Preto – 16-10-09- pág.B/2

Professores protestam contra governo no Centro de Rio Preto

Giseli Marchiote

Professores da rede estadual de ensino se reuniram ontem à tarde, Dia do Professor, para protestar contra projeto de lei complementar apresentado pelo governo do Estado que prevê reajuste salarial apenas aos profissionais que cumprirem uma série de exigências. O manifesto aconteceu na praça Rui Barbosa, no Centro do Rio Preto.

A categoria reivindica reposição salarial de 27,5% a todos os profissionais. “A proposta apresentada pelo governo vai contemplar menos de 20% dos professores. Não podemos admitir que apenas uma pequena parcela da categoria seja beneficiada pela mudança”, afirma o Fábio Beboni, coordenador regional do sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo (Apeoesp).

De acordo com o presidente do Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério Oficial do Estado de São paulo (Udemo), Justo Castilho, a proposta do governo não prevê nenhum benefício aos aposentados. “Pelos nossos cálculos, dos 5,3 mil diretores de escolas da região, apenas 24 serão beneficiados caso o projeto de lei seja aprovado. Não podemos admitir isso”.

A categoria se reúne em São Paulo no próximo dia 20, quando a Assembléia Legislativa deve analisar a mudança proposta pelo governo. Não está descartada a possibilidade de greve.

 

Diário da Região – São José do Rio Preto – 15-10-09-pág.B/5

Professores do Estado fazem protesto hoje

Vívian Lima

Professores da rede estadual de ensino realizam hoje um protesto na Praça Rui Barbosa, às 15 horas, em Rio Preto. Os educadores aproveitam o Dia do Professor, comemorado hoje, para reivindicar melhorias na educação.

Participam do manifesto membros de seis sindicatos. O presidente regional da União dos Especialistas de Educação do Magistério Oficial (Udemo), Justo Castilho, explica que dentre as reivindicações estão reajuste salarial de 27,5% e mais benefícios aos aposentados.

 

Diário do Grande ABC – 15-10-09- pág.2

Dia do Professor

Hoje é comemorado o Dia do Professor. O secretário da Eduação de São Paulo, Paulo Renato Souza, falou bonito no seu texto dirigido aos mestres, mas escorregou mais que sabonete ao atacar de frente a verdadeira causa da Educação pública. Como pode o Estado mais rico do País tratar os professores com tamanha indiferença? O secretário sabe que o governador não respeita a data-base dos professores? A população não sabe. O secretário sabe que o governador discrimina os aposentados? A população não sabe. O secretário sabe que o governador mandou um projeto de lei à Assembleia Legislativa (PL-29/2009) que não resultará em benefício para toda a categoria, e que ilude a opinião pública? Na verdade os professores nada têm a comemorar, especialmente aqueles que deram seu sangue pela Educação e a veem transformada em artigo de quinta categoria. Por mais que neguem os tecnocratas, um salário de fome jamais atrairá bons profissionais para a área educacional e o resultado tem sido mostrado nos exames nos quais os alunos  são avaliados. Se querem consertar a Educação comecem pagando bem o professor e mandando embora quem não é competente. Aluno não pode ser cobaia!

Diário de São Paulo -15-10-09- pág.2

Diário do Leitor

Dia do Professor, quase nada para comemorar

Os professores comemoram hoje o seu dia. Mas as comemorações darão lugar a atos de protestos pelo estado. Nós, profissionais da área, queremos respeito à data-base (1 de março), 27,5% de reajuste para ativos e aposentados, extensão e incorporação de gratificações e protestamos contra o Projeto de Lei 29/09, em votação na Assembleia Legislativa, que propõe mudanças no plano de carreira do magistério.

O movimento quer demonstrar a insatisfação da categoria com a política educacional implantada pelo governo estadual. Estamos de luto no nosso dia pelo que estão fazendo na educação.

 

Jornal Agora-15-10-09-pág.A/8

Funcionalismo – Vinícius Segalla

Professores ficam nus hoje em SP

Os docentes da rede pública estadual pretendem marcar a data de hoje, Dia do Professor, com um protesto inusitado. O CPP (Centro do Professorado Paulista) e a Udemo (Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério Oficial do Estado de São Paulo) irão realizar, em frente ao prédio da Secretaria de Estado da Educação, na praça da Repúblia (região central), um protesto em que os manifestantes ficarão nus. Os organizadores esperam deixar, pelo menos, mil docentes sem roupas.

Em nota, a Udemo afirma que, “para mostrar a nudez deste governo com relação à educação, nada melhor do que instituir um ‘Dia do Nu Pedagógico’, na rede”.

Os principais motivos do protesto são a falta de reajuste neste ano (a categoria pede aumento de 27%) e a aprovação de leis que alteraram as regras de entrada de professores no sistema público e a forma como serão concedidos os próximos reajustes salariais.

A partir do ano que vem, professores que forem contratados terão que passar por um curso de formação de quatro meses. Sobre os salários, uma lei prestes a ser aprovada determinada que os professores façam uma prova anual. Os 20% mais bem classificados receberão aumento de 25%. As entidades têm críticas às duas normas.

A Secretaria de Estado da Educação não comentou.

Jornal Agora -15-10-09- página A/8

Atribuição de aula

Professores temporários devem se inscrever em suas diretorias de ensino até o próximo dia 30 para o processo de atribuição de aulas para o ano letivo de 2010. Já professores titulares devem fazer o mesmo entre os dias 1 e 11 do mês que vem.

Globo. com – GloboNews – 15-10-09

Respostas para “Participe do Estúdio I de Hoje Maria,

Como professor e presidente do Centro do Professorado Paulista a congratulo por valorizar o magistério e seus profissionais como verdadeiros heróis a enfrentar tantas adversidades em seu dia a dia.

Um abraço a toda a equipe da Globonews.

Jornal Bragança Paulista-14-10-09

Professores iniciam protestos com a “Semana de Luto e Luta pela Educação”

Os professores da Rede Estadual de Educação iniciaram a partir desta terça-feira, 13, a “Semana de Luta e Luto Pela Educação”. Segundo o professor José Carlos de Barros, diretor Regional do Centro do Professorado Paulista (CPP), os professores precisam se unir para juntos melhorar suas condições de trabalho e a qualidade do ensino nas salas de aulas. O movimento vai até o dia 16 próximo.

Os professores precisam de remuneração digna para que não tenham que fazer jornadas de trabalho absurdas. Só assim conseguiremos fazer com que o Governo Estadual nos propicie as melhores condições de trabalho. Para tanto faremos, esta semana, mobilizações em São Paulo, na Praça da República, em frente ao prédio da Secretaria Estadual de Educação e em vários locais do interior do Estado, declara.

O Ato Público pela Educação em São Paulo está marcado para a quinta-feira, 15, às 14h00.

De acordo com a mensagem enviada pelo CPP, “a Educação Pública no Estado de São Paulo vem sofrendo há décadas. A marca política dos últimos governos que se sucederam durante esse período tem sido a mesma: o arrocho salarial, que provoca a deterioração dos serviços públicos, e a política enganosa e discriminatória de gratificações e bônus, que propositalmente exclui os aposentados. Os salários-base são vergonhosos, as perdas salariais são enormes, não existe, de fato, uma carreira, mas uma profissão retalhada por uma legislação equivocada que não apresenta um horizonte profissional, a lei da data-base não é respeitada. As vítimas dessa péssima política não são apenas os educadores, mas, também, os pais e mães que dependem da escola pública para educar seus filhos”, finaliza.

 

Estadão.com.br -13-10-09

Professor, mais luz na sala de aula por David Moisés

Brasil, adentro, centenas de escolas públicas de ensino fundamental foram avaliadas, certa vez, e 33 delas surpreenderam pelo resultado da performance de suas crianças. Eram alunos pobres, de escolas pobres em comunidades pobres, mas seu desempenho quanto ao conteúdo de matemática e língua portuguesa na 4a e 8a séries eram muito bons, não condiziam com esse perfil socioeconômico. Pesquisadores foram então visitar essas escolas, buscando identificar o que fazia nelas a diferença. Encontraram professores exigentes e acolhedores, comprometidos com o crescimento de seus alunos, que sabem ouvir, são capazes de buscar novas estratégias e materiais para ligar o conteúdo das aulas à vida real, buscam atualização e capacitação constantes, avaliam criticamente seu próprio trabalho, aceitam ser avaliados e cobram sempre melhores condições para melhor atender sua scrianças. A pesquisa Aprova Brasil – O Direito de Aprender, feita pelo Unicef, identificou também outros elementos importantes, que podem ser mal-resumidos assim: gestão democrática e participativa da escola, alunos estimulados e comprometidos, envolvimento com a comunidade, práticas pedagógicas criativas e ligadas à realidade dos estudantes, inclusive com parcerias de instituições de pesquisa. Descrevi n’ O Estado de S.Paulo o caso da professora Mabel, na pequena cidade de Itatinga (SP). Ela transformou uma turma de alunos atrasados, repetentes e tristes numa daquelas que ficaram acima da média na Prova Brasil 2005, aplicada pelo Ministério da Educação e usada na pesquisa do Unicef. “É uma dedicação que não se perde em abnegação romântica. Trata-se de um pragmatismo comprometido, o foco na urgência de fazer crianças terem suas oportunidades de crescimento no tempo certo. O grande desafio é multiplicar essa dedicação objetiva, fazer com que o brilho de uma Mabel seja tão comum a ponto de não chamar a atenção pelo resultado individual, mas pela iluminação do todo. Neste outubro de 2009 o MEC vai aplicar novamente a Prova Brasil. Coincidência ou não, é no chamado mês da criança e do professor que vai se colher uma amostra dessas novas luzes.

Meu comentário: Hoje, os parcos salários, a violência, as precárias condições de trabalho fazem do magistério uma escolha pouco atraente aos jovens. Por isso, é justo garantir ao professor o direito incontestável de viver e trabalhar em condições dignas e de envelhecer por meio de uma digna aposentadoria.

Conhecedor das mazelas, mas também das experiências de valor inestimável que só o magistério traz, posso garantir que prosseguiremos em nossa busca incessante pela qualificação do ensino público e para a justa valorização do professor paulista.

Se lhe faltam força e coragem, mire-se em na vida de um professor.

Nós, professores, iniciamos hoje, a Semana de Luta e Luto pela Educação

Jornal CBN-A rádio que toca notícia-13-10-09

Cidadania começa na escola

com Jorge Maranhão

Minha opinião: A escola, como a mais importante instituição que garante cidadania a todos, é arrombada por uma violência descabida que vitima alunos e professores de forma cruel e covarde. A banalização da violência se tornou parte do cotidiano juntamente com o império das drogas, do álcool e do pânico. Há sempre o espectro da maldade.

A marca da violência doméstica, o medo no ambiente escolar, um universo sombrio, sem graça e sem coração.

Então, quem puder a seus pequenos dar o valor da cidadania e do respeito – o direito de aprender com segurança junto a professores dignificados – pode ter certeza que no Dia das Crianças e nos demais dias – sempre será o melhor presente.

Jornal de Tupã – 13-10-09

Professores iniciam hoje semana de luta pela Educação

Os professores comemoram nesta quinta-feira, dia 15, o seu dia. Mas ninguém deverá comemorar a data. O que se vai ver serão diversos atos de protesto por todo o Estado de São Paulo. As entidades representativas dos profissionais de educação iniciam hoje, dia 13, até o dia 16, movimento visando o reajuste salarial e a contestação da política educacional estadual.

O objetivo da medida, de acordo com o presidente regional do CPP de Tupã, Silvio dos Santos Martins, é demonstrar a insatisfação da categoria. “Estamos de luto no nosso dia e pelo que estão fazendo na educação”, observou.

Os profissionais da área reivindicam 27,5% de reajuste salarial para ativos e aposentados, extensão e incorporação de gratificações, cumprimento da data-base (1 de março) e protestam contra o Projeto de Lei Complementar 29/2009 em votação na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, que propõe mudanças no plano de carreira do magistério.

O movimento, denominado Semana de Luta e Luto pela Educação, é organizado pelo Sindicato dos Funcionários e Servidores da Educação do Estado de São Paulo (Afuse), Associação dos Professores Aposentados do Magistério Público do Estado de São Paulo (Apampesp), Sindicato de Supervisores do Magistério no Estado de São Paulo (Apase), Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério do EStado de São Paulo (Udemo), e Centro do Professorado Paulista (CPP).

Jornal de Amparo – 13-10-09

Dia do Professor

Dia 15 de outubro é o “Dia do Professor”. Há quem diga que é um dia em que o professor nada tem a comemorar. NÃO É VERDADE! É um dia de orgulho da classe que colabora diuturnamente com o País, não se deixando influenciar pelos sucessivos escândalos que a mídia divulga quase diariamente.

Professor, você merece a homenagem do dia 15 de outubro por aquilo que você é e por aquilo que você faz. Você é uma reserva moral do Brasil. Viva o Professor!

Parabéns -Cibele Pereira de Oliveira -Diretora Regional de Amparo e Luiz Pereira de Oliveira -Conselheiro

Revista Veja. com -13-10-09

De Paris – Antônio Ribeiro

Rio 2016 – Régua

Criticar o Lula por converter em capital político a escolha do Rio como cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016 é perfeitamente compreensível. Faz parte do arsenal do presidente chamar para si todo tipo de conquista – a da Lua ainda não, mas pelo ritmo desavergonhado, não demora. Em contrapartida, condenar a escolha olímpica da cidade carioca porque ela aconteceu durante o governo atual, é geléia geral. O Brasil é bem maior do que a miudeza. A percepção de que o Rio não deve sediar os Jogos porque haverá roubalheira, denota falta de bom sendo. Uma leitora do blog se espantou: “Por esta lógica o Brasil não pode sediar nem briga de galo.” A escolha do Rio 2016 tem uma dimensão e uma oportunidade que nem todos captaram. As contas e obras para colocar a cidade em conformidade com as exigências do Comitê Olímpico Internacional devem ser vigiadas. Aliás, com qualquer outra, financiada por dinheiro público ou privado.

(Meu Comentário) – A escolha do Rio como cidade-se dos Jogos Olímpicos de 2016 elevou a autoestima do brasileiro.

Porém, sejamos francos: a educação brasileira está longe de ser tratada como prioridade. Não vemos ninguém valorizar o ensino, os professores, e muito menos o esporte. Investir, nem pensar. O único jeito do Brasil sair do caos que encobre de vergonha um povo digno, trabalhador, que não desiste em monstrar o quanto vale, é a educação. Enquanto nuvens de fumaça sobre as reais causas da pobreza e da exclusão puderem distrair – desviando o olhar da ausência de uma política educacional estruturada – caberá ao povo brasileiro aplaudir as vitórias – em todas as áreas – dos países que tratam a educação e seus profissionais como prioridade nacional. Só a educação fará o Brasil ocupar o lugar que sempre teve direito.

 

G1 – Globo.com – 12-10-09

Instante Posterior – Bruno Medina – los hermanos

Toda criança quer…

Carlos Octávio, Maria Cândida, Kauã e Giovanna são crianças cujas idades variam entre 8 e 10 anos. Nessa época do ano, assim como a imensa maioria de meninos e meninas, os quatro também sabem citar na ponta da língua a relação de presentes que gostariam de receber na próxima segunda-feira,  Dia das Crianças. Na tentativa de traçar um panorama dos hábitos e gostos comuns a essa faixa etária, o Instante Posterior solicitou aos participantes da pesquisa que se reunissem em pares, afim de redigirem uma lista de 10 itens que conjugasse as preferências de ambos. Cabe mencionar que todos os envolvidos residem em áreas metropolitanas do país, e que pertencerem a famílias que possuem mesmo grau de escolaridade e poder aquisitivo. Entre as duplas, há, no entanto, uma única e importante distinção: Kauã e Giovanna são crianças de hoje, Carlos Octávio e Mari.

Meu comentário: Quem puder a seus pequenos dar o valor da cidadania e do respeito – o direito de aprender com segurança junto a professores dignificados – pode ter certeza que no Dia das Crianças e nos demais dias – este é e sempre será o melhor presente que se pode dar. Atual e oportuno, Pitágoras encabeça o pensamento da semana: “eduque as crianças para que não seja necessário punir o adulto”.

Revista da Folha – Curtas Cartas -11-10-09

( Meu comentário) – Nosso reino, nosso lar (urbe)

Bem oportuno o texto de Paulo Ghiraldelli Jr., uma vez que há pouco passamos pelo Dia dos Idosos. O cheiro adocidado do “home sweet home”, mencionado pelo autor no artigo, de fato, nos acompanha até a velhice.

Jornal Bragança Paulista – 10-10-09

Centro do Professorado Paulista -CPP

Regional de Bragança Paulista

DIA DO MESTRE

Comemorar o quê? De uns tempos para cá é o que mais ouvimos dos nossos próprios colegas, no Dia do Professor.

Conforme o foco, teremos duas respostas.

Ao analisarmos a situação do professor vemos que condições muito precárias são impostas ao seu trabalho. E, se avaliarmos bem o total desrespeito dos alunos para com seus mestres, vemos que a autoridade do professor foi destituída pela própria Secretaria da Educação, quando a progressão continuada transformou-se em promoção automática.

Notamos ainda que, na verdade o bônus e as gratificações foram criados de forma premeditada para excluir os aposentados. E, se tantas adversidades não bastassem alem de pagar um humilhante salário – ainda assistimos o governo tentar iludir a população mostrando, por meio da mídia, que valoriza o professor e a escola, despejando nos ombros dos educadores, a total responsabilidade pela pouca  produtividade da escola pública.

Então, não restam dúvidas que, se olharmos por esse ângulo, podemos fazer coro com os pessimistas e dizer que nada temos a comemorar.

Porém, para a nossa entidade, prestes a completar 80 anos de luta pelos direitos dos professores e por um ensino de qualidade, a sociedade deve reconhecer o professor e a professora como verdadeiros educadores. Precisamos de um magistério com profissionais bem remunerados e seguros para realizar seu trabalho na formação de novos cidadãos.

Assim, se acreditarmos que a justiça pode se mover em favor dos aposentados, que a memória dos nossos governantes jamais se esquecerá que se chegaram a tão altos postos, foi porque, um dia, nos bancos escolares, receberam a atenção e o trabalho de um esforçado professor, então sim, teremos muito a comemorar em 15 de outubro – Dia do Professor.

Parabéns, mestres pelo seu dia!

Missa pelo Dia dos Professores

O Centro do Professorado Paulista (CPP), convida toda população bragantina a participar da missa na Igreja Nossa Senhora do Rosário, dia 15 de outubro, às 19h30.

Jornal Assis – 10-10-09

Voz do Vale realiza promoção do Dia dos Professores

A Rádio A Voz do Vale FM 103, 3 está realizando mais uma ação que já é sucesso. Trata-se da promoção “Dia dos Professores”. O aluno deve enviar uma carta para a rua Ângelo Pipolo, 766 – CEP: 19.880-000, Cândido Mota – SP ou um e-mail para vozdovale@vozdovale.com.br, contendo informações essenciais como: nome completo, endereço, telefone para contato e nome da escola e do professor que deseja homenagear. São válidas cartas – e -mails de todo o Brasil e também exterior, haja visto que a rádio A Voz do Vale chega a todo mundo através da Voz do Vale online.

Meu comentário: Conhecedor das mazelas, mas também das experiências de valor inestimável que só o magistério traz, posso garantir que prosseguiremos em nossa busca incessante pela qualificação do ensino público e para a justa valorização do professor paulista. Se você sente que lhe faltam força e coragem, mire-se na vida de um professor. Queira Deus que você possa lembrar-se de um e abraçá-lo hoje. 15 de outubro-Dia do Professor.

Blog – Rosely Sayão -Folha de São Paulo -09-10-09

Extremidades da vida

O dia 1 de outubro foi dedicado ao idoso e o próximo dia 12 é a data das crianças. A proximidade das duas comemorações não foi planejada: O Dia da Criança é comemorado há quase 50 anos e lembra uma promoção de duas empresas que fabricam mercadorias para o público infantil e que criaram, dessa maneira, uma boa circunstância para o aumento de seu lucro. Aliás, é bom dizer que o índice de vendas para esse dia só é menor que o de outras duas datas exploradas comercialmente: o Natal e o Dia das Mães. O Dia do Idoso, por sua vez, é comemorado no dia 1 há pouco tempo, e a data foi escolhida porque lembra a criação do Estatuto do Idoso. Ainda não há exploração, tampouco efeito comercial, mas creio que não demorará para que isso ocorra. (…)

Meu comentário: Sábias palavras, prezada Rosely. A população brasileira vai, a passos largos, rumo à velhice. Para o bem das próximas gerações, a educação brasileira deve ser acelerada para assumir sua função como transmissora de valores num País que precisa ser mais inclusivo e justo para os brasileiros de todas as idades. Por outro lado, quem puder a seus pequenos dar o valor da cidadania e do respeito – o direito de aprender com segurança junto a professores dignificados – pode ter certeza que o Dia das Crianças e nos demais dias – este é e sempre será o melhor presente que se pode dar. Atual e oportuno, Pitágoras encabeça o pensamento da semana: “eduque as crianças para que não seja necessário punir o adulto”.

Jornal Bauru-09-10-09

Professores promovem semana de luta pela educação com atos públicos

Maíra Soares

Entidades representativas dos profissionais de educação promovem na próxima semana, de 13 a 16 de outubro, diversas manifestações por todo o Estado de São Paulo visando o reajuste salarial e a contestação da política educacional estadual. Em Bauru, o protesto acontece na quinta-feira, às 15h, na praça Rui Barbosa, no Centro.

“Vamos usar o dia do professor, quando ele deveria ser homenagado, para demonstrar nossa insatisfação e nosso luto pela nosso dia e pelo que estão fazendo com nossa carreira”, diz Vera Lúcia Durand da Silva, diretora regional do Centro do Professorado Paulista (CPP) em Bauru.

Os profissionais da área reivindicam 27,5% de reajuste salarial para ativos e aposentados, extensão e incorporação de gratificações, cumprimento da data-base (1 de março) e protestam contra o Projeto de Lei Complementar 29/2009 em votação na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, que propõe mudanças no plano de carreira do magistério.

“A população tem que se preocupar porque a escola pública não está boa. Os professores que estão lá não estão satisfeitos e trabalhando dessa forma, os alunos também serão prejudicados de alguma forma”, diz Maria José de Oliveira dos Santos, coordenadora do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoep).

O movimento, denominado Semana de Luta e Luto pela Educação, é organizado pelos Sindicatos dos Funcionários e Servidores da Educação do Estado de São Paulo (Afuse), Associação dos Professores Aposentados do Magistério Público do Estado de São Paulo (Apampes), Sindicato de Supervisores do Magistério no Estado de São Paulo (Apase), Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério do Estado de São Paulo (Udemo), CPP e Apeoesp.

JORNAL NOTÍCIA-ONLINE CATANDUVA -3-10-09

Execução do Hino Nacional nas escolas

do ensino fundamental passa ser obrigatória

Um passo de elevada importância para que o nosso País resgate sua identidade, sua dignidade e seu amor próprio. Com a superação da indigência cultural nossa gente enfim conseguirá elevar sua autoestima. Só assim teremos crianças e jovens responsáveis e conscientes – com falores de cidadãos verdadeiramente voltados para o bem da sociedade onde vive. Incorporar o hino à educação brasileira -o Brasil merecia este presente.

Diário de São Paulo – 02-10-09-pág.13

Nu pedagógico

O Dia do Professor – 15 de outubro – será marcado por protestos por condições de trabalho e aumento salarial. Mas algumas entidades estão preparando um ato inusitado: “Dia do Nu Pedagógico”. Segundo o presidente do Centro do Professorado Paulista (CPP), José Maria Cancelliero, a ideia é pedir respeito à categoria.

Jornal Agora -01-10-09-pág.A/8

Funcionalismo

Víncius Segalla

Professores prepararam dia de protesto

As entidades representativas dos professores da rede estadual de ensino estão preparando protestos para o dia 15 de outubro, quando é comemorado o Dia do Professor.

A maior queixa é contra o projeto de lei que cria aumento salarial diferenciado para os professores mais bem classificados em uma avaliação de desempenho a que serão submetidos os docentes.

O projeto está pronto para ir a plenário na Assembleia Legislativa.

O ato mais inusitado é preparado pelo CPP (Centro do Professorado Paulista) e mais quatro associações do magistério para acontecer em frente à sede da Secretaria de Estado da Educação, que fica na praça da República, região central de São Paulo.

Os docentes pretendem reunir 10 mil pessoas no que está sendo chamado de “Nu Pedagógico pela Educação”. A ideia é deixar, pelo menos, mil professores e professoras sem roupas, para mostrar “a nudez do governo atual com relação à educação”, conforme define Luiz Gonzaga de Oliveira Pinto, presidente do Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério Oficial do Estado.

Já Apeoesp (Sindicato dos professores da rede estadual de ensino) planeja uma série de atos regionais em várias cidades do Estado. Antes do Dia do Professor, o sindicato fará caravanas em municípios, convocando os docentes para os protestos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: