Serra errou ao cortar projeto, diz secretário

Coordenador do programa na gestão anterior de Alckmin, Barbosa diz que há demanda nas escolas – Reportagem do Jornal da Tarde -de 21 de janeiro de 2011 – página A/11.

Responsável por coordenar o programa Escola da Família na última passagem de Geraldo Alckmin pelo Palácio dos Bandeirantes, o novo secretário de Desenvolvimento Social do Estado, Paulo Alexandre Barbosa, classifica como “erro” a decisão do ex-governador José Serra de reduzir o programa. Em entrevista ao estadão.com.br, Barbosa argumenta que, ao contrário do que a gestão Serra alegou, existe demanda para a abertura das escolas estaduais aos fins de semana.

“Foi um erro a redução do Escola da Família”, diz o secretário, que foi um dos deputados estaduais mais votados em outubro e se licenciou para ocupar a pasta. “Acho que essa redução não foi a atitude mais acertada. É só você caminhar pelas cidades, pelos municípios, e as escolas pedem o retorno do Programa Escola da Família. É sinal de que existe demanda e aceitação da população”.

Uma das vitrines do segundo governo Alckmin (2003-2007), o Escola da Família abriga colégios estaduais abria colégios estaduais aos fins de semana para as comunidades. Para organizar as atividades, ex-estudantes da rede pública eram contratados como voluntários e recebiam bolsas universitárias. O programa foi drasticamente reduzido nos primeiros meses do governo Serra, sob a alegação de que não havia demanda suficiente para a abertura de todas as escolas. De 2007 (primeiro ano do governo Serra) para 2008, a redução do orçamento para o programa foi de 48%.

Apontado como uma indicação do deputado federal eleito Gabriel Chalita (PSB) para o cargo, Barbosa confirma a reaproximação entre Alckmin e seu ex-secretário de Educação, que deixou o PSDB em 2009 com fortes críticas a Serra, entre elas a redução do Escola da Família. “A relação que o governador Geraldo Alckmin tem com Gabriel Chalita nunca foi escondida. É relação que existe independentemente dos caminhos políticos que foram seguidos.”

Atritos antigos – A redução do Escola da Família já havia provocado atritos entre alas alckmistas e serristas do PSDB em 2007. Á época, a secretária de Educação, Maria Lúcia Vasconcelos, disse: “o projeto estava superdimensionado e em algumas regiões a população não havia se apropriado do espaço.”

Questionado sobre o assnto em sabatina com candidatos à Prefeitura em 2008, Alckmin se irritou, dizendo que Maria Lúcia “ficou seis meses no cargo e saiu”. O corte de verbas do programa foi uma das saias-justas no início do governo Serra; ele ainda ordenou revisão dos contratos do governo Alckmin e ‘pente-fino’ na lista de servidores estaduais.

Ao assumir o Palácio dos Bandeirantes este ano, Alckmin também ordenou revisão dos contratos e congelou R$ 1,5 bilhão da receita prevista por Serra, justificando que ainda não há certeza de confirmação do valor. O governador, porém, negou atrito com o antecessor.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: