AO CONTRÁRIO DA ONU, HADDAD VÊ MELHORA NA EDUCAÇÃO

Fonte: agência Estado – Brasil foi o 73o colocado no relatório divulgado pelo Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento. Apesar de a educação ter sido apontada como um dos fatores que empurram o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil para baixo, o ministro Fernando Haddad considerou positivo o desempenho apresentado pelo País no setor. ‘Do ponto de vista de uma geração, os números melhoraram muito’, afirmou ele, ao comparar os dados de expectativa de vida escolar e a média de anos estudados pela população acima de 25 anos. ‘Para esse grupo a média de anos estudados foi de 7,2 anos. As crianças agora têm expectativa de estudar 13,8 anos. É uma melhora considerável.’

O Brasil foi o 73o colocado no relatório divulgado nesta quinta-feira (4/11) pelo Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento (Pnud), um avanço de quatro posições em relação ao ano passado. O desempenho não foi melhor em razão dos indicadores de educação, afirmou o economista do Pnud Flávio Comim.

Embora não tenha feito críticas específicas ao IDH-2010, Haddad contestou os números de um dos indicadores. De acordo com o relatório oficial das Nações Unidas, a expectativa de anos escolares caiu de 14,5 para 13,8 anos entre 2005 e 2010 no País. ‘Esses dados contradizem o Censo Escolar, levantamento brasileiro que é reconhecidamente um dos melhores do mundo’, disse o ministro da Educação.

No entanto, Haddad reconheceu a dificuldade de melhorar rapidamente a média de escolaridade da população com mais de 25 anos. ‘Os dados representam um fardo histórico. Fazem retrato do passado, não das ações atuais.’ O ministro informou haver dificuldade em preencher vagas para cursos voltados a adultos.

Um ponto que poderia melhorar, afirmou, seria a ampliação da oferta de cursos no formato do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação Jovens e Adultos (PROEJA). ‘Há maior atrativo’, disse. De acordo com ele, o Plano Nacional de Educação deverá apresentar metas para que seja dada ênfase em cursos no formato do programa, sobretudo para anos finais do ensino fundamental e ensino médio.

Para o ministro, é preciso mais tempo para analisar dados do IDH. ‘Não sou favorável à troca constante de indicadores, porque se perde série histórica’, ponderou.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: