LIÇÃO DE EXCELÊNCIA NA CRECHE

Fonte: Revista Veja – 3/11/2010 – pág.130 – A experiência da professora mineira Sílvia de Jesus mostra que incentivar o aprendizado desde muito cedo pode surtir bons resultados.

A trajetória da mineira Sílvia Ulisses de Jesus, 45 anos, é singular na educação brasileira. Por incentivo dos pais, um casal de agricultores que se mudou para a capital em busca de um bom ensino para os oito filhos, ela jamais cogitou outra profissão na vida senão a de professora. Dedica-se ao ofício há duas décadas. Dois anos atrás, depois de lecionar em diversas escolas e arranjar emprego numa universidade particular, Sílvia causou espanto aos colegas quando avisou que daria aulas numa pequena pré-escola municipal. Entre as primeiras colocadas no concurso público que prestou, tinha a primazia de escolher qualquer colégio da rede. Acabou optando pela mesma escola em que estudou na infância, vizinha a uma favela de Belo Horizonte. “Tacharam-me de louca. Ensinar crianças tão pequenas num lugar pobre como esse não dá dinheiro nem status no Brasil”, ela reconhece, mas pondera, com raríssimo entusiasmo: “Nada me realiza mais”. Pois, desde então, Sílvia vem executando um trabalho exemplar, baseado numa vasta pesquisa sobre a experiência internacional. Em suas aulas, ela apresenta cores e formas em pinturas de Salvador Dalí, ensina ritmos fazendo uso dos mais variados instrumentos, lê contos de fadas. “A ideia é prover a criança de bons estímulos no lugar de deixá-la inerte – uma prática muito comum na pré-escola brasileira”, diz.

Tal é o resultado positivo de suas aulas que Sílvia foi convidada a disseminar a experiência pelas demais pré-escolas de Belo Horizonte. Na semana passada, o trabalho lhe rendeu o Prêmio Educador Nota 10, concedido pela Fundação Victor Civita, desde 1998, a dez professores que se distinguem pela excelência – grupo do qual ela foi o destaque. O impulso que conseguiu dar a um grupo de crianças na primeria fase de seu desenvolvimento cognitivo faz refletir sobre a relevância dos estímulos providos desde muito cedo. Não raro, são seus alunos que apresentam certas histórias e músicas aos pais. A salvo dos exageros que constumam permear o debate, a ciência já concluiu que, sim, certos incentivos a crianças pequenas podem ser decisivos. Resume o economista americano James Heckman, prêmio Nobel de Economia e autor do mais abrangente estudo já feito na área: “Não é exagero dizer que, quanto antes  os incentivos ao aprendizado vierem, mais chance a criança terá de se tornar um adulto bem preparado”.

O trabalho de Heckman, reforçado por dezenas de outros que se seguiram, sinaliza para os estímulos que fazem mais diferença – aqueles que ajudam na aquisição e no desenvolvimento da linguagem. É espantosa a distância que separa os que foram incentivados nesse sentido, até os 5 anos de idade, daqueles que não tiveram a mesma experiência. Para se ter uma ideia, crianças que crescem cercadas de estímulos cognitivos na primeira infância chegam aos 8 anos dominado, em média, 12 000 palavras (o triplo do vocabulário daquelas que não têm a mesma base). E a tendência é que essa diferença só aumente, desencadeando um ciclo vicioso. Explica o especialista João Batista de Oliveria: “Quando as crianças absorvem um repertório limitado de palavras, elas enfrentam dificuldade para depreender o significado de frases e ideias e têm, com isso, uma séria barreira para expandir o conhecimento”. Os incentivos à apreensão da linguagem são tão simples quanto eficazes, segundo enfatiza a literatura sobre o assunto – e a própria experiência da professora mineira. “Tudo o que faço na sala de aula diz respeito a aguçar a sede por conhecimento das crianças”, sintetiza.

Crianças vindas de famílias com renda e escolaridade mais elevadas tendem a ser supridas desses estímulos em casa – mas as outras, não. Daí ser preocupante o fato de sete em cada dez crianças brasileiras de até 5 anos, a maioria delas egressa da pobreza, estarem fora da escola. Longe da sala de aula e sem grandes incentivos ao aprendizado por parte dos pais, elas têm suas chances de avançar limitadas logo de saída. Foi a percepção disso que levou a professora Sílvia de Jesus a lecionar na vizinhança pobre de onde, à custa de muito esforço e pondo à prova a lei das probabilidades, foi alçada ao ensino superior, junto com os irmãos. Dos oito, seis, são professores. No Brasil, é praticamente impossível encontrar gente tão gabaritada como ela no ensino infantil. Sílvia, que nunca se casou nem teve filhos, ganha 850 reais por mês. Assim como os colegas, completa a renda dando aula numa escola particular e ainda numa pequena faculdade, na qual ajuda a formar professores para o ensino básico. Ali, sua amostra de alunos reflete algo que se estende à realidade brasileira. “Ninguém quer dar aula na pré-escola”, lamenta. Tornar esse ofício atraente no Brasil é crucial para dar o primeiro e necessário impulso para que, no futuro, essa nova geração tenha mais chance de prosperar.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: