AGRESSÃO CONTRA PROFESSORES

Quanto a autoridade é destituída por vil corvadia

Entre vários e descabidos exemplos de profissionais agredidos, ouvimos o caso da professora Aparecida Maria dos Santos Vecchi que lembra quando foi baleada por um dos seus alunos em plena sala de aula em uma escola de Santo André. Foi vítima desta barbárie em 2001, enquanto dava aula para a turma da 7a série na Escola Estadual Ordânia Janone Crespo. Apesar da fatalidade a professora conseguiu perdoar o estudante. “Tenho a consciência de que o magistério é uma missão, um dom, e de que fazemos papéis, tanto o de educador, como o de pais e psicológas, porque são crianças carentes que saem de suas casas e vão para as escolas”, revela.

Segundo pesquisa da UDEMO, alguns fatores contribuem para a proliferação desse tipo de violência. “Por volta dos anos 70, o professor recebia alunos com uma boa formação, que vinha de casa. Hoje, os alunos têm muita informação e nenhuma formação por isso respeita menos”, afirma Roberto Leme – vice presidente do sindicato.

Em caso de agressões físicas ou morais, o advogado do  Departamento Jurídico do Centro do Professorado Paulista (CPP), dr. Márcio Nascimento, orienta os professores a se dirigirem à delegacia de polícia e fazer um boletim de ocorrência para que sejam tomadas as providências cabíveis ao caso.

A agressão ultrapassou as salas de aulas e, amparadas pelo anonimato, foram parar na internet onde mancham a reputação dos professores em situações públicas  e bizarras.  Para esse tipo de violência, a vítima deve lavrar uma ata notarial e fazer uma constatação de testemunhas, alerta o Dr. Coriolano Camargo Campos, Presidente da Comissão de Crime de Alta Tecnologia da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Mecanismos de combate a esta sombria realidade, que insiste em ameaçar os professores brasileiros, precisam ser urgentemente ativados.

Um projeto de lei, de autoria do deputado Rodrigo Rollemberg, pretende criminalizar o aluno que cometer agressão aos profissionais da educação, prevendo detenção para agressão física, multas para agressão moral, e, quando menor de idade, o agressor ficar sujeito às penas estabelecidas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Informações:
Departamento Jurídico do CPP
e-mail: juridico@cpp.org.br
Tel: (11) 3340-0500

Comissão dos Crimes de Alta Tecnologia  (OAB)
Dr. Coriolano Aurélio de Almeida Camargo Santos (presidente)
R. Anchieta, 35 – 1o andar
Tel: (11) 3244-2013/2014/2015 – Fax: (11) 3244-2011
e-mail: crimestecnologia@oabsp.org.br
www.oabsp.org.br

Assista ao vídeo

SECOM/CPP

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: