Talibãs de chuteiras

Artigo de Roberto Pompeu de Toledo – Revista Veja -19-05-2010 – pág.178 – “A Copa do Mundo, na doutrina Dunga, é um calvário que é preciso escalar sem medir prejuízos, físicos ou morais, para fincar lá no alto o pendão verde-amarelo”

A temporada de Copa do Mundo começa mal. Logo de saída, o técnico
Dunga nos ameaça com patriotismo. Nada menos do que patriotismo! Um anúncio de cerveja na televisão, no ar faz algumas semanas, já batia na mesma infausta tecla. Um desperado Dunga, esbravejando iracundas palavras de ordem e gesticulando como um possesso, um cenário cheio de sugestões de verde-amarelismo, pregava que para gnhar no futebol só sendo “guerreiros” – no cas, “guerreiro” como os consumidores da cerveja em questão. Na entrevista em que divulgou a lista dos convocados, na semana passada, o técnico ofereceu novas manifestações de seu ardor cívico. Disse que a mãe, professora de história e geografia, o ensinou a ser patriota. Insistiu em que cada um dos jogadores convocados tem de “mostrar patriotismo”. E tome expressões como “doar-se pelo país”, “comprometimento”,  “responsabilidade”. A Copa do Mundo, na doutrina Dunga, é um calvário que é preciso escalar sem medir prejuízos, físicos ou morais, para fincar lá no alto o pendão verde-amarelo.

O anúncio da cerveja, ou antes a série de anúncios, pois se trata de mais de um filme,´com variações sobre o mesmo tema, já nos ensinava que Copa do Mundo é “guerra”. Vai-se para um jogo do Mundial, segundo prega uma das peças publicitárias, “como quem vai para uma batalha”. Alguns jogadores aparecem em cena secundando o técnico no ímpeto belicoso. “É o Brasil contra o resto do mundo”, anuncia o locutor. “Vamos para a guerra juntos”. As tomadas épicas exibidas a seguir evidenciam que os atletas estão prontos para a missão sagrada. “Raça”, pede o locutor. Tanto jogadores quanto torcida devem se imanar na “raça”. Quando o time entra em campo, não é um time. São os marines desembarcando em Bagdá, ainda mais temíveis por se acharem anabolizados pelos teores guerreiros inerentes ao consumo da cerveja. O resto do mundo que se cuide.

O anúncio é a expressão de uma filosofia (decifre-a quem for capaz) que combina os efeitos da cevada fermentada, o nacionalismo e o bom desempenho no esporte. De quebra, explica que a Copa do Mundo não é, como pensariam os mais desavisados a respeito das competições ou dos congressos internacionais, uma oportunidade no mínimo interessante para sair um pouco da própria casca e deparar com outros panoramas, outras gentes e outros costumes, ainda que se tenha de disputar um campeonato. É a arena em que ou se fará correr o sangue do inimigo ou se deixará o próprio sangue.

Tanto o discurso de Dunga como a publicidade da cerveja obedecem à mesma concepção de futebol das torcidas organizadas. Os estádios são hoje o território delas. Os coros, as músicas e as coreografias se sucedem durante os jogos. É bonito de ver, mas é assutador cruzar com elas na rua. A noção que as congrega é ade “nação”. Fala-se na “nação alvinegra”, na “nação tricolor”. A preferência por um clube traveste-se de patriotismo. Como exige todo patriotismo, o passo seguinte é eleger um inimigo. O inimigo é o que veste uma cor diferente e entoa um coro diferente. Que fazer com ele? Ora, inimigo se combate. Estraçalha-se, ao primeiro encontro na estação de metrô. O embate de torcidas organizadas tem causado mortos e feridos, no Brasil e mundo afora. Dunga e a cerveja endossam a mesma lógica nacionalista que as embala. A mensagem que deixam no ar é que as torcidas organizadas estão certas.

O técnico da seleção transmite uma visão sacrificial do futebol. No seu repertório, ao “comprometimento” e à “doação” soma-se a “superação”. (“Superação” é palavra da moda. Por “superação” entende-se até conseguir fazer regime para emagrecer). Na entrevista da convocação ele disse que não gosta de se pôr como vítima e que seu propósito é ser feliz. O conjunto do discurso, no entanto, aponta para o inverso. Ele é vítima de críticos que não reconhecem o valor de “todo um trabalho”, por ele feito ao longo de três anos e meio com “coerência”. Mas não importa. A infelicidade é o caminho pelo qual se chega ao triunfo. A alegria que pode (e em princípio até deve) haver numa disputa esportiva desaparece sob os imperativos da renúncia e da abnegação. Futebol é jogo, e jogo é brinquedo. Paulo Mendes Campos escreveu uma vez que a bola é o mais perfeito brinquedo jamais inventado. Dunga e a cerveja, com seus arrebatamentos cívicos, seu espírito “guerreiro” e sua busca de inimigos, passam longe das noções de jogo e brinquedo. Sob a inspiração deles, quementra em campo é o talibã de chuteiras.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: