Protesto de ‘bota-fora’ de Serra para Paulista com ataques a tucano

Fonte: Folha de São Paulo-1-04-2010-pág.11/A – Manifestantes também fizeram críticas à imprensa, que acusaram por buscar ‘criminalizar’ os grevistas

Num protesto de “bota-fora”, marcado para o dia em que José Serra (PSDB) deixou o governo de São Paulo para concorrer à Presidência da República, professores grevistas da rede estadual voltaram ontem (31/3) à tarde a bloquear a av. Paulista e uma das pistas da rua da Consolação e a atacar Serra.

“Quem trata o professor desta forma não pode governar bem o Brasil”, discursou a presidente da Apeoesp, Maria Izabel Noronha.

O PSDB entrou com uma representação na Justiça Eleitoral contra o sindicato e Maria Izabel, que é filiada ao PT, por causa das declarações de cunho eleitoral que têm sido feitas nos protestos dos professores. “Não me intimido nem me intimidarei. Reafirmo: Serra não será um bom presidente”, respondeu a sindicalista.

Parte dos docentes está em greve desde o dia 8. Eles pedem reajuste salarial de 34,3%. O governo estadual diz que esse aumento comprometeria as contas do Estado e que só negocia após o fim do movimento.

Segundo a Apeoesp, 45 mil pessoas participaram do “bota-fora”. Pelos cálculos da Polícia Militar, foram apenas 3.000.

Por causa do protesto, os motoristas enfrentaram trânsito complicado. Na av. Paulista, o congestionamento na pista sentido Consolação chegou a 2 Km. Na Av. Rebouças, na pista sentido centro, a 3 Km.

Os grevistas decidiram manter a paralisação e convocaram novo protesto na Paulista para a próxima quinta-feira. Segundo os grevistas, mais de 60% dos professores estão parados. Para o governo, as escolas afetadas não passam de 1%.

Os manifestantes também atacaram a imprensa. Suplente do senador Eduardo Suplicy (PT) e um dos líderes do protesto, Carlos Ramiro de Castro acusou a imprensa de criminalizar o movimento grevista.

Ele também criticou o fato de os veículos noticiarem a filiação partidária dos dirigentes sindicais nas reportagens sobre manifestações contra Serra.

“Pergunte aos Frias, pergunte aos Mesquitas, pergunte aos Marinhos, se eles não têm posição político-partidária”, disse, aos gritos, refeindo-se aos proprietários da Folha, de “O Estado de São Paulo” e da Rede Globo, respectivamente.

“Trabalhador não pode, mas o patrãozinho deles [jornalistas] pode [ter filiação partidária]”, disse. Para ele, o movimento tem “independência de qualquer partido político”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: