Professores da rede estadual de SP anunciam greve

Folha de São Paulo-6-03-2010-Categoria reivindica reajuste de 34,3%; governo tem priorizado aumento com base em avaliações e diz que paralisação é política. Assembleia, que reuniu pelo menos 5.000, serviu também de palanque contra possível candidatura de José Serra à Presidência.

Aos gritos de “aumento salarial já” e “fora Serra”, docentes e funcionários da rede estadual decidiram ontem entrar em greve até ao menos sexta-feira. Reivindicam reajuste salarial de 34,3%, incorporação das gratificações (o que eleva os salários dos aposentados) e fim da prova para escolha de temporários.

Em nota, a Secretaria da Educação afirmou que a greve é “política” e considerou a pauta “inimiga da melhoria do ensino”. Disse ser impossível conceder o aumento salarial, pois 30% do Orçamento está comprometido com educação.

A assembleia, na praça da República (centro), foi organizada por vários sindicatos, incluindo a Apeoesp, ligada à CUT e ao PT. Deputados de PT e PSOL foram ao local. A PM estimou em 5.000 o total de presentes; os organizadores, em 10 mil.

Os representantes dos sindicatos dizem que o reajuste pedido é o equivalente às perdas desde 1998. O salário inicial na rede está hoje em R$ 1.834 (jornada de 40 horas semanais).

Até  agora, o governador José Serra (PSDB) tem priorizado políticas que concedem aumento com base em avaliações. Já está em curso projeto que pode quadruplicar o salário até o final da carreira, desde que o docente passe em exames.

Outro programa concede um bônus anual variável àqueles que trabalham em escolas cujas notas melhorem. Também anunciou a incorporação de uma gratificação, em três anos.

Os sindicatos reclamam que os reajustes abrangerão poucos docentes. E que é injusto cobrar evolução dos servidores sem que haja melhoria nas condições de trabalho na rede.

Sobre as provas dos temporários, as entidades dizem que o governo precisa fazer concurso para acabar com essa modalidade (hoje são 80 mil do total de 210 mil). Enquanto isso, defendem a volta ao modelo anterior, que considerava apenas o tempo de serviço do candidato.

O governo diz que diminuirá o número de temporários (há concurso aberto para 10 mil), mas que, enquanto isso, deve escolher os melhores na prova.

“A greve é fruto da intransigência do governo”, disse especialista em educação. Para eles haverá nova assembleia na sexta, no Masp.

A assembleia de ontem serviu de palanque para ataques à possível candidatura de Serra à Presidência. “Não queremos para o Brasil o que ele fez em SP”, disse um dos representantes dos servidores paulistas. (F.T).

Greve nas escolas – Docentes da rede estadual param até sexta

As reivindicações – Reajuste salarial de 34,3% – Incorporação de todas as gratificações (que leva a aumento aos aposentados) – Fim da prova para temporários.

210 mil – é o número aproximado de professores que atuam na rede.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: